Jocélio Leal
clique para exibir bio do colunista

Colunista e editor-chefe dos núcleos de Economia e Negócios do O POVO. Também é âncora da rádio O POVO-CBN e apresenta flashes na rádio CBN Cariri. É o editor-geral do Anuário do Ceará e do Guia de Investimentos de São Paulo

Opinião

Em boa hora, Ceará aposta no microcrédito

O programa Ceará Credi foca em microempreendedores, autônomos informais e MEIs, que podem obter empréstimos de R$ 500 a R$ 5 mil
A polícia investiga ameaça de morte contra o governador que circula em grupos do WhatsApp.
A polícia investiga ameaça de morte contra o governador que circula em grupos do WhatsApp.

Ao anunciar a liberação de R$ 100 milhões para o Programa de Microcrédito Produtivo Orientado (Ceará Credi), o governador Camilo Santana (PT) deu um passo importante para além das medidas assistenciais. O funding bancará empréstimos de R$ 500 a R$ 5 mil para a população mais vulnerável.

No rol, gente do programa microempreendedores e trabalhadores autônomos informais e Microempreendedores Individuais (MEIs), dos diversos segmentos de produção, artesanato, comércio e serviços, inclusive empreendedorismo social e cultural. Entram também agricultores familiares que desenvolvam negócios não agrícolas no meio rural. Precisa ter renda de até três salários mínimos.

A metodologia do microcrédito produtivo orientado prevê empréstimos graduais de acordo com o tamanho e capacidade de pagamento, a ser avaliada por agentes comunitários de crédito. Na pandemia, em entrevistas virtuais.

A propósito, a lei que institui o financiamento foi sancionada em janeiro. O Fundo será operado pela Adece - braço da Secretaria do Desenvolvimento Econômico e Trabalho (Sedet) - e gerido por um Conselho Diretor para estabelecer critérios para a concessão de recursos e acompanhar a execução das ações.

Na Adece, criaram a Diretoria de Economia Popular e Solidária e convidaram a economista Silvana Parente. Ela tem no currículo a criação do programa de microcrédito do Banco do Nordeste, donde é originária. O chamado Crediamigo é uma herança bendita da gestão do controverso presidente Byron Queiroz e se tornou um case.

Camilo deve anunciar ainda esta semana inovações na chamada inclusão produtiva e financeira.

NOVOS HÁBITOS

A forma da água

Na pandemia mudam os hábitos de consumo de água também. O CEO da Minalba Brasil, Antônio Vidal, diz que nesta fase, de forma geral, as embalagens para consumo futuro são mais vendidas. Leia-se (ou beba-se) de 1.5 litros pra cima. A propósito, o portfólio da companhia tem lá uma marca de guerrilha, a Natural do Horizonte. Existe apenas para competir em alguns canais, como depósitos de bebidas que abastecem vendedores ambulantes. É uma arma onde a Minalba não consegue competir em preço com a Indaiá.

PESQUISA

Angústia cresce entre pequenos

A 10ª edição da Pesquisa "O Impacto da Pandemia do Coronavírus nos Pequenos Negócios", do Sebrae e FGV, revela mais angústia. A proporção de angustiados com o futuro da empresa chegou a 57%. Em setembro de 2020 eram 43%. Serviços de alimentação, economia criativa, beleza, pet shops, turismo, moda e energia lideram na sensação ruim por dentro.

M. DIAS BRANCO

Momento al dente no mercado

É al dente o momento de M. Dias Branco, líder nacional na venda de massas e biscoitos, na B3. Depois de mesa farta no começo da pandemia, no já longínquo 2020, a coisa desandou por ora, com queda expressiva no preço das ações (15% no ano). Em larga medida, a proteína do ano passado fora o consumo puxado pelo auxílio emergencial e a mudança de hábito, com as pessoas comendo mais em casa.

Fundamentos são sólidos

O trigo (importado em dólar) e o desemprego a desonerar as finanças domésticas. Este binômio explica em parte o porquê de o balanço do quarto tri, divulgado em dia 31 de março, ter golpeado o desempenho na Bolsa. E agora o auxílio emergencial ralo não é capaz de engrossar o molho do consumo. De todo modo, é preciso ler as companhias em seus fundamentos, não apenas a conjuntura. E os fundamentos são sólidos.

Fausto Nilo, arquiteto e compositor
Fausto Nilo, arquiteto e compositor (Foto: Fco fontenele)

50 ANOS

As letras e o urbanismo de Fausto Nilo

O arquiteto, urbanista e compositor Fausto Nilo fez pelo menos 28 letras de músicas durante a pandemia. Afora estas, tem 25 melodias deixadas pelo parceiro Dominguinhos. Em verdade, com dois ofícios, ele compõe letras e ideias sobre a Cidade. Aliás...Fausto coordenou o Fortaleza 2040 e estava na equipe vencedora do concurso para criação da nova Beira Mar. Deixaram o projeto no final, quando houve alterações pela Prefeitura. Ele está a completar 50 anos de profissão assistindo a críticas um tanto histriônicas, um tanto empíricas a obras que criou. Lamenta termos um aeroporto e um parque de tancagem onde estão. Também lastima os erros históricos cometidos, como empurrar os pobres para bem longe da área central. Sabe Cidade de Deus? Segurança, transporte, saúde. Tudo passa pelo urbanismo.

Tiggo 5X:  SUV da Caoa Chery
Tiggo 5X: SUV da Caoa Chery (Foto: divulgação)

SINO-BRASILEIRA

A agenda positiva da Caoa-Chery

A Caoa Chery chegou a 20 mil unidades do SUV Tiggo 5X produzidas em Anápolis (GO). O modelo foi o primeiro da cooperação estratégica entre a Caoa e a Chery, em 2017. Além dele, faz lá o Tiggo 7 e o Tiggo 8.

horizontais

Dois lados - É dura a vida dos lojistas. De shopping e de rua. Mas também é dura a vida dos locadores. Em malls ou ruas. A Abrasce, a entidade que abraça os shoppings, sustenta ter sido de 24% a queda no faturamento no primeiro bimestre, ante janeiro-fevereiro de 2020.

Blog no rádio - De segunda a sexta-feira tem Blog Jocélio leal a qualquer momento nas rádios O POVO CBN (AM e FM), CBN Cariri e Nova Brasil FM.

Inclusiva - A nova coleção de Tommy Hilfiger tem peças que se adaptam a adultos e crianças com necessidades especiais. São soluções como ajuste próteses e fechos fáceis

 

Clique na imagem para abrir a galeria
Essa notícia foi relevante pra você?
Logo O POVO Mais