Tânia Alves
clique para exibir bio do colunista

Tânia Alves é formada em jornalismo pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Começou no O PCeará e Política. Foi ombudsman do ornal por três mandatos (2015, 2016 e 2017). Atualmente, é coordenadora de Jornalismo..

Análise

O que é bom tá guardado

Urna eletrônica
Urna eletrônica

Quando as urnas se fechavam, naqueles anos de votos com cédulas, era comum a apuração demorar dias e dias. Contar (um a um) os votos depositados nas seções exigia destreza dos mesários e atenção redobrada dos fiscais das coligações. Reunidos em um espaço, geralmente em um clube, o trabalho atraia não somente os representantes dos partidos, mas também os moradores da Cidade. Com os primeiros resultados, os papocos de fogos eram ouvidos de um lado da cidade. Enquanto o outro permanecia calado em sua tristeza.
Eram momentos de angústias o pós-eleição. Com animação de um lado ou de melancolia do outro. Quem partida na frente. na primeira abertura de urna, geralmente permanecia assim até o final da contagem. Era a tendência que se anunciava da eleição daquele ano. Porém, quem ficava para trás sempre costumava dizer a frase- “o que é bom tá guardado” - como se apegando a um fio de esperança que na maioria das vezes nem se concretizava.
A frase me veio à mente quando, no domingo (18/10) , foi divulgada a pesquisa O POVO/Datafolha à prefeitura de Fortaleza, Mostrando Capitão Wagner (Pros) na liderança com 33% das intenções de voto; seguido pela ex-prefeita Luizianne Lins (PT), com 24%, e por José Sarto (PDT), com 15%.

Leia mais dados em: Pesquisa O POVO/Datafolha: Capitão Wagner lidera; Luizianne e Sarto brigam por 2º turno

Este é o resultado daquele momento. Se pode dizer, a partir do que mostrou a pesquisa, que a projeção é de segundo turno na capital cearense. Não é só isso. Acima de tudo, ela deve ser utilizada pelos especialistas para apontar o rumo que as campanhas devem tomar a partir da leitura dos números. Enxergar o que a pesquisa demonstra é o grande desafio das campanhas. Quem souber captar melhor aquilo que os números apresentam, compreenderá o sentimento do eleitor e terá como melhor organizar o rumo para os candidatos.
Captar o espírito “do que é bom tá guardado” significa não entregar os pontos à espera da abertura das urnas em busca de um quase milagre. Vem no sentido de orientar para onde deve seguir o trabalhar e para onde as campanhas podem se mover com mais segurança. Uma leitura errada ou certa de uma pesquisa que retrata o momento pode significar o fio que separa uma vitória de uma derrota nas urnas. Quem melhor projetar as possibilidades estabelecidas naquele momento (seja o POVO/Datafolha ou outro instituto) tem grande chance de compreender o espírito dos eleitores no pleito.

Essa notícia foi relevante pra você?
Logo O POVO Mais