Logo O POVO Mais
Reportagem Especial

Do Nordeste para o mundo: conheça Lucas de Vega, o meio-campista cearense do Barcelona

O jovem de 21 anos, que nasceu em Fortaleza e se mudou para a Espanha aos 2 anos, tem nacionalidade brasileira e espanhola e está no clube catalão desde 2009. Jogador avalia qual seleção escolher

Do Nordeste para o mundo: conheça Lucas de Vega, o meio-campista cearense do Barcelona

O jovem de 21 anos, que nasceu em Fortaleza e se mudou para a Espanha aos 2 anos, tem nacionalidade brasileira e espanhola e está no clube catalão desde 2009. Jogador avalia qual seleção escolher
Tipo Notícia Por


 

Filho de pai espanhol e mãe brasileira, Lucas de Vega, de 21 anos, nasceu em Fortaleza (CE), mas se mudou cedo para a Espanha, com 2 anos de idade, onde cresceu e se tornou jogador de futebol do Barcelona, um dos maiores clubes do mundo. O meio-campista cearense, que já recebeu convocação para a seleção brasileira sub-16 e para a espanhola sub-17, está entre as grandes promessas das categorias de base do time catalão.

Adolfo de Vega, pai do atleta, chegou a Fortaleza em 1990 em busca de empreender. Na capital cearense, o espanhol conheceu a maranhense Elidiane Lima em uma festa no antigo clube Pau de Arara, localizada na Messejana. O romance se tornou um relacionamento sério e resultou no nascimento de Lucas, primeiro filho do casal, no dia 16 de janeiro de 2000.

Lucas de Vega, meia, foi formado na base do Barça(Foto: Divulgação / Barcelona FC)
Foto: Divulgação / Barcelona FC Lucas de Vega, meia, foi formado na base do Barça

Em 2002, a família resolveu passar as férias na Espanha e não retornou mais ao Brasil. Durante a estadia no país europeu, o sítio que Adolfo tinha na Messejana foi invadido e assaltado. O caso ganhou grande repercussão na mídia cearense na época, gerando medo e insegurança. “A ideia era ficar em Fortaleza, mas com o assalto ao meu sítio decidimos ficar em Barcelona”, relembrou o empresário.

Na capital da Catalunha, Lucas cresceu no distrito L'Esquerra de l'Eixample — onde segue vivendo atualmente —, local em que deu os primeiros passos no futebol, aos 6 anos de idade, atuando pelo time do bairro. O bom desempenho entre os demais jogadores o fez ganhar destaque e chamou a atenção de olheiros do Barcelona, que trouxeram o jovem atleta em 2009, naquele momento com 9 anos de idade, para integrar as categorias de base do clube.

“O seu desempenho era muito diferenciado. Foi o Barça que foi atrás dele. É claro que ter um filho jogando no Barcelona dá orgulho, mas ainda tem muito caminho pela frente”, disse Adolfo. “Eu, como mãe, me sinto muito orgulhosa e feliz por ele estar conseguindo realizar o seu sonho”, completou Elidiane.

Iniesta teve passagem marcante pelo Barcelona (Foto: AFP)
Foto: AFP Iniesta teve passagem marcante pelo Barcelona

Fã do Iniesta, ex-camisa 8 do Barcelona e ídolo do clube, Lucas de Vega se destaca pelo bom toque de bola e a capacidade de construir e criar jogadas ofensivas, características do autêntico “DNA” da equipe catalã, que costuma revelar grandes jogadores para o futebol mundial, como Lionel Messi, Sergio Busquets, Cesc Fàbregas, Xavi (atual treinador do time), Piqué, Puyol, entre outros diversos.

Antes mesmo de estrear em uma partida oficial pelo Barcelona, Lucas — que tem dupla nacionalidade — foi convocado por duas seleções campeãs mundiais. Em 2016, a seleção espanhola sub-16 o convidou para participar de um torneio de desenvolvimento da Uefa, competição pela qual consagrou-se campeão.

 

Na temporada seguinte, o cearense foi visitado por três profissionais da CBF: Rogério Micale, ex-treinador da seleção sub-20, Erasmo Damiani, ex-coordenador técnico da base, e Paulo Henrique Xavier, ex-chefe do departamento de captação, que formalizaram um convite para um período de treinos com a seleção brasileira sub-17 na Granja Comary, no Rio de Janeiro. Foi a primeira vez que o atleta retornou ao Brasil desde que se mudou para a Espanha, em 2002. Além de Lucas, outras promessas do futebol canarinho estiveram presentes, como Vinicius Jr, atualmente no Real Madrid-ESP.

“Ele está indeciso (sobre qual seleção irá escolher). Toda a sua vida e amigos estão na Espanha, enquanto o vínculo com o Brasil é a sua família”, explicou Adolfo.

A indefinição de Lucas é semelhante com a de outros casos de dupla nacionalidade no futebol. O atacante Diego Costa, atualmente no Atlético-MG, construiu a carreira na Europa e, apesar de brasileiro, optou por defender a seleção da Espanha, assim como o meio-campista Thiago Alcântara, do Liverpool-ENG. Jorginho, atual campeão da Champions League pelo Chelsea-ENG e da Eurocopa com a seleção italiana, também é um exemplo.

 

 

Lucas de Vega na partida contra o Andorra pelo Barcelona B(Foto: Paco Largo/ FC Barcelona)
Foto: Paco Largo/ FC Barcelona Lucas de Vega na partida contra o Andorra pelo Barcelona B

 

Estreia em jogos oficiais

A estreia com a camisa do Barça B — equipe utilizada para a transição entre a base e o profissional — aconteceu em 2018, no torneio Uefa Youth League, competição disputada por equipes sub-19 dos clubes classificados para a fase de grupos da Champions League. Na primeira partida, Lucas foi titular contra o PSV e marcou um dos gols da vitória por 2 a 1 sobre os holandeses. O meio-campista também esteve em campo nos três jogos restantes do torneio, cujo troféu foi conquistado pelo time catalão.

Profissionalmente, a primeira experiência foi no Cartagena, em 2020, cedido através de empréstimo pelo Barcelona. No Efesé, como é conhecido o clube na cidade, Lucas disputou a terceira divisão espanhola, participando de 19 jogos e marcando um gol.

De volta ao Barça para a temporada 2020/2021, Lucas seguiu sendo utilizado pela equipe B. Foram 16 jogos na Primera División RFEF, com um tento. Em 2021/2022, pela mesma competição, o meio-campista entrou em campo 15 vezes e não balançou as redes nenhuma vez.

 

 

Momento de crise do Barcelona e potencialização dos jovens atletas

O Barcelona passa por um momento de profunda crise financeira, situação que impactou o clube de diversas maneiras, principalmente na questão esportiva: com um elenco reduzido, composto por jogadores pouco badalados, a tendência tem sido, cada vez mais, a utilização das jovens promessas das categorias de base.

Durante o mês de outubro, Ferran Reverter, CEO do clube catalão, revelou em entrevista coletiva um prejuízo de 481 milhões de euros, algo em torno de R$ 3 bilhões. Ainda segundo o diretor, as despesas chegaram a 1,1 bilhão de euros, equivalente a R$ 7 bilhões. Gastos milionários em contratações durante a gestão de Joseph Maria Bartomeu e o constante aumento da folha salarial são alguns dos motivos para o prejuízo.

 

Diante da crise, Lionel Messi, um dos maiores ídolos da história do Barcelona, não pôde renovar com o clube e se transferiu para o Paris Saint Germain, após 15 anos atuando no futebol espanhol. Mesmo com acordo de redução salarial aceita pelo argentino, a equipe catalã não conseguiu se adequar a regra de teto de gastos implementada pela La Liga, onde nenhum time pode gastar mais do que arrecadou na temporada passada, com o objetivo de evitar grandes desequilíbrios entre as forças que disputam o Campeonato Espanhol . O limite do Barça, antes por volta de 600 milhões de euros (cerca de R$ 3,6 bilhões), foi reduzido para 347 milhões de euros (cerca de R$ 2,1 bilhões).

“Isso reflete ainda mais no aproveitamento de jogadores das categorias de base, área no qual sempre houve muito investimento na formação. Até por necessidade, Ronald Koeman promoveu alguns atletas enquanto comandou a equipe, mas foi a chegada de Xavi que potencializou ainda mais La Masia. O novo treinador conhece a ‘casa’ como poucos e busca retomar a filosofia do jogo de posição, que marcou anos de sucesso do Barça, inclusive com ele em campo”, explicou André Linares, correspondente da ESPN Brasil na Espanha.

Segundo o jornalista, o estilo de jogo implementado é trabalhado em todas as equipes de base do clube, algo que facilitou para que Xavi tivesse ainda mais confiança em utilizar os jovens atletas, como no caso do meio-campista Gavi, promovido a titular da equipe principal com apenas 17 anos.

 

“Lesões e casos positivos de Covid-19 também têm aumentado a rotação e permitido que mais jogadores do Barça B sejam aproveitados. Treinar com a equipe principal e ser relacionado para uma partida são passos enormes para os jovens que sabem que Xavi não vai se preocupar com a idade, mas sim com o que podem oferecer em campo”, complementou.

Foi o caso de Lucas de Vega, que teve a sua primeira convocação para o time principal do Barcelona no dia 2 janeiro, na vitória por 1 a 0 sobre o Mallorca, pelo Campeonato Espanhol. Apesar de ter permanecido os 90 minutos no banco de reservas, a data, certamente, ficará marcada para o cearense. 

Essa notícia foi relevante pra você?

Conteúdo exclusivo para assinantes

Conteúdo exclusivo

Saiba mais

Estamos disponibilizando gratuitamente um conteúdo de acesso exclusivo de assinantes. Para mais colunas, vídeos e reportagens especias como essas acesse sua conta ou assine O POVO +.

Recomendada para você

"