Foto de Bosco Monte
clique para exibir bio do colunista

Fundador e atual Presidente do Instituto Brasil África. Doutor em Educação pela Universidade Federal do Ceará com Pós-doutorado em relações internacionais na Universidade de Brasília (UnB). É professor visitante em universidades brasileiras e africanas e Associado Internacional Sênior do Centro de Estudos Africanos, Latino-Americanos e Caribenhos (CALACs) da Jindal Global University (Índia). Em 2018, recebeu a Comenda da Ordem de Rio Branco, distinção concedida pelo governo brasileiro, em reconhecimento aos seus méritos na promoção das relações entre o Brasil e a África

Bosco Monte opinião

Joe Biden: a nova cara da liderança mundial?

Resposta forte de Joe Biden à pandemia, desde quando tomou posse na Casa Branca, realinha Estados Unidos com a agenda internacional
O presidente dos EUA Joe Biden (R) fala enquanto o vice-presidente Kamala Harris (L) escuta durante um evento no Auditório do Tribunal Sul da Casa Branca em 2 de junho de 2021 em Washington, DC. O presidente Biden falou sobre a resposta do COVID-19 e o programa de vacinação anunciando novos incentivos, incluindo cerveja grátis, creche grátis e ingressos esportivos grátis para forçar os americanos a serem vacinados antes de 4 de julho.  (Foto: Alex Wong / Getty Images / AFP )
Foto: Alex Wong / Getty Images / AFP O presidente dos EUA Joe Biden (R) fala enquanto o vice-presidente Kamala Harris (L) escuta durante um evento no Auditório do Tribunal Sul da Casa Branca em 2 de junho de 2021 em Washington, DC. O presidente Biden falou sobre a resposta do COVID-19 e o programa de vacinação anunciando novos incentivos, incluindo cerveja grátis, creche grátis e ingressos esportivos grátis para forçar os americanos a serem vacinados antes de 4 de julho.

Depois de uma campanha eleitoral bastante tensa e polarizada com Donald Trump, Joe Biden chegou à Casa Branca sabendo que sua principal agenda interna deveria ser o enfrentamento da crise da Covid-19. De forma assertiva Biden tomou para si a responsabilidade de apresentar uma resposta à pandemia nos Estados Unidos e anunciou em abril passado a meta de vacinar 200 milhões de americanos nos seus primeiros 100 dias de governo, com a possiblidade de alcançar 70% da população até o dia 4 de julho ( Dia da Independência).

A cifra não foi alcançada, mas com quase 160 milhões de pessoas totalmente vacinadas é possível ver que Biden conseguiu uma grande vitória.

Mas é no cenário internacional que a atenção do presidente americano e seus assessores deve ser direcionada, pois os Estados Unidos precisam retomar seu espaço e imagem de destaque prejudicados durante o governo de Donald Trump com seu discurso isolacionista da “America First”: uma agenda que projetou hostilidade a todas as coisas estrangeiras - pessoas, produtos e ideias.

Para mostrar sua intenção de destacar sua voz e apresentar uma nova narrativa de diálogo e consenso, Biden em seu primeiro dia de mandato anunciou que os Estados Unidos voltariam ao Acordo de Paris e que convocaria uma Cúpula de Líderes sobre o Clima para galvanizar os esforços das principais economias para enfrentar a crise climática.

Nos dias 22 e 23 de abril, em um evento virtual transmitido ao vivo com exibição pública, milhões de espectadores ao redor do mundo viram Biden recebendo mais de 40 líderes mundiais.

Mais recentemente, durante a reunião anual do G7 no Reino Unido, em sua primeira viagem internacional como presidente dos Estados Unidos, Biden declarou que "a América está de volta à mesa" e que neste momento difícil enfrentado por todas as nações a recuperação econômica global inclusiva está entre as principais prioridades de sua política externa.

Biden também tentou persuadir o G7 a se concentrar na ameaça representada pela China e a criar um fundo global para rivalizar com os bilhões que o pais asiático está despejando nos países em desenvolvimento.

Os lideres do G7 não querem entrar nessa briga, pois sabem que os recursos de Pequim são sempre generosos e agora, muito mais necessários.

Outra demonstração de sua determinação em marcar território aconteceu durante a primeira cúpula com o líder russo Vladimir Putin em junho passado quando o presidente americano procurou maneiras de conter o comportamento perturbador da Rússia, principalmente em relação a armas, segurança cibernética e direitos humanos.

Se as palavras de Biden têm poder de mudar as coisas, é ainda cedo dizer, mas algumas das ações do seu governo mostram a determinação de sua caneta que dentre outras iniciativas interrompeu o processo de retirada dos EUA da Organização Mundial da Saúde, acabou com a chamada proibição de viagens aos muçulmanos e cancelou o financiamento da construção de um muro de fronteira com o México.

Joe Biden, experiente e bom negociador vai tentar reparar alianças por meio da diplomacia e restaurar a posição de liderança de Washington no cenário global concentrando sua atenção mais em outros problemas mundiais, incluindo o que pode ser considerada a principal ameaça dos EUA: a China.

 

 

 

Essa notícia foi relevante pra você?
Logo O POVO Mais