clique para exibir bio do colunista

Repórter especial e cronista do O POVO. Vencedor de mais de 40 prêmios de jornalismo, entre eles Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP), Embratel, Vladimir Herzog e seis prêmios Esso. É também autor de teatro e de literatura infantil, com mais de dez publicações.

Opinião

Um colégio que nega a pandemia?

Demitri26072020
Demitri26072020

Alguém precisa avisar ao comando do Colégio Militar de Fortaleza que ainda está em curso no Ceará, no Brasil e no Planeta uma pandemia gerada pelo novo coronavírus. Há pais de alunos preocupados e querendo acionar o Ministério Público.

Alguns coronéis, servidores da escola federal, precisam ser lembrados que a instituição pública está esquadrinhada no território cearense. O terceiro mais contaminado do País pelo vírus. E onde já foram infectadas mais de 158,7 mil pessoas e, infelizmente, mais de 7,4 mil não resistiram e morreram com a Covid-19.

O alvoroço entre alguns pais e professores está se dando porque a unidade de ensino estaria adotando algumas posturas "negacionista" em relação à crise sanitária mundial, tal e qual faz o capitão reformado e presidente, Jair Bolsonaro.

Mesmo o Brasil estando a caminho da macabra estatística dos 100 mil mortos em cinco meses, o comando do Colégio Militar recomendou ao corpo docente "evitar formular questões relacionadas à Covid-19" nas provas aplicadas do 6º ao 3º ano do Ensino Médio.

Nada de indagações sobre a doença que invadiu o cotidiano de alunos e alunas e que pôs o presidente do Brasil como um dos quatro piores do mundo no enfrentamento à pandemia.

 

O comando do Colégio Militar recomendou “evitar formular questões relacionadas à Covid-19” nas provas do Ensino Médio

 

Desde o início do isolamento social no Ceará, há uma queda de braço entre a maioria dos pais de 809 estudantes - aliados com uma parcela dos professores, contra decisões irrevogáveis de "martelo batido - como se diz no jargão militar".

Numa consulta promovida pelo comando do Colégio Militar de Fortaleza, realizada na contramão de um decreto do governador Camilo Santana em relação às escolas públicas e particulares, 69% dos pais fincaram pé contra aulas presenciais como queriam os coronéis.

Parece, quem comanda o Colégio Militar de Fortaleza leu e segue ao pé da letra O Alienista de Machado de Assis. E precisa, com urgência, ler O Ensaio Sobre a Cegueira, do finado José Saramago.

Pois bem. Muitas "ordens" teriam ficado tão indiscutíveis no Colégio Militar, nesse momento em que a mentalidade bolsonarista contamina as casernas, que nem o feriado de Corpus Christis foi respeitado na escola.

Aquela folga que o prefeito Roberto Cláudio antecipou, numa combinação com Camilo Santana, foi uma estratégia para segurar o isolamento social e evitar mais colapso da rede de saúde em junho. Um mês de pico da Covid-19.

Estaria a caminho do Ministério Público do Trabalho, uma reclamação denunciando aulas e reuniões ocorridas, por videoconferência, na data da antecipação e no próprio feriado. Numa live, militares dizem que o colégio é independente, mesmo em época de pandemia e passando por cima de decretos municipais e estaduais.

Tenho dó do estrago que a mentalidade bolsonarista está causando, também, nas forças armadas e no Colégio Militar de Fortaleza. É engano achar que o espírito ultrapassado de quem foi enxotado do Exército renovou a "alma" nas casernas.

Trouxe, sim, retrocesso e sobejos autoritários ainda do tempo da ditadura militar.

Ignorância levada à presidência do Brasil e disseminada danosamente, também, entre os quartéis pelo País. Uma pena!

Essa notícia foi relevante pra você?
Logo O POVO Mais