Foto de Eliomar de Lima
clique para exibir bio do colunista

O jornalista Eliomar de Lima escreve sobre política, economia e assuntos cotidianos na coluna e no Blog que levam seu nome. Responsável por flashes diários na rádio O POVO/CBN e na CBN Cariri.

Governo passa a monitorar nas redes sociais manifestantes que organizam protestos contra Bolsonaro

Presidente foi a evento hoje, em Goiás, após "equipe de inteligência" assegurar que não haveria manifestação contra ele ou contra o Governo
Tipo Notícia
Bolsonaro vetou ainda artigos que tratavam de transporte por aplicativos e ampliava poderes de síndicos (Foto: AGÊNCIA BRASIL)
Foto: AGÊNCIA BRASIL Bolsonaro vetou ainda artigos que tratavam de transporte por aplicativos e ampliava poderes de síndicos

“Geralmente são marginais, terroristas, maconheiros, desocupados, que não sabem o que é economia, o que é trabalhar para ganhar o seu pão de cada dia e querem quebrar o Brasil em nome de uma democracia que nunca souberam o que é e nunca zelaram por ela”.

A declaração é do presidente Jair Bolsonaro, nesta sexta-feira (5), ao revelar que uma "equipe de inteligência" passou a monitorar nas redes sociais os manifestantes que organizam protestos contra o Governo Federal.

Em seu discurso na inauguração do Hospital de Campanha de Águas Lindas de Goiás, a 54 quilômetros de Goiânia, mas também localizada no entorno do Distrito Federal, Bolsonaro revelou que a "equipe de inteligência" do Governo Federal não identificou grupos se movimentando para manifestações no evento.

“Grupos de marginais, terroristas querendo se movimentar para quebrar o Brasil”, classificou o presidente.

“O outro lado, que luta pela democracia, que quer o governo funcionando, um Brasil melhor e preza pela sua liberdade, que não compareça às ruas nesses dias, para que as forças de segurança, não só estaduais, bem como a nossa federal, façam seu devido trabalho se por ventura esses marginais extrapolem os limites da lei”, avisou.

(Com a Agência Brasil)

Essa notícia foi relevante pra você?
Logo O POVO Mais