Foto de Érico Firmo
clique para exibir bio do colunista

Escreve sobre política, seus bastidores e desdobramentos na vida do cidadão comum. Além de colunista, é editor-chefe de Cotidiano do O POVO. Já foi editor adjunto de Política, editor-executivo de Cotidiano no O POVO, editor executivo do O POVO Online e coordenador de plataformas digitais

Érico Firmo política

A morte por Covid-19 que foi omitida

Na CPI da Pandemia, dono da Havan reconheceu que no atestado de óbito da mãe não constava Covid-19 como causa da morte. E, ao contrário do que ele disse em fevereiro, ela foi tratada com o chamado "kit Covid"
Tipo Opinião
Luciano Hang na CPI da Covid (Foto: Leopoldo Silva/Agência Senado)
Foto: Leopoldo Silva/Agência Senado Luciano Hang na CPI da Covid

O dono das lojas Havan confirmou na CPI da Pandemia que a mãe, Regina Hang, morreu de Covid-19. Informação esta que foi omitida no atestado de óbito emitido pela operadora Prevent Senior. Depois que ele interpelou a empresa, foi emitido um segundo atestado, no qual constava como causa de morte a doença causada pelo novo coronavírus.

Desde o ano passado, muita gente fala que os números da Covid-19 estariam sendo fraudados para mais. Que mortes por ataque cardíaco, câncer, acidente de carro ou homicídio, enfim, causas diversas, seriam contabilizadas como Covid-19. Apareceram alguns casos de familiares desconfiados dos sintomas, que não seria Covid-19. Mas, desconheço diagnósticos profissionais que tenham demonstrado que a pessoa morreu de uma coisa e foi colocada Covid-19 como a causa do óbito. Vi muita teoria mirabolante em rede social. Nada com fundamento sério.

Do contrário, temos um caso bastante notório de morte por Covid-19 cuja causa foi alterada. Quem estuda o assunto há tempos fala que o que existe é subnotificação de casos de Covid-19. Não por fraude, pensava-se, mas por falta de testes. Muita gente não era diagnosticada. O depoimento de Luciano Hang na CPI mostrou que morte por Covid-19 deixou de ser computado, da forma como os negacionistas alegam ocorrer para supostamente inflar os casos.

Na semana passada, na CPI, o diretor-executivo da Prevent Senior, Pedro Benedito Batista Junior, reconheceu que o prontuário de pacientes com Covid-19 era alterado. Em áudio vazado, ele orienta a equipe: que o código "deve ser modificado para qualquer outro exceto o B34.2 (código da Covid-19)." Segundo ele, era apenas procedimento para retirar pacientes do isolamento, passados 14 dias. De acordo com ele, tal mudança não interferia nas notificações. Mas, depois que se sabe de caso no qual houve omissão da Covid-19 como causa de morte, tudo fica muito suspeito. No mínimo.

A propaganda de um tratamento que não funciona

Na época da morte de Regina Hang, em fevereiro deste ano, Luciano informou que ela não usou o tal tratamento precoce. À revista Veja, ele disse: "Quando ela morreu cheguei a pensar: 'Poderia ter feito mais pela minha mãe'. Eu me questiono se não deveria ter dado o tratamento preventivo que o governo recomenda. Talvez ela tivesse se salvado. Ela tinha 82 anos, sobrepeso, tomava mais de vinte comprimidos por dia, era cardíaca, tinha diabetes e insuficiência renal, por isso não demos os remédios. Diziam que seria perigoso."

Na CPI, ele informou que a mãe foi, sim, medicada com medicamentos do chamado "kit Covid-19", de ineficácia já atestada em todos os estudos de relevância internacional. O que, pelo que dizem médicos, não seria recomendado pela condição de saúde dela. Também passou por ozonioterapia.

O caso da família Hang se torna relevante publicamente porque, desde o início da pandemia, o empresário tem sido um propagandista de terapias já descartadas. Como se vê, ele mentiu a respeito da própria mãe, provavelmente para continuar a convencer as pessoas de que o tratamento dá resultado.

Apoio de Tasso, Eduardo Leite vice de Ciro e o jogo de Doria

Após o já esperado apoio de Tasso Jereissati a Eduardo Leite na disputa interna sobre quem será o candidato do PSDB a presidente, começou a circular a versão de que Tasso pretenderia fazer do governador gaúcho, na verdade, o vice de seu amigo Ciro Gomes (PDT). Leite tratou de negar a versão. Ela é alimentada por tucanos ligados a João Doria, adversário de Leite na disputa interna.

Essa notícia foi relevante pra você?
Logo O POVO Mais