clique para exibir bio do colunista

Editor Chefe de Esportes do O POVO; apresentador do Futebol do POVO na TV O POVO, rádio O POVO CBN AM e plataformas digitais; comentarista de esportes da Rádio O POVO CBN FM e AM; além de Comunicação, é formado em Direito.

fernandograziani • NOTÍCIA

Com duas ofertas de grandes fornecedoras, Ceará estuda criar marca própria ainda em dezembro

Dois projetos apresentados são referentes à marca própria, segmento em que clubes como Bahia e Fortaleza estão operando Por

Com Lucas Mota e Iara Costa

Os bastidores do Ceará seguem movimentados para definição da distribuição e fabricação do novo uniforme do clube, em 2020. Com o contrato da Topper, atual fornecedor do Alvinegro do Porangabuçu, se encerrando no fim de dezembro, os dirigentes já têm quatro propostas na mesa para definir o futuro sobre o material esportivo da equipe.

Dois projetos apresentados são referentes à marca própria, segmento em que clubes como Bahia e Fortaleza estão operando com lucro e ótima aceitação das respectivas torcidas. A tendência neste momento é que o Vovô entre nesse mercado e desenvolva o seu material esportivo, sabendo que será necessário a criação de uma estrutura dentro do clube.

Outras duas propostas são de empresas fornecedoras de uniforme e material esportivo, atual modelo vigente no Ceará. Uma das ofertas foi apresentada pela própria Topper, com contrato com o Vovô desde 2016. A outra é mantida sob sigilo. Porém, fontes ligadas ao clube do Porangabuçu dão o projeto da Topper como o menos provável.

A decisão sobre o novo uniforme do Alvinegro deve sair apenas no fim de dezembro, com o encerramento da parceria com a Topper. Nas arquibancadas, o apelo da torcida é para que o Ceará tenha a sua marca.

No lançamento do último material esportivo da equipe, em evento fechado realizado em julho, torcedores presentes vaiaram a atual fornecedora, apesar do contrato ser considerado bom pela diretoria, envolvendo os royalties e o enxoval.

Essa notícia foi relevante pra você?
Logo O POVO Mais