Logo O POVO Mais
Foto de Henrique Araújo
clique para exibir bio do colunista

Henrique Araújo é jornalista e mestre em Literatura Comparada pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Articulista e cronista do O POVO, escreve às quartas e sextas-feiras no jornal. Foi editor-chefe de Cultura, editor-adjunto de Cidades e editor-adjunto de Política.

A república dos idiotas

O presidente Jair Bolsonaro mantém o péssimo hábito de manifestar sua total falta de empatia com a tragédia que o País enfrenta, ante uma pandemia que já matou mais de 400 mil pessoas
Tipo Opinião
Tasso Jereissati e as articulações para 2022 tendo o Ceará como cenário
 (Foto: Divulgação)
Foto: Divulgação Tasso Jereissati e as articulações para 2022 tendo o Ceará como cenário

Não é surpresa que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) tem o mau hábito de tratar sua gente como idiota. Novo mesmo é que o expresse tão claramente quanto fez ontem, sem sequer levar em conta o cálculo político. Afinal, é candidato à reeleição. Tampouco o respeito pelos mortos que se espera de qualquer pessoa minimamente inteligente e empática, dois atributos que lhe faltam.

A seus apoiadores na saída do Alvorada, Bolsonaro disse, entre risos: "Tem alguns idiotas que até hoje ficam em casa". Muito prazer, eu sou um deles. Sigo em casa porque não há vacina, e não há vacina porque o Governo Federal não a comprou antecipadamente, e não a comprou porque o idiota que ocupa a cadeira de mandatário houve por bem investir em soluções miraculosas sopradas por oráculos doidivanas, tais como o filho vereador e o médico terraplanista.

E deu no que deu, mais de 400 mil óbitos e um presidente cuja zombaria, embora não seja propriamente um choque, ainda faz cair o queixo. Não pelo teor da fala, porque sabemos todos de que material é feito o militar da reserva, mas pela desfaçatez. Não fossem as medidas de restrição adotadas por governadores e prefeitos, essas mesmas que o presidente tenta desmontar, o estrago seria consideravelmente maior.

Qualquer líder de Estado, nestas mesmas circunstâncias, estaria agora empenhado em reduzir danos políticos causados por uma CPI e preocupado com o avanço das investigações, que devem concluir pelo óbvio: houve dolo. Mas não Bolsonaro, que se esforça para que, a cada dia que passa, não reste dúvida alguma, se ainda havia, sobre de quem é a responsabilidade por estarmos nessa encalacrada.

CPI tem semana decisiva

Falando na CPI da Covid, o Planalto tem uma semana explosiva pela frente, a começar por hoje, com o depoimento do ex-chanceler Ernesto Araújo aos 11 senadores que integram o colegiado. De temperamento mercurial, diz-se que Araújo foi submetido a rígido treinamento no Planalto, com suporte de Filipe Martins, templário do obscurantismo e assessor para assuntos internacionais. Ou seja, impossível prever o que vem pela frente.

Amanhã é a vez do ex-ministro Eduardo Pazuello (Saúde), cujo testemunho deve se alternar entre o silêncio culposo e respostas genéricas a fim de não se comprometer. E, no dia seguinte, a médica Mayra Pinheiro é a convocada da CPI.

São três personagens com potencial para implicar diretamente o presidente no grave roteiro que vai se esboçando aos poucos a partir dos relatos de ex-ministros, autoridades sanitárias e representantes de farmacêutica. Ao fim deles, o "plano da morte" levado adiante por Bolsonaro estará mais evidente.

Tasso Jereissati e as articulações para 2022 tendo o Ceará como cenário
Foto: Divulgação
Tasso Jereissati e as articulações para 2022 tendo o Ceará como cenário

Enquanto isso, no Ceará...

Se o noticiário se ocupa da CPI, a política anda no seu próprio tempo. No Ceará, as articulações e conversas sobre 2022 estão a pleno vapor. Dois movimentos têm chamado atenção: o do senador Tasso Jereissati (PSDB), cuja pré-candidatura presidencial amadurece, com possibilidade de alterar o xadrez local - uma coisa é o tucano lançar-se sem o apoio do PDT de Ciro Gomes, outra com ele. Ainda que as chances de composição sejam mínimas, não custa nada prosear.

Outro que vai testando o cenário é o ex-senador Eunício Oliveira (MDB). Entre os tópicos da reunião com o ex-presidente Lula em abril passado, soube-se que o quadro no Ceará ocupou algum tempo. O emedebista já disse: ou disputa o Senado ou o Governo do Estado.

O aceno do petista ao "MDB raiz", como fala Eunício, é sinal claro de que os dois partidos trabalham com a possibilidade de que seus interesses em 2022 possam estar do mesmo lado, inclusive quando se trata de derrotar adversários comuns.

Foto do Henrique Araújo

Política como cenário. Políticos como personagens. Jornalismo como palco. Na minha coluna tudo isso está em movimento. Acesse minha página e clique no sino para receber notificações.

Essa notícia foi relevante pra você?
Recomendada para você

"