Foto de Henrique Araújo
clique para exibir bio do colunista

Henrique Araújo é jornalista e mestre em Literatura Comparada pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Articulista e cronista do O POVO, escreve às quartas e sextas-feiras no jornal. Foi editor-chefe de Cultura, editor-adjunto de Cidades e editor-adjunto de Política.

Sequências

Tipo Notícia

Todo dia os mesmos números, ou talvez sejam números distintos, com uma diferença de apenas um ou dois algarismos, não posso ter certeza. O celular toca, eu atendo, digo oi ou olá ou boa tarde ou bom dia, uma gravação começa e então desliga sozinha.

Bloqueio o número, não quero que volte a ligar, mas outro é discado em algum lugar por uma mão ou programa cujo propósito é esse. Fazer contato com quem não quer mais atender um telefonema ou evitar isso a todo custo.

Mas há sempre um modo de encontrar quem se esconde, a gente nunca está totalmente protegida ou a salvo do que teme ou provoca algum tipo de horror inexplicável.

Na pandemia os telefonemas se intensificaram. Começam sempre nos dias pares, muito cedo da manhã. Depois seguem pela tarde e entram pela noite. Às vezes apenas números ímpares. Noutras, sequências que intercalam senhas antigas de cartão de crédito ou números primos, divisíveis por dois, múltiplos de três e por aí vai.

Padrões, alguns mais evidentes, outros menos escancarados, como esse de ontem. Me ligou na hora do almoço. Era formado pelos derradeiros números dos últimos apartamentos onde morei antes de me mudar de volta pra casa da minha mãe, acrescidos da data de nascimento do meu primeiro telefone.

Estranhei, mas, numa iluminação como essas que acontecem nos filmes, em que formações ou trechos de fórmulas matemáticas se destacam em contraste com um emaranhado de outros números que não representam nada e estão ali apenas para confundir, um todo cheio de ruído do qual devemos extrair alguma coisa, suspeitei de que talvez houvesse algum significado.

Há algum significado?, eu perguntei certo dia ao atender uma ligação, mas ninguém respondeu, o que pode fazer parte do mistério aleatório, resultado de uma leitura enviesada de elementos dispostos ao caso e aos quais eu me lançava com certo fervor, uma crendice pessoal acalentada em fogo baixo.

Como alguém que enxerga nas frases desconexas da porta de um banheiro uma mensagem destinada para si.

Números são apenas números, nada mais que isso, disse a mim mesmo após atender e ouvir dias depois a voz mecânica feminina disparando um texto previamente gravado e agora encenado nesse falso diálogo.

Embora parecesse, não era mais um som humano, mas uma emissão entrecortada produzida em algum ponto de um corpo estranho num dia da semana do 15º mês de confinamento.

Leia também | Confira mais crônicas de Henrique Araújo, exclusivas para leitores do Vida&Arte

Essa notícia foi relevante pra você?
Logo O POVO Mais