Foto de Henrique Araújo
clique para exibir bio do colunista

Henrique Araújo é jornalista e mestre em Literatura Comparada pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Articulista e cronista do O POVO, escreve às quartas e sextas-feiras no jornal. Foi editor-chefe de Cultura, editor-adjunto de Cidades e editor-adjunto de Política.

CPI da Covid pede informações ao MP no Ceará sobre atuação de planos de saúde

A intenção é verificar se houve registro local, durante a pandemia, de práticas semelhantes às da Prevent Senior, investigadas pelos parlamentares na CPI
Tipo Notícia
Cúpula da CPI da Covid (Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado)
Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado Cúpula da CPI da Covid

A CPI da Covid acionou a Procuradoria-Geral da Justiça (PGJ) no Ceará para obter informações sobre a conduta de planos de saúde no Estado.

A intenção é verificar se houve registro local, durante a pandemia, de práticas semelhantes às da Prevent Senior, investigadas pelos parlamentares.

O ofício, enviado há cerca de um mês, faz parte de esforço da comissão para entender se outras operadoras de saúde também se valeram das mesmas estratégias da Prevent, como prescrição e distribuição de kit Covid mesmo para pacientes sem diagnóstico da doença ou alteração do seu código de classificação.

O POVO apurou que o ofício foi encaminhado pela cúpula da CPI diretamente para o gabinete da PGJ e então distribuído para um promotor, que fez um relato detalhado sobre caso no Ceará envolvendo um plano. A resposta foi repassada ao colegiado.

A Prevent é alvo de apuração na CPI por suspeita de haver fraudado prontuário de pacientes, de modo a mascarar mortes por Covid, e também por desenvolver estudo com aplicação de cloroquina sem que usuários do plano ou seus familiares tivessem conhecimento de que faziam parte.

Em depoimento à comissão na semana passada, um dos diretores da empresa, Pedro Benedito Batista Jr., negou as acusações, chamando-as de mentirosas.

O plano foi denunciado por grupo de 15 médicos, que enviou dossiê à CPI no qual dizem que foram coagidos a receitarem kit Covid para pacientes com quadro gripal ou mesmo obrigado a trabalhar quando apresentavam sintomas da Covid.

Nesta terça-feira, 28, os senadores ouvem a advogada Bruna Morato, defensora dos profissionais.

A CPI investiga agora se há elo entre a Prevent e o Governo Federal, já que o protocolo de tratamento da Covid (comprovadamente ineficaz) foi usado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para estimular a prescrição da cloroquina.

Na quinta-feira, 30, é a vez do empresário Luciano Hang, que fala aos senadores sobre suspeita de fraude no prontuário da mãe, que teria falecido em virtude de Covid, mas em cujo atestado de óbito não consta o nome da doença.

Essa notícia foi relevante pra você?
Logo O POVO Mais