Foto de Iara Costa
clique para exibir bio do colunista

Estagiária e colunista de futebol feminino e pautas raciais do Esportes do O POVO. Estudante de Jornalismo no Centro Universitário Sete de Setembro (UNI7), já passou por assessorias de imprensa e foi repórter colaborativa da plataforma de notícias VAVEL Brasil

Iara Costa esportes

Violência sexual no futebol: quais os pesos e as medidas?

Afastamento do presidente da CBF, Rogério Caboclo, é raro caso de homem sofrendo punições após acusações de violência sexual. E a repercussão só vem pela influência de homens com segundas intenções
Tipo Opinião
Rogério Caboclo está afastado do cargo de presidente da CBF após denúncias de assédio sexual virem à tona (Foto: Lucas Figueiredo/CBF)
Foto: Lucas Figueiredo/CBF Rogério Caboclo está afastado do cargo de presidente da CBF após denúncias de assédio sexual virem à tona

O futebol nunca foi o mais justo dos universos. Dentro de campo, muitas vezes o time que mais merece a vitória coloca a bola na trave e vê, na jogada seguinte, o adversário virar o placar. Fora dele, a disparidade é clara, principalmente em setores sociais e econômicos. Essa assimetria também existe quando falamos em violência sexual dentro do mundo futebolístico. 

No dia 4 de junho deste ano, o presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Rogério Caboclo, foi formalmente acusado de assédio moral e sexual por uma funcionária da entidade. Na semana passada, mais uma denúncia surgiu contra dele. Outra funcionária alega ter sido vítima de assédio e agressão física e psicológica. Desde a data citada, Caboclo está afastado da entidade. 

O fato de o presidente da maior instituição futebolística do País estar longe do futebol e sendo julgado como deveria é bastante significativo. Não faço ideia do que irá ocorrer na quarta-feira, 25, quando os presidentes das federações votarão para decidir o futuro dele, mas é importante que ele tenha passado por um processo de denúncia, acusação e julgamento, ao invés de simplesmente inocentá-lo por ele ser um homem poderoso. 

Não me iludo com isso, no entanto. A "justiça" no caso das denúncias feitas não existe apenas pelas mulheres que foram assediadas por estes, mas também pelo desgaste que existe entre o mandatário afastado e parte da cúpula da CBF, que se demonstra mais próxima a Marco Polo Del Nero — ex-presidente da entidade, atualmente banido do futebol, mas cheio de poder. Pura politicagem. Se assim não fosse, a probabilidade de ter muito mais gente defendendo Caboclo era enorme, infelizmente.

Não vou muito longe para provar isso. Na última semana, quando o Atlético-MG venceu o River Plate por 3 a 0 e garantiu classificação nas semifinais da Libertadores, o técnico Cuca foi citado como "o melhor técnico brasileiro dos últimos 10 anos". Esse mesmo Cuca foi condenado na Suíça em 15 de agosto de 1989 a 15 meses de prisão por violência sexual contra pessoa vulnerável. Mesmo assim, ele segue trabalhando como técnico e segue ocupando uma posição que o rende idolatria no meio do futebol.

Cuca não é o único a viver normalmente, mesmo com uma mancha na sua ficha policial, no futebol brasileiro. Exemplos, infelizmente, não faltam. Quando nós, mulheres, nos manifestamos contra isso, como já vi ocorrer no Estado e no Brasil, somos menosprezadas e recebemos um tratamento desonesto se comparado ao que recebem os homens que são acusados por qualquer violência sexual dentro dessa bolha. 

Não sou contra a ressocialização. Nascida e criada em uma favela, sei como esse processo é importante na vida de um indivíduo que tem uma segunda chance na vida, mas sou totalmente contra que essas pessoas ocupem qualquer posição que o renda idolatria, como é o caso de boa parte dos cargos no futebol.

Infelizmente sei que eles ocupam e sei também que continuarão a ocupar até que desagradem também aos homens. Até quando precisamos de justiça nessa área temos de depender da atuação atuação masculina, muito embora ela venha de motivos errados?

Essa notícia foi relevante pra você?
Logo O POVO Mais