Foto de Isabelly Giffony
clique para exibir bio do colunista

Mestre de torras e barista do Atelier 1913, é uma entusiasta do café e investiga as inúmeras possibilidades do grão, em especial sua produção e consumo no Ceará.

Isabelly Giffony gastronomia

No Ceará tem disso, sim!

Um bate papo sobre a produção de café sombreado no Maciço de Baturité
Tipo Opinião
Festa da colheita do Sítio São Roque em 2018 (Foto: DM photo/Divulgação)
Foto: DM photo/Divulgação Festa da colheita do Sítio São Roque em 2018

São muitos os 'dias do café' celebrados ao longo do ano, mas maio é um mês importante para a cafeicultura nacional. Em 24 de maio celebramos o Dia Nacional do Café, data em que marca o início da colheita do café nas principais regiões produtoras do País.

A região do Maciço de Baturité colhe os cafés lá produzidos entre maio e setembro, mas engana-se quem acredita que os trabalhos se limitam a esse período do ano. A produção de café especial, independente da região produtora, exige uma dedicação anual, muito bem dividida em etapas de trabalho e preparo da terra, das mudas e até dos maquinários utilizados no beneficiamento.

O produtor de café passa o ano indo e vindo de um roçado ao outro, acompanhar de perto a limpeza do terreno e o amadurecimento dos grãos é muito importante para determinar o momento exato de começar a colher os grãos - é o que conta Mônica Farias, que é hoje a terceira geração à frente do Sítio São Roque em Mulungu, propriedade que existe desde 1913 e é referência em produção agroecológica de café.

Além de Mônica, muitos outros produtores estão dando um novo vigor à cafeicultura no Estado. Como é o caso de Sérgio Patrício, do Sítio Bem-Te-Vi, também em Mulungu, que há alguns anos tem reinventado os cafés produzidos em seu sítio. Ele ressalta a importância de se preparar com antecedência para o período mais importante para o cafeicultor - a colheita! Em seu sítio são feitas limpezas das linhas de colheita do café, assim como dos terreiros de secagem dos grãos. Outro importante fator é a limpeza de maquinários utilizados, para Sérgio manter os equipamentos limpos com antecedência garante tranquilidade no período de colheita.

São muitos dias de trabalhos, muitas pessoas e atividades envolvidas em toda a cadeia, durante todo o ano, para que possamos saborear o cafezinho que tanto amamos. É por toda essa dedicação constante dos pequenos produtores que ressalto a importância de valorizar e apoiar a cafeicultura local. Pensando nisso, seguem algumas dicas de onde degustar aquele autêntico café cearense e também de onde adquirir cafés de marcas e produtores locais:

Onde encontrar cafés produzidos no Ceará

Atelier 1913: torrefação e marca do Sítio São Roque, fica na Rua Antenor Rocha Alexandre, 250 - Parque Manibura. Loja 01.

Amika Coffeehouse: @amikacoffeehouse

Para tomar um cafezinho com sabor cearense

Torra Café: aberto de terça a domingo, fica na Rua Marcos Macêdo, 827 - Aldeota

Café Cultive: aberto de terça a domingo, localizado na Rua Maria Tomásia, 1276 - Aldeota

Tipo cc: aberto de segunda à sexta, fica na Rua José Vilar, 3040 - Dionísio Torres

Descoberta Café: aberto de segunda a sábado, localizado na Rua Waldery Uchôa, 3 - Benfica 

Essa notícia foi relevante pra você?
Logo O POVO Mais