Foto de Márcio Coimbra
clique para exibir bio do colunista

Coordenador da pós-graduação em Relações Institucionais e Governamentais da Faculdade Presbiteriana Mackenzie Brasília, cientista político, mestre em Ação Política pela Universidade Rey Juan Carlos (2007), diretor-executivo do Interlegis do Senado Federal. Analisa o cenário político nacional, a partir de um merguilh0op mais profundo nas causas e efeitos.

Fantasia do autogolpe de Bolsonaro

Tipo Opinião
Presidente Jair Bolsonaro (Foto: /Agência Brasil)
Foto: /Agência Brasil Presidente Jair Bolsonaro

Ao gerar crises, Bolsonaro tenta invariavelmente criar narrativas que encubram os erros de seu governo. A mais recente é flertar com a ruptura institucional, sugerindo ações que passam por medidas que podem suprimir direitos democráticos justificando que está preservando liberdades individuais.

Nada mais prosaico no manual da autocracia: golpear o sistema alegando que está preservando liberdades.

Vivemos um período delicado, que se tornou ainda mais difícil diante da inépcia de Bolsonaro. Ao negar a pandemia e se tornar refém de suas próprias ideias obscuras, o Presidente preferiu não investir em vacinas com antecedência, optando por patrocinar um suspeito tratamento precoce sem qualquer eficácia.

Hoje, diante de uma vacinação lenta, o País fornece sinais de fadiga e desesperança.

Tudo indica que Bolsonaro possa estar jogando na retranca por método, semeando o caos para ali na frente colher resultados.

Desestabilizar o jogo faz parte de uma intricada jogada que aposta no desgaste da economia e avanço da pandemia, podendo impulsionar manifestações, desalento e revolta.

Em outras palavras, convulsão social. Um método líquido e certo para solicitar intervenção ao parlamento por meio dos instrumentos constitucionais amargos que suspendem algumas liberdades individuais.

Por mais que poucos acreditem na consecução de um enredo deste tipo, é fácil ler nas entrelinhas os caminhos trilhados em discursos e declarações nas últimas semanas.

O fato inédito da inusitada troca no comando das Forças Armadas abre um perigoso caminho de questionamento quanto aos reais objetivos de Bolsonaro, uma vez que os comandantes anteriores pareciam mais fiéis aos ditames constitucionais do que aos desejos do ocupante do Planalto.

Cada vez que um líder se torna mais fraco, mais precisa de demonstrações de força.

Bolsonaro segue acuado, caindo nas pesquisas, com a economia em frangalhos e a pandemia cercando a inépcia de seu governo. As pesquisas captaram esta insatisfação. 83% dos brasileiros desejam mudança, o que demonstra que o governo escolheu os rumos e as amizades erradas.

O estelionato eleitoral está cristalino para o eleitor.

Diante disso, a fantasia do autogolpe é um delírio que acalma Bolsonaro nas horas mais difíceis, assim como o exercício do poder de nomear e demitir, além de mandar homens do mais alto grau hierárquico das Forças Armadas (carreira onde fracassou) para a reserva.

Há algo de revolta, revanchismo e amargura nestes movimentos. Delírios que se misturam com o poder da caneta presidencial.

Somos presididos por um homem em conflito, perseguido por seus próprios fantasmas e suas teorias de conspiração.

Enquanto o país busca a saída de uma crise sanitária de proporções globais, a inoperância de um governo perdido busca encobrir seus erros gerando novas e sucessivas crises.

A fantasia de um autogolpe serve de forma perfeita para aqueles que vivem alheios à realidade, trancafiados em seu próprio mundo, enquanto o povo sofre as consequências de seus delírios. Um enredo que nunca terminou bem e por aqui certamente terá um triste desfecho. n

 

Essa notícia foi relevante pra você?
Logo O POVO Mais