clique para exibir bio do colunista

Editor-executivo de Economia, é especialista em Teorias da Comunicação e da Imagem pela Universidade Federal do Ceará e mestre em Psicologia pela Universidade de Fortaleza. É vencedor de vários prêmios de jornalismo, como o Petrobras, Anac e ABCR.

RaoneSaraiva • NOTÍCIA

120 mil pessoas perderam emprego com fechamento de shoppings no Brasil

Levantamento prévio foi feito pela Alshop, associação que representa 105 mil lojas de shoppings no País. Expectativa é que 15 estabelecimento comerciais não consigam mais reabrir devido à crise econômica causada pela pandemia do novo coronavírus Por
A Alshop representa 105 mil lojas de shoppings em todo o País
A Alshop representa 105 mil lojas de shoppings em todo o País

A Associação Brasileira de Lojistas de Shopping (Alshop) divulgou nesta sexta-feira, 22, dados preliminares apontando que o fechamento das lojas já deixou cerca de 120 mil pessoas desempregadas em quase dois meses de isolamento social. A associação, que representa 105 mil lojas em todo o País, estima que 15 mil estabelecimentos comerciais não devem mais reabrir devido à crise econômica causada pela pandemia do novo coronavírus.

“Essa situação vai piorar se governadores e prefeitos não determinarem a reabertura gradual e cuidadosa da economia. Ontem, dados mostraram que a arrecadação federal de impostos é a menor em 13 anos, porém, mais de 4 mil municípios tem condições de permitir a reabertura, pois tem baixa ocupação de leitos de UTI´s. Percebemos que a OMS (Organização Mundial da Saúde) sempre fez a recomendação para que as pessoas ficassem em casa, mas nos últimos 15 dias a mesma organização tem dito o contrário em países de economia frágil como o Brasil", diz Nabil Sahyoun, presidente da Alshop.

Para ele, os governadores precisam encontrar um meio de unir economia e saúde durante a crise. “Defendemos protocolos de distanciamento e higienização dos ambientes comerciais que, inclusive, já foram adotados. A reabertura é uma forma de equilibrar a arrecadação, salvar empregos e vidas equilibrando saúde e economia”, reforça.

| LEIA TAMBÉM | Mesmo com perdas de até 70%, empresários defendem lockdown em Fortaleza

Essa notícia foi relevante pra você?
Logo O POVO Mais