Foto de Renato Brasil
clique para exibir bio do colunista

Renato Brasil é Químico pela UFC, Mestre em Gastronomia pela Universidade Nova de Lisboa, Docente em Enologia da UNICHRISTUS, Sommelier pela Associação Brasileira de Sommeliers - SP, diretor e fundador da ABS-CE, Docente dos cursos da ABS-CE e Consultor de vinhos para Importadores, distribuidores e restaurantes. Atual 3º lugar no campeonato brasileiro de Sommeliers ABS-Brasil 2019.

Renato Brasil gastronomia

Vinho em lata: uma tendência

Tipo Opinião

Amado por uns e incompreendido por outros, o vinho em lata já é um recurso da indústria cervejeira desde os anos 30, hoje já bem melhorada em sua tecnologia. O formato é alvo de muito preconceito por parte de puristas dos vinhos, mas isso é uma visão incoerente. Enquanto uns tentam dar acesso à grande massa ao vinho, outros pesam no preconceito e burocracia para apreciar uns bons goles.

Com excelente potencial de preservação da bebida, a lata conserva o vinho com suas propriedades organolépticas de forma muito eficiente, fazendo com que seja um ótimo vedante para um vinho de consumo rápido, aquele que, pela baixa capacidade de evolução, precisam dessa proteção da lata.

Em geral, os vinhos que são envasados na latinha são principalmente vinhos aromáticos, com componentes muito leves que, ao primeiro contato com oxigênio, já perdem a exuberância e se transmutam, perdendo seus maiores estímulos. Não faz sentido vinhos de evolução serem acondicionados em lata.

Um grande ponto positivo é o potencial reciclável de 97% das latas, comparados com as garrafas de vidro que gira em torno de 70% o efetivado, assim, essa nova tendência ainda tem grande potencial em relação à preservação ambiental, além do prazer, um grande motivo para darmos chance aos vinhos de lata. Sem esquecer que, em relação às garrafas, as latas pesam muito menos, diminuindo espaço e o custo,  desonerando e simplificando a logística de transporte e produção do vinho.

Em geral, são vinhos leves, descompromissados de maiores protocolos de prova, não precisam de decantação ou aeração, são vinhos para resfriar as latas, colocar em uma taça, e aproveitar o momento, em família, amigos ou balada.

Leia também | Confira mais dicas e informações do mundo dos vinhos, com Renato Brasil, na coluna Tim Tim

Becas Sparkling, da Valduga
Becas Sparkling, da Valduga

Becas Sparkling: o vinho da família Valduga

Um mercado tão promissor que uma das melhores vinícolas do país, a Casa Valduga decidiu entrar nesse mercado e produzir os seus espumantes Becas sparkling que vem nas versões Joy, um Chardonnay meio seco que tem como principal proposta a refrescancia e um Rosé da casta Glera e um Moscatel, todos espumantes com a qualidade do DNA da família Valduga e a simplicidade e acesso a leveza e harmonia de espumantes agradáveis para o dia a dia.

Onde encontrar:
Café Viriato
Onde: rua Osvaldo Cruz, 2828 - Dionísio Torres
Telefone: (85) 98157 7641 (Ifood)

Supermercados Guará

 

 

Arya Wines
Arya Wines

Já nasceu moderna: Arya Wines

A marca Arya é da Distillruptive, que apostou na consultoria de Diego Arrebola, sommelier tricampeão brasileiro, para elaborar os vinhos. O resultado foram versões com as uvas Trebiano e Sauvignon Blanc, Rosé de Pinot Noir e Sauvignon Blanc e tinto de Pinot Noir, Merlot e a italiana Rebo.

Onde encontrar:
Total vinhos (Loja on line)
Instagram: @totalvinhos

 

Essa notícia foi relevante pra você?
Logo O POVO Mais