Sérgio Redes
clique para exibir bio do colunista

O ex-jogador Sérgio Redes, ou

NOTÍCIA

O comentarista de resultados

Vez por outra encontro um "comentarista de resultados". Eles dizem que implico. É vero! Implico porque vejo oportunismo em alguns comentários que evitam se aprofundar nas críticas que mexem nas estruturas do futebol. Ficam no ganhou está tudo bem, perdeu está tudo mal.

Interessa quanto foi o jogo. Faz sentido porque nesses campeonatos em que clubes sobem e descem de divisão, o resultado passa a ser muito importante. De posse dessa informação ele incendeia os torcedores explorando o efeito catalisador da vitória e da derrota.

Todos somos reféns de resultados. Quem venceu? Quem perdeu? É a pergunta que todos se fazem numa segunda-feira pela manhã. A diferença é que na defesa do seu estilo e na defesa dos seus interesses, o comentarista de resultados carrega o vitorioso num andor e maldiz o perdedor.

Embora encontre comentaristas de resultados na televisão, a maioria deles é do rádio, o que faz com que eu tenha um respeito porque me fascina saber que nesses tempos de audiovisual, o rádio continua vivo. Locutores e comentaristas radiofônicos escrevem romances com suas narrativas de futebol.

Diferentemente dos comentaristas televisivos, que pelo fato de comentarem imagens já vistas pelo telespectador não podem criar um universo fantasioso, os do rádio criam divisões temporais que poderiam ser chamadas de capítulos. Finalizam com: “E o tempo passou!”

Comentaristas televisivos não têm como usar estes recursos. Aliás, se falarem muito fica chato. Adoro ver as seleções masculinas e femininas do voleibol brasileiro, mas o comentarista não para de falar. Todo ponto ele comenta. Insistem tanto com ele que me pergunto se o errado sou eu.

Na verdade tenho dificuldades em ver e ouvir os comentaristas televisivos. Devem evitar competir com as imagens. Gosto dos que se ligam na estética das partidas. Não basta vencer o jogo. É preciso jogar bem, até porque a vitória é um dado estatístico, enquanto a bela jogada fica guardada na mente do torcedor.

Lembro de um poemeto criado pelo mestre em Educação Física Flávio Wirzbich. Tínhamos visto um jogo pela televisão e um comentarista cumpria sua função. O professor não deixou ele acabar e completou: "Jogo terminado/ fala com autoridade/ o comentarista de resultados".

Essa notícia foi relevante pra você?
Logo O POVO Mais