Sérgio Redes
clique para exibir bio do colunista

O ex-jogador Sérgio Redes, ou

NOTÍCIA

A linha da bola*

Outro dia me perguntaram o que é a linha da bola. A linha da bola, caro leitor, é um traçado imaginário paralelo à linha do meio do campo. A bola é o ponto de partida de uma linha reta que vai de uma lateral a outra e serve de referência para o posicionamento dos jogadores.

No tal do futebol moderno, quando uma equipe está sendo atacada é natural que todos os jogadores recuem e se posicionem atrás da linha da bola, tornando a defesa quase intransponível. Já vi e ouvi gente sugerindo entregar a bola para o adversário, esperar o erro dele e contra-atacar.

Os comentaristas televisivos estimulam esses procedimentos. Uma das equipes faz o primeiro gol e lá vem a pobreza de comentário; equipe x saiu na frente. Equipe y é obrigada a correr atrás do gol de empate. Ao atacar, vai ter de se abrir e tome contra-ataque.

Embora seja uma análise que tem sua razão de ser, porque a equipe que contra-ataca encontra sempre um espaço maior dentro do campo do adversário para suas movimentações, ela empobrece o futebol ao estimular as equipes a jogarem do mesmo jeito.

Quem tem um antídoto para esse mal que ataca o futebol brasileiro é o atual técnico do São Paulo, Fernando Diniz, que no momento colhe os resultados de ter demonstrado por onde passou a importância de uma equipe manter a bola sob seu domínio.

É a famosa posse da bola que está presente na evolução humana e no desenvolvimento infantil. Quem toma o remédio do Fernando Diniz fica apaixonado pela bola e não é por acaso que o São Paulo pratica o futebol mais bonito do atual campeonato.

E diferentemente das outras equipes por onde passou, desta vez está conseguindo resultados. Seus críticos sempre cobraram: "Joga bonito, mas não ganha nada" O São Paulo é um fortíssimo candidato ao título e, no momento, guarda uma distância de sete pontos para o segundo colocado.

Tem uma meninada que sabe jogar: Gabriel Sara, Igor Gomes, Luan e Brenner No meio do campo, o veterano Daniel Alves caiu como luva porque quem gosta de criança é o vovô. Eles nos mostram que mais importante que ficar atrás da linha da bola é estar alinhado com ela.

*Em homenagem a Sávio Cunha

Essa notícia foi relevante pra você?
Logo O POVO Mais