CIDADES

Feiras estimulam novas economias e criam calendário em Fortaleza

Em espaços públicos e privados, as feirinhas se multiplicam, atraindo um público interessado na origem dos produtos e nos produtores
Edição Impressa
Tipo Notícia Por
FEIRA AUÊ, realizada na Praça das Flores: oportunidade de comprar direto do produtor (Foto: AURÉLIO ALVES)
Foto: AURÉLIO ALVES FEIRA AUÊ, realizada na Praça das Flores: oportunidade de comprar direto do produtor

A produção excedente de trabalhadores do campo era levada para locais de comércio popular, onde podiam trocar os itens por outros que lhes faltassem. O primordial modo de comércio já acontecia antes mesmo de existir dinheiro no mundo. E foi no entorno desses lugares, inclusive, que as primeiras cidades começaram a se formatar. O hábito de comercializar em feiras livres é antigo na história da humanidade. Antes mesmo das operadoras de cartões de crédito, antes mesmo na iluminação em vias públicas, antes mesmo dos teoremas matemáticos, antes mesmo da invenção do próprio capitalismo. Sempre fomos afeitos a feiras.

"O espaço das feiras é mais de cultura e criatividade que de comercialização em si. É o momento de criações diversas e troca de saberes entre expositores. Muitas ideias surgem nesses espaços e projetos novos nascem a partir dos encontros que esses espaços promovem. É um momento importantíssimo na cidade - tanto para os expositores que estão pensando em coisas novas quanto para quem vai conhecer", explica Fernanda Beviláqua, que é produtora dos eventos Feira La Grue e Feirinha Suspensa. Feiras criativas têm se estabelecido no calendário de Fortaleza. Acontecendo em praças e espaços particulares, elas atraem público diverso que se encanta pelos itens de moda, de gastronomia, de artesanato e de tantas outras artes.

Bethânia e Jade Maranhão, mãe e filha expõem produtos bordados na Feira AUÊ
Bethânia e Jade Maranhão, mãe e filha expõem produtos bordados na Feira AUÊ

"Essa forma de comprar direto do produtor, pensar local e entender a cidade como espaço de produção, é um ponto de partida para que a gente reveja a ordem das coisas. E questione o consumo em série e sem muita história", acredita Mariana Marques, que é curadora da Auê Feira, evento que reúne mais de 120 expositores a cada mês. Quem está nos espaços de feiras criativas, explica Mariana, em geral, são pessoas que produzem os próprios itens e querem manter contato direto com o comprador, sem atravessadores. E conhecer a origem do produto que se compra tem se tornado um fator indispensável nas novas economias.

Para além dos produtos que são vendidos, as diversas feiras de Fortaleza têm oficinas, debates, contações de histórias, música, espetáculos teatrais e outras atividades que lhes conferem o caráter cultural.

Elizângela Souza, 43 anos, criadora da Delícias Lili, pontua que as feiras livres são, mais do que tudo, vitrines onde é possível ser visto por um público que aprecia os pequenos produtores. Assim - além de comercializar os brigadeiros, brownies e cupcakes - ela utiliza as feiras como plataformas para conversar com clientes em potencial e distribuir cartões. "Encontramos o público que realmente gosta desse produto".

Os saberes encontrados a cada estande são diferentes. Bethânia Maranhão, 51 anos, por exemplo, leva o bordado aprendido na adolescência para as diversas feiras de Fortaleza. Formada em Belas Artes e em Comunicação Social, ela ficou fora do mercado formal de trabalho e investiu no artesanato. Encontrou, entre os outros expositores, um mundo de possibilidades. A arte se transformou em negócio e em dinheiro - que agora compartilha com a filha Jade Maranhão.

"O envolvimento do público na feira é a coisa mais importante. Essa é a forma mais antiga de vender. Desde a transição do feudalismo para o capitalismo. Era uma maneira de escoar o excedente. E as cidades foram formadas baseada nessa forma de venda e troca. É um modelo consagrado por séculos e séculos. E o importante é a troca do consumidor com o expositor. As pessoas se sentem donas da feira", diz Mariana.

SERViÇO

O Fuxico

Onde: em frente ao Cinema do Dragão (rua Dragão do Mar, 81 - Praia de Iracema)

Quando: aos domingos, 16h às 20h

Como expor: enviar e-mail para fuxico@dragaodomar.org.br apresentando a marca, com fotos dos produtos e os preços das mercadorias.

Auê Feira

Quando: no segundo final de semana de todo mês. Próxima edição será nos dias 7 e 8 de setembro

Onde: Praça das Flores (av. Desembargador Moreira, s/n)

Como expor: realizando a pré-inscrição no link forms.gle/QBCxNCXb37VGy2Hq8 ou no Instagram @auefeira

La Grue

Onde: Órbita Bar (rua Dragão do Mar, 207)

Quando: bimensal. Próxima edição será em 15 de setembro, 11h às 18h

Como expor: entrar em contato por meio do Instagram @la.grue

Feirinha Suspensa

Onde: Meraki (rua Pereira Filgueiras, 1931)

Quando: mensal. Próxima edição será em 7 de setembro

Como expor: entrar em contato por meio do Instagram @feirinhasuspensa

Feira Cultural da Reforma Agrária

Quando: no segundo sábado do mês. Próxima edição no dia 14 de setembro

Onde: Centro Frei Humberto (rua Paulo Firmeza, 445 - Tauape)

Férias nos terminais e Beira-mar

Terminal do Siqueira

Quando: hoje, 17, 8h às 18h

Onde: av. General Osório de Paiva, 2955 - Vila Peri

Terminal do Papicu

Quando: hoje, 17, 8h às 18h

Onde: rua Pereira de Miranda, 187 - Papicu

Terminal do Conjunto Ceará

Quando: hoje, 17, 8h às 18h

Onde: rua 113, S/N - Conjunto Ceará

Terminal do Lagoa

Quando: hoje, 17, 8h às 18h

Onde: av. Gomes Brasil, 555 - Parangaba

Terminal de Messejana

Quando: hoje, 17, 8h às 18h

Onde: av. Jornalista Tomaz Coelho, 245 - Messejana

Terminal do Antônio Bezerra

Quando: hoje, 17, 8h às 18h

Onde: av. Coronel Carvalho, 3780 - Antônio Bezerra

 Terminal da Parangaba

Quando: hoje, 17, 8h às 18h

Onde: av. Pedro Ramalho, 130 - Parangaba

Vapt Vupt Messejana

Quando: hoje, 17, 8h às 18h

Onde: av. Jornalista Thomaz Coelho, 602 - Messejana

Vapt Vupt Antônio Bezerra

Quando: hoje, 17, 8h às 18h

Onde: rua Demétrio Menezes, 3750 - Antônio Bezerra

Barracão da Inclusão

Quando: todos os dias, 18h às 22h

Onde: av. Beira Mar, S/N

Feira do Aterrinho da Praia de Iracema

Quando: quinta a domingo, 17h às 22h

Onde: av. Beira Mar, S/N - Praia de Iracema

Quiosque Terminal do Siqueira

Quando: segunda a sábado, 8h às 18h

Onde: av. General Osório de Paiva, 2955 - Vila Peri

Espaço do Artesanato de Fortaleza

Quando: segunda a sexta-feira, 8h às 17h

Onde: av. Santos Dumont, 2500, loja 17 - Aldeota

Como expor nestes locais: os interessados devem dirigir-se à sede da SDE Fortaleza, Vapt Vupt Messejana, Vapt Vupt Antônio Bezerra, em uma das Salas do Empreendedor nas Secretarias Regionais ou no Espaço do Artesanato da SDE. Para o cadastro, é necessário apresentar RG, CPF, comprovante de endereço e uma amostra do produto artesanal

Essa notícia foi relevante pra você?
Logo O POVO Mais