Logo O POVO Mais
CIDADES

Ceará alcança 50% do volume de chuvas previsto para fevereiro

As chuvas dos primeiros seis dias da estação chuvosa foram bem distribuídas dentre as oito macrorregiões do Estado
Edição Impressa
Tipo Notícia Por
Chuvas ficaram acima da média em todas as macrorregiões (Foto: FÁBIO LIMA)
Foto: FÁBIO LIMA Chuvas ficaram acima da média em todas as macrorregiões

Nos seis primeiros dias de fevereiro, o Ceará acumulou 50% do volume de chuvas considerado dentro da média para o mês. Foram 59,2 milímetros (mm) em média, ante os 118,6 mm esperados. Até ontem, 6, as chuvas foram bem distribuídas dentre as oito macrorregiões do Estado. O melhor índice é do Litoral de Fortaleza, que já alcançou quase 74,10% do esperado para o mês. Regiões consideradas mais críticas como Sertão Central e Inhamuns, Jaguaribana e Cariri também têm recebido bons aportes, conforme o Calendário de Chuvas da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme).

Esse cenário é resultado da atuação de dois sistemas meteorológicos, aponta Raul Fritz, meteorologista da Funceme. "A gente tem um sistema típico de pré-estação, o Vórtice Ciclônico de Altos Níveis (Vcan), atuando desde o começo do mês. Junto com Zona de Convergência Intertropical (Zcit), que ocorre na estação chuvosa. Um reforça o outro", explica. Fritz avalia que o índice é "significativo" visto que é observado em menos de uma semana. O aquecimento das águas do Oceano Atlântico abaixo do Equador e próximo ao Nordeste tem facilitado a atuação da Zona de Convergência Intertropical, conforme o meteorologista.

Ele detalha que o El Niño — fenômeno associado à redução de chuvas no Nordeste brasileiro — tem 32% de chances de ocorrer no primeiro trimestre da quadra chuvosa (fevereiro, março e abril). São 68% de chances de águas neutras. "Algumas áreas do Oceano Pacífico Equatorial estão mais aquecidas e outras neutras. Se toda a região estivesse aquecida configuraria o fenômeno El Niño", diz.

Todas as macrorregiões foram banhadas pelas águas dos primeiros dias da estação chuvosa: Jaguaribana (61,2 mm), Maciço de Baturité (67,8 mm), Sertão Central e Inhamuns (51,3 mm), Litoral de Pecém (57,9 mm), Cariri (69,5 mm), Litoral Norte (62, 5 mm) e Ibiapaba (51,8 mm). Uma das regiões mais críticas do ponto de vista do abastecimento hídrico, Jaguaribana registrou 53,3% do volume médio do mês, seguido de Sertão Central e Inhamuns (48,7%) e Cariri 41,6%.

Fritz pondera, no entanto, que apesar de o cenário continuar favorável, o Ceará pode ter redução nas precipitações pois tem característica própria de "chuvas não serem contínuas". "Pode ter dias com menos chuvas e outros com mais chuvas. Podemos ter uma diminuição do número de municípios banhados pelas chuvas e depois voltar a aumentar. É uma característica do Estado, do semiárido", destaca.

A pré-estação chuvosa registrou precipitações 16,9% acima da média histórica para o bimestre. Conforme balanço da instituição, as chuvas acumuladas nos meses de dezembro e janeiro somaram 152,3 mm em relação à normal do período, que é de 130,3 mm.

O volume dos primeiros seis dias da quadra tem confirmado expectativa do prognóstico para a estação chuvosa. São 45% de probabilidade de chuvas acima da média para o primeiro trimestre. A possibilidade mais animadora é seguida de 35% de chances para a categoria em torno da normal e 20% para a categoria abaixo da normal para o trimestre. A previsão da Funceme é de que fevereiro e março sejam os meses mais chuvosos do quadrimestre chuvoso. Em 2019, os quatro meses do período chuvoso finalizaram com volume dentro da média (676,3 mm).

(Foto: )


Essa notícia foi relevante pra você?
Recomendada para você

"