CIDADES

Há um mês, isolamento social não chega a 50% no Ceará

Especialistas consideram taxa preocupante, ainda que esperada, e enfatizam a importância de uso de máscaras e higienização
Edição Impressa
Tipo Notícia Por
Movimentação no Centro de Fortaleza durante a pandemia de Covid-19 (Foto: Fabio Lima)
Foto: Fabio Lima Movimentação no Centro de Fortaleza durante a pandemia de Covid-19

O índice de isolamento social no Ceará vem diminuindo conforme avançam as fases da retomada de atividades econômicas. Apesar de esperada, uma vez que mais pessoas precisam sair para trabalhar, a redução preocupa especialistas. Desde a chegada do coronavírus, o Estado nunca alcançou o isolamento de 70% preconizado pela Organização Mundial da Saúde (OMS); o mais perto disso foram os 63% em 22 de março. Já nos últimos 30 dias, a maior taxa foi de 51% no dia 7 de junho.

A cada semana, as médias de isolamento caem quase que continuamente. De 56,5%, no período de 23 a 29 de março, a média passou para 42,2%, entre 29 de junho e 5 de julho. Os dados são da startup InLoco e mostram que o índice de isolamento, apesar de nivelado, vem diminuindo. As informações são coletadas de forma anônima a partir da geolocalização de smartphones nos 184 municípios do Estado. 

LEIA TAMBÉM | Fase 3 do isolamento libera espaços públicos sem aglomeração e mantém proibidos restaurantes à noite e barracas de praia

Marcelo Gurgel, epidemiologista e integrante Grupo de Trabalhos da Universidade Estadual do Ceará (Uece) contra a Covid-19, considera que índices nunca foram considerados realmente altos e destaca que as variações ocorrem devido ao que chama de sazonalidade. "Há sazonalidades quando se questiona: em quais horários as pessoas estão circulando? E de que maneira? Por exemplo, o horário do comércio não é o mesmo da indústria", explica.

A tendência de redução é avaliada como negativa por Lúcia Duarte, enfermeira e coordenadora do Grupo na Uece. Na linha de frente, a especialista acredita que a flexibilização foi precipitada. "Tanto que estamos vendo o retrocesso no plano. Algo aconteceu para isso ocorrer", afirma se referindo ao recuo na abertura de setores econômicos como barracas de praia e restaurantes no período noturno em Fortaleza.

Mesmo com a proibição do funcionamento de bares e também de casas de festa, as sextas-feiras têm sido os dias com menos pessoas em casa. Em junho, os dias 5, 12, 19 e 26 daquele mês foram os com menor índice de isolamento em cada semana. A tendência se confirmou este mês. Na última sexta-feira, 3, apenas 39,8% dos cearenses não saíram de seus domicílios. Já os domingos se mantém como os dias em que mais pessoas ficam em casa. Ainda assim, não chega a ser metade da população como costumava ser até o dia 7 do último mês.

Lúcia pressupõe que a diminuição pode ter sido influenciada por mudanças na taxa de internação e no número de óbitos, mas lamenta o que chama de extrapolação da liberdade. "É uma tendência própria do ser: se lhe é dado mais liberdade, você a usa. No entanto, estão extrapolando-a muitas vezes. Foi feita a flexibilização, mas ninguém falou que poderia sair de casa sem a máscara", exemplifica. "É como se houvesse uma banalização. Ou pensam que a pandemia acabou ou acabou uma valorização da vida", lamenta.

Para Luciano Pamplona, epidemiologista da Universidade Federal do Ceará (UFC), a taxa de isolamento está dentro do previsível. O desafio, segundo o médico, é o monitoramento individual dos casos. Com cada paciente sendo observado, é possível realizar um mapeamento da transmissão, identificar outros prováveis casos confirmados e suspeitos e, assim, realizar um bloqueio destes. "O que tem que permanecer de forma muito clara é a importância do uso de máscara. Nesse momento de transição em que não temos um antiviral eficiente e uma vacina, o uso do equipamento e a higienização devem ser mantidos por bastante tempo", enfatiza. (Com Marília Freitas)

 

Trânsito

Na última sexta-feira, 3, a redução do tráfego na Capital foi de apenas 14% em comparação à média de trânsito pré-pandemia. No domingo, 5, a redução foi de 46%, a maior da semana. Os monitoramento é feito pela AMC.

Essa notícia foi relevante pra você?
Logo O POVO Mais