CIDADES

Conversa com o leitor

Edição Impressa
Tipo Notícia Por
FORTALEZA, CE, 04-01-2018: Cláudio Ribeiro, Repórter Especial. (Foto: Camila de Almeida/O POVO) (Foto: CAMILA DE ALMEIDA)
Foto: CAMILA DE ALMEIDA FORTALEZA, CE, 04-01-2018: Cláudio Ribeiro, Repórter Especial. (Foto: Camila de Almeida/O POVO)

Queria saber se falaram do assunto na Caldeira do Inferno, a original bodega do seu Chico de Sinésio, no Centro de Brejo Santo. Bem provável, lá se dá conta de tudo nas conversas de balcão. Conheci Seu Chico em 2016, na reportagem "À Espera de Francisco". Quando ainda cavavam os reservatórios da região que seriam encharcados com as águas do Francisco rio. Ali ainda parecia distante, conversa para goles de cerveja e pinga.

Brejo é vizinha de Jati, onde foi feita uma dessas barragens, que desde ontem passou a despejar as águas transpostas do Velho Chico para os canais do Cinturão das Águas do Ceará. É agora de fato, correndo pelo trajeto do Cinturão, que o rio nascido em Minas Gerais começará a se espalhar pelo território cearense. O bigode de Seu Chico da Caldeira deve ter se esticado de felicidade.

Em 2017, também fomos percorrer o mapa da transposição, nos eixos leste e norte (o que chega ao Ceará). O POVO já havia ido outras vezes, in loco, saber das viabilidades da transposição. Sempre acompanhou, desde quando se falava de um desenho no papel. O Cinturão agora com um espelho d'água é um bom desfecho. Que seja bem utilizado.

O dia 20 de agosto de 2020 é histórico, merecia até mais reverência. Mas tudo se deu num ano difícil demais, de pandemia. É o Cinturão que viabiliza o Velho Chico se misturar aos rios Salgados e Jaguaribe e, provavelmente dentro de alguns meses, bater na porta do Castanhão e garantir o fornecimento para a Capital. Talvez isso aconteça na chegada de 2021, como notícia alvissareira, depois de suceder este tempo adoecido, muito mais triste do que tantas das secas vividas.

Essa notícia foi relevante pra você?
Logo O POVO Mais