CIDADES

Novas regras de utilização do Parque do Cocó devem entrar em vigor ainda em 2020

Proibição Passeios com animais domésticos, uso de campos para futebol e tráfego com bicicletas serão restritos
Edição Impressa
Tipo Notícia Por
Parque do Cocó, em Fortaleza (Foto: Thais Mesquita)
Foto: Thais Mesquita Parque do Cocó, em Fortaleza

Além de ponto de lazer, o Parque Estadual do Cocó é uma unidade de proteção integral do meio ambiente. É nessa perspectiva que, ainda em 2020, o passeio com animais domésticos nas trilhas do Parque, a utilização de campos de futebol e os percursos de bicicleta na área de floresta serão proibidos. A decisão, que vem circulando em memorandos de condomínios e redes sociais, faz parte da busca pela preservação da área.

O tópico sobre animais domésticos é o que desperta mais debates. Para o biólogo Bruno Guilhon, que estuda o Cocó, a presença desses animais "é uma via de mão dupla de transmissão de doenças e parasitas". "Os impactos são imensamente maiores aos animais silvestres, visto que não frequentam clínicas veterinárias e que não têm resistência natural a doenças que são muito comuns em animais domésticos", enfatiza.

Pessoas com cachorros em trilha do Parque do Cocó na manhã do último domingo
Pessoas com cachorros em trilha do Parque do Cocó na manhã do último domingo (Foto: Thais Mesquita)

Na manhã de ontem, 13, Marcos Dória caminhava com a filha e a cadelinha Lolly, uma yorkshire de sete anos. Moradores do Papicu, a família desconhecia a discussão sobre a nova regra. "Se foi aconselhado por pessoas que têm o conhecimento técnico necessário, concordo 100%. A gente só tem que seguir", opina sobre a proibição. "A gente procura um outro local para caminhar. Eles (animais de estimação) já têm o benefício de ter casa, comida, tudo." 

Desativar o último campo de futebol na área interna do Parque também tem o objetivo de aumentar o bem-estar das espécies da região. "Pode parecer exagerado para muitas pessoas, mas não podemos nos esquecer que o Cocó é uma Unidade de Conservação, que visa proteger animais e plantas nativas, além de permitir um maior contato das pessoas com essa beleza natural", pontua o biólogo. Na prática, o uso dos campos está impossibilitado pela vegetação que cresceu durante período de fechamento do parque e chega a 40 cm de altura. Com as regras, os jogos deverão acontecer na Areninha ao lado do anfiteatro.

Por sua vez, a circulação de bicicletas nas trilhas já é regida pelo Regulamento do Parque. Atualmente é proibido pedalar nas trilhas aos domingos até as 13 horas, pois é um dos horários de maior visitação. Ainda assim, a presença de ciclistas permanece como O POVO registrou na manhã de ontem. Policiais ambientais são os responsáveis por impedir a entrada e orientar o uso correto. "Os pequenos animais nem sempre são conhecidos e eles são os principais impactados pelas bicicletas, pois o ciclista não tem condições de perceber quando um pequeno sapo, uma cobra ou lagarto estão cruzando a trilha", explica Guilhon.

Os três pontos estão em uma lista de 30 entraves para a correta proteção da unidade de conservação (UC), elaborada pela Arcadis Design & Consultancy Brasil. A empresa é, desde janeiro, responsável por mediar discussões com representantes da sociedade civil e a Secretaria do Meio Ambiente do Ceará (Sema) sobre a sustentabilidade dos 1.571,29 hectares do Parque.

Como resultado, está sendo elaborado o Plano de Manejo do Cocó, documento técnico necessário a toda UC e que faz o diagnóstico da fauna e da flora, o zoneamento do parque e dá diretrizes para uma boa gestão. A expectativa é que texto final seja apresentado e submetido à aprovação entre final de outubro e início de novembro.

"Nesse sentido estamos, nos últimos 15 dias, conversando com condôminos da região, gateiras e lideranças das comunidades próximas", afirma o gestor da unidade, Paulo Lira. "Estamos iniciando um processo de educação ambiental e quando o Plano de Manejo for finalizado iremos efetivamente fazer valer", completa Artur Bruno, titular da Sema.

Alimentadores e suportes para retirada de coco dos pets serão removidos das trilhas. Placas informativas em alusão à norma serão colocadas nas entradas do local. Já os gatos de rua também serão gradativamente retirados. O Batalhão de Polícia do Meio Ambiente e equipes da gestão do Parque serão responsáveis por tais ações.

 

Mudanças previstas

Atividades no Parque do Cocó devem mudar a partir de novembro, data prevista para a publicação do Plano de Manejo da unidade. Veja algumas mudanças:

Proibição de presença e trânsito de animais domésticos e/ou domesticados nas trilhas;

Fechamento das trilhas todas as segundas-feiras para manutenção;

Desativação dos campos de futebol;

Proibição de ciclismo nas trilhas aos domingos antes das 13h: regra já é posta pelo Regulamento do parque e deverá se manter;

Quanto aos condomínios na rua Caetano Cavalcante, os portões dos quatro prédios de acesso ao Parque serão liberados às 5h30min e fechados às 17h30min, seguindo o horário de funcionamento da unidade.

 

Essa notícia foi relevante pra você?
Logo O POVO Mais