CIDADES

Redes pública e privada de Fortaleza iniciam ano letivo de 2021 em janeiro

Escolas municipais seguem com retorno presencial indefinido. Rede privada mantem ensino híbrido
Edição Impressa
Tipo Notícia Por
ESCOLAS municipais fizeram adaptações necessárias para retorno, diz Secretaria (Foto: JÚLIO CAESAR)
Foto: JÚLIO CAESAR ESCOLAS municipais fizeram adaptações necessárias para retorno, diz Secretaria

O ano letivo de 2021 para quem estuda na rede municipal de Fortaleza começa em 28 de janeiro. A última aula de 2020 está prevista para 24 de dezembro. Conforme a Secretaria Municipal de Educação (SME), ainda não está definido o retorno das aulas presenciais. Por isso, até o momento, estão mantidas as atividades remotas.

"Ressalta-se que, mesmo sem a definição do retorno das aulas presenciais, a SME vem trabalhando ao longo de 2020 e possui um protocolo de segurança definido dentro do plano de retomada, que leva em consideração a infraestrutura das unidades, aspectos pedagógicos, provimento escolar e gestão", destacou o órgão em nota enviada ao O POVO.

A Pasta garante que "a infraestrutura das unidades escolares já foi organizada com todas as intervenções necessárias". Afirma ainda que a gestão municipal segue adquirindo Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) para alunos e profissionais de educação.

"Ao tempo em que houver o indicativo da data de retorno das aulas presenciais, a SME convocará o Comitê Municipal para discutir e encaminhar as demais providências relacionadas ao contexto de retomada, tendo como foco sempre a segurança sanitária, assim como o apoio e suporte aos alunos, professores e famílias."

Para fortalecer o ensino remoto, a SME pretende disponibilizar cerca de 242 mil chips com pacote de dados. Além disso, estudantes do 9º Ano do Ensino Fundamental e da Educação de Jovens e Adultos (EJA) IV devem receber cerca de 21 mil tablets.

Na rede particular, o presidente do Sindicato de Educação da Livre Iniciativa do Ceará (Sinepe-CE), Airton Oliveira, afirma que o retorno deve ser em 12 de janeiro com o modelo híbrido, que combina aulas remotas e presenciais. A data foi aprovada em assembleia do Sindicato.

"Com o início das aulas de 2021, os protocolos serão rigorosamente cumpridos. Nós, do Sinepe, temos orientado as escolas a seguirem qualquer novidade que ocorra de mudança para a comunidade escolar". No entanto, Airton defende que as regras sejam distintas nos municípios, considerando a realidade local. "Cada prefeito com a secretaria municipal, com suporte da Secretaria Estadual, deve definir os próprios decretos".

O representante demonstra ainda preocupação com a demora para reabertura das escolas para aulas presenciais no Brasil. Para ele, o fechamento das instituições tem agravado ainda mais o cenário de desemprego que assola o País. "Não é só prejuízo para as instituições. Muitas delas já encerraram suas atividades. Há também um um déficit altíssimo das escolas nos seus compromissos".

 

Essa notícia foi relevante pra você?
Logo O POVO Mais