CIDADES

Ceará tem 15º dia seguido com ocupação de UTIs acima dos 80%

Leitos. Região de Saúde de Fortaleza está há 12 dias
Edição Impressa
Tipo Notícia Por
Aumento de casos da doença fez com que ocupação de leitos disparasse, resultando na necessidade de contratação de novos profissionais (Foto: Aurelio Alves)
Foto: Aurelio Alves Aumento de casos da doença fez com que ocupação de leitos disparasse, resultando na necessidade de contratação de novos profissionais

Desde o dia 28 de janeiro, o Ceará tem apresentado altos índices no uso de leitos de UTI, de acordo com a plataforma IntegraSUS, mantido pela Secretaria de Saúde do Ceará (Sesa). Segundo a atualização feita às 21h02min de ontem, a ocupação de leitos públicos e privados para Covid-19 no estado era de 87,21% para UTIs e 60,16% para enfermarias. A última vez que esteve abaixo dos 80% foi no dia 27 de janeiro, quando foi registrada uma ocupação de 77,39% e 47,48%, respectivamente.

A situação é parecida com a da Região de Saúde de Fortaleza, que abrange, além da Capital, Caucaia, Maracanaú, Baturité, Itapipoca e Cascavel. A taxa de ocupação estava acima dos 80% desde o dia 31 de janeiro. Na atualização de ontem à noite, o índice era de 88,03% e 76,89% para UTIs e enfermarias, respectivamente.

Os números são referentes à ocupação geral de UTIs (adulto, gestante, infantil e neonatal). Os leitos reservados somente para adultos chegou ao uso de 92,64% no Ceará, 92,76% na Região de Saúde de Fortaleza e 92,74% na Capital, que apresentava quatro hospitais com lotação de leitos na noite de ontem (Hospital Aldeota, Antônio Prudente, São Carlos e Hospital São José).

De acordo com a última edição do Boletim Observatório Covid-19 Fiocruz, publicada nesta semana, o Ceará permanece na zona de alerta crítica de ocupação de leitos de UTIs, com taxa média de 86,1% em janeiro. No Nordeste, apenas Pernambuco, com 84%, estava nessa zona, que segundo o boletim, engloba taxas maiores de 80%.

Maranhão (63,9%) e Piauí (66,9%) também registraram incremento no indicador em janeiro, com o primeiro entrando e o segundo permanecendo na zona de alerta intermediária (taxas de ocupação de UTIs menores que 80% e maior ou igual a 60%). No Rio Grande do Norte (60,2%), Paraíba (50,2%), Alagoas (47,8%), Sergipe (54,5%) e Bahia (68,2%), as taxas de ocupação de leitos de UTI Covid-19 ficaram na zona de alerta intermediária, e os demais, fora da zona de alerta. (Flávia Oliveira)

 

Essa notícia foi relevante pra você?
Logo O POVO Mais