CIDADES

Ceará atinge média de 1.000 mortes por Covid-19 por mês

O total de óbitos no Ceará é maior do que a população de 32 municípios. Foram registradas 105 novas mortes e 3.046 novos casos no Estado nas últimas 24 horas
Edição Impressa
Tipo Notícia Por
O Brasil se mantém como a terceira nação em número de casos e a segunda em mortes, atrás apenas dos Estados Unidos (Foto: FABIO LIMA)
Foto: FABIO LIMA O Brasil se mantém como a terceira nação em número de casos e a segunda em mortes, atrás apenas dos Estados Unidos

A poucos dias de completar um ano desde a primeira confirmação de caso de Covid-19 — em 15 de março —, o Ceará passa de 12 mil mortes pela infecção. O total de óbitos no Estado é maior que a população de 32 municípios cearenses. A média é de mil mortes por mês desde o início da pandemia. Foram somadas à contagem oficial 105 mortes e 3.046 casos nas últimas 24 horas.

A partir do começo de 2021, a disseminação se acentua, sendo acompanhada pelo aumento no número de óbitos. Conforme a plataforma IntegraSUS, da Secretaria da Saúde do Estado (Sesa), 516 mortes aconteceram em janeiro, 864 em fevereiro e 337 em apenas dez dias de março.

obitos por covid19 por mes
obitos por covid19 por mes (Foto: obitos por covid19 por mes)

São 454.325 casos confirmados até essa quarta-feira, 10. Os dados foram atualizados às 16h46min de ontem pela plataforma IntegraSUS, da Sesa. Das mortes inseridas no sistema, pelo menos quatro aconteceram nas últimas 24 horas.

Leia também: Média de internações por Covid-19 em UTIs registra queda e se mantém abaixo de 90% há dois dias

A virologista e epidemiologista Caroline Gurgel aponta que a segunda onda da pandemia em curso foi causada principalmente pela disseminação de novas cepas do coronavírus.

"A nova variante tem maior afinidade pelos receptores. Tem uma quantidade muito maior de células infectadas liberando vírus. Por isso, uma quantidade muito grande de hospitalizações. Os jovens começaram a se expor bastante e o resultado disso foi modificação no perfil epidemiológico, com proporção maior de jovens se internando", explica a pesquisadora, que é enfermeira e professora do Departamento de Saúde Comunitária da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Ceará (UFC).

Em janeiro, 124 pessoas com menos de 60 anos morreram em decorrência da Covid-19. No mês seguinte, foram 225. Com isso, o número de pessoas abaixo da faixa etária de risco aumentou 81% em um mês.

Leia tambémConselho Federal de Medicina diz que medidas restritivas podem reduzir pressão no sistema de saúde

Prefeitura de Mombaça decreta medidas mais rígidas de isolamento social

Vacinação em Fortaleza: Cucas passam a aplicar segunda dose a partir de amanhã

Gurgel detalha que quanto mais o vírus tem contato com o hospedeiro, mais ele se torna resistente, adapta-se a ele e torna-se mais transmissível. A única solução é vacinar o máximo de pessoas possível em curto intervalo de tempo, argumenta. "A gente está passando pelo período de sazonalidade dos vírus respiratórios no Ceará. O pico é em abril e começa a declinar em maio. Em junho, tende a descer mais. Seguindo essa lógica, pode haver uma diminuição de casos e óbitos de Covid-19 por volta de julho. Mas não vai parar. Sempre vai estar sustentado na população através dos portadores assintomáticos", avalia.

Fortaleza está na metade do período inicial previsto de lockdown, que é de 14 dias. Contudo, na análise da pesquisadora, para a efetividade da medida a situação requer mais políticas públicas para manter o cidadão em casa.

"Precisa de harmonia entre o decreto e a aceitação pela população. Enquanto não tiver um aluguel social e manter a alimentação das pessoas em casa, elas vão continuar saindo. É como se estivesse tampando o sol com a peneira", critica.

Se não houver vacinação em massa ou adesão das pessoas, "uma terceira onda pode acontecer". "Não é adivinhação. Está batendo com muita força e a tendência é crescer. A gente pode ter ondas em cima de ondas no Brasil", alerta a epidemiologista.

Há exatamente um ano, o diretor-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS), Tedros Adhanom, declarou que a organização elevou o estado da contaminação da Covid-19 ao nível de pandemia. À época, a mudança de classificação não foi justificada pela gravidade da doença, mas sim pela "disseminação geográfica rápida que a doença apresentava". Doze meses depois, o Brasil registra recordes diários de mortes consecutivos. Ontem, foram 2.286 novos óbitos em 24 horas.

 

Municípios cearenses com menos habitantes do que o total de mortos pela Covid-19 no Estado

Granjeiro - 4.814 habitantes

Guaramiranga - 5.132 habitantes

Baixio - 6.303 habitantes

Potiretama - 6.437 habitantes

Pacujá - 6.549 habitantes

Ereré - 7.225 habitantes

Antonina do Norte - 7.378 habitantes

São João do Jaguaribe - 7.601 habitantes

Altaneira - 7.650 habitantes

Senador Sá - 7.691 habitantes

General Sampaio - 7.694 habitantes

Umari - 7.736 habitantes

Arneiroz - 7.844 habitantes

Itaiçaba - 7.866 habitantes

Jati - 8.130 habitantes

Tarrafas - 8.573 habitantes

Moraújo - 8.779 habitantes

Penaforte - 9.143 habitantes

Palhano - 9.422 habitantes

Deputado Irapuan Pinheiro - 9.662 habitantes

Catunda - 10.376 habitantes

Mulungu - 10.941 habitantes

Ararendá - 10.959 habitantes

Pires Ferreira - 11.001 habitantes

Potengi - 11.106 habitantes

Groaíras - 11.144 habitantes

Martinópole - 11.321 habitantes

Jaguaribara - 11.492 habitantes

Ipaporanga - 11.596 habitantes

Alcântaras - 11.781 habitantes

Aratuba - 11.802 habitantes

Abaiara - 11.853 habitantes

Essa notícia foi relevante pra você?
Logo O POVO Mais