CIDADES

Vacinação de pessoas com comorbidades deve começar em maio

Previsão. Ministério da Saúde
Edição Impressa
Tipo Notícia Por
FILE PHOTO: A worker performs a quality check in the packaging facility of Chinese vaccine maker Sinovac Biotech, developing an experimental coronavirus disease (COVID-19) vaccine, during a government-organized media tour in Beijing, China, September 24, 2020. REUTERS/Thomas Peter/File Photo (Foto: REUTERS/Thomas Peter/File Photo)
Foto: REUTERS/Thomas Peter/File Photo FILE PHOTO: A worker performs a quality check in the packaging facility of Chinese vaccine maker Sinovac Biotech, developing an experimental coronavirus disease (COVID-19) vaccine, during a government-organized media tour in Beijing, China, September 24, 2020. REUTERS/Thomas Peter/File Photo

A vacinação de pessoas com comorbidades contra a Covid-19 deve começar em maio, segundo previsão do Ministério da Saúde. O termo é empregado para designar pessoas com condições de saúde, como doenças graves, que as deixam com mais risco de uma eventual infecção pelo novo coronavírus evoluir para um quadro grave.

O ministério calcula que este grupo abarque 17,7 milhões de pessoas. Este é o segmento prioritário logo após idosos em instituições de longa permanência, trabalhadores da saúde, povos indígenas e idosos. Parte dos profissionais de forças de segurança foi incluída antes do grupo com comorbidades.

O Ministério da Saúde orienta as autoridades locais de saúde que dentro do universo das pessoas acometidas com comorbidades seja empregado o critério de idade em grupos de intervalos de cinco anos.

Assim, seriam imunizados primeiro as pessoas com 55 a 59 anos. Em seguida, aquelas com 50 a 54 anos. E assim por diante até a idade mínima dos grupos prioritários, de 18 anos.

Segundo o Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19, estão listadas as seguintes condições dentro do segmento de pessoas com comorbidades: qualquer tipo de diabetes, pneumopatias crônicas graves, Hipertensão arterial resistente, Hipertensão arterial estágio 3, Hipertesão arterial estágios 1 e 2 com lesão em órgão-alvo, insuficiência cardíaca, hipertensão pulmonar,  cardiopatia hipertensiva, síndromes coronarianas,  valvopatias,  miocardiopatias e pericardiopatias,  doenças da aorta, dos grandes vasos e fístulas arteriovenosas, arritmias cardíacas, cardiopatias congênitas no adulto, dispositivos cardíacos implantados,  Doença cerebrovascular, Doença renal crônica,  Imunossuprimidos, anemia falciforme,  obesidade mórbida, síndrome de down, cirrose hepática. (Agência Brasil)

Essa notícia foi relevante pra você?
Logo O POVO Mais