CIDADES

Organização criminosa liderada por cabo da PM do Ceará extorquia traficantes para livrá-los da cadeia

Grupo usava estrutura policial do Estado para facilitar ações ilícitas e obter vantagens indevidas
Edição Impressa
Tipo Notícia Por
Montante superior a R$ 600 mil teria sido cobrado em apenas dois episódios 
 (Foto: Divulgação/MPCE)
Foto: Divulgação/MPCE Montante superior a R$ 600 mil teria sido cobrado em apenas dois episódios

Um cabo da Polícia Militar do Ceará (PMCE), apontado como líder de uma organização criminosa, foi preso nessa terça-feira, 20, durante a 4ª fase da Operação Gênesis, coordenada pelo Ministério Público do Ceará (MPCE). As investigações apontam a existência uma quadrilha organizada — com participação de policiais da ativa — suspeita de praticar crimes como extorsão, tortura, comércio ilegal de arma de fogo e corrupção ativa. Os ilícitos teriam sido cometidos entre 2016 e 2017, em diversas localidades de Fortaleza e cidades da Região Metropolitana da Capital. O inquérito aponta que o grupo exigia altas quantias em dinheiro a traficantes para livrá-los da cadeia.

Além do militar preso, outros seis PMs — entre soldados e cabos — e um policial civil, todos da ativa, foram conduzidos coercitivamente para prestarem esclarecimentos sobre as denúncias levantadas no inquérito. Devido ao sigilo do processo, eles não tiveram suas identidades reveladas. A investigação é liderada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (Gaeco) com o apoio da Coordenadoria de Planejamento Operacional (Copol) da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), da Polícia Militar do Ceará e da Coordenadoria de Inteligência (Coin) da Secretaria de Administração Penitenciária (SAP).

Segundo o promotor responsável pelas investigações, Adriano Saraiva, os policiais usavam o sistema de informações do próprio Estado para monitorar os passos dos traficantes. “Eles se utilizavam do banco de dados Polícia para pegar o nome, endereço, telefone e todos os registros criminais da pessoa que queriam extorquir. Geralmente, os alvos eram traficantes com alto poder aquisitivo, pessoas que tinham ‘potencial financeiro’ para eles”, revelou. Ainda segundo Saraiva, nas ações criminosas os policiais usavam viaturas e faziam abordagens em serviço, de forma direcionada, aproveitando-se do distintivo e da função pública para tentar obter vantagens ilícitas.

O promotor ainda conta que, em apenas dois episódios, os agentes teriam cobrado propinas num montante superior a R$ 600 mil. “Nos chamou a atenção duas extorsões: uma no valor de R$ 500 mil e outra no valor de R$ 130 mil. Não temos como aferir, neste momento, a quantidade de propina movimentada, mas com isso já dá para ter uma noção que a bagatela de recursos é muito alta”, disse Saraiva ao O POVO, frisando que essas são as maiores quantias em extorsão identificadas pela ‘Gênesis’ desde o começo das investigações, em setembro do ano passado.

Procurada pelo O POVO, a Controladoria Geral de Disciplina (CGD) informou que todos os agentes da segurança alvos da 4ª fase da operação foram afastados de suas funções por tempo indeterminado. O órgão autorizou a abertura de procedimentos disciplinares e solicitou ao MPCE o compartilhamento de todo o material produzido nas investigações para agilizar o andamento das apurações no âmbito administrativo. Paralelo a isso, os policiais também vão responder a processos na esfera criminal.

Cronologia da ‘Gênesis’

A Operação que investiga corrupção, desvio de conduta e várias outras práticas criminosas envolvendo agentes da Segurança Pública do Ceará teve início em setembro de 2020. Na ocasião, foram cumpridos 17 mandados de prisão e de busca e apreensão em Fortaleza e Maracanaú. Entre os alvos estavam nove policiais militares e três policiais civis, todos da ativa. O inquérito apontou que os agentes formavam uma organização criminosa com outros quatro traficantes.

Na 2ª fase da Operação, em outubro de 2020, a Justiça autorizou 16 mandados de prisão e de busca e apreensão em Caucaia e na Capital. Três policiais militares e três policiais civis da ativa, além de nove suspeitos de tráfico de drogas e de um ex-policial militar, foram alcançados pelas investigações.

Já em em maio deste ano, na 3ª fase da Operação, foram cumpridos 26 mandados de prisão preventiva e de busca e apreensão. O trabalho mirou 21 membros de organizações criminosas, dos quais oito deles já foram presos, e cinco policiais militares de Fortaleza e Caucaia, todos afastados de suas funções.

A 4ª fase, realizada nessa terça, 20, que cumpriu 12 mandados de busca e apreensão, sete de condução coercitiva e uma ordem de prisão, deve dar origem a novos desdobramentos no âmbito das investigações. “A cada apreensão que a gente faz, muitas informações são descobertas: de outros crimes, de outros policiais envolvidos, de traficantes… Tem sido assim. Sem dúvida, novas operações são possíveis para elucidar as suspeitas levantadas hoje”, adianta Adriano Saraiva.

Fora de ordem

As suspeitas de extorsão que pairam sobre os agentes da segurança alvos do trabalho investigativo conduzido pelo Gaeco trazem à luz outras ocorrências da mesma natureza investigadas na esfera administrativa pela CGD. Uma delas foi registrada em maio do ano passado, no pico da pandemia, quando três policiais militares foram presos em flagrante na Capital por extorquir um homem que consertava respiradores. A identidade da vítima foi preservada, e os envolvidos levados para o Presídio Militar, em Fortaleza. A CGD não confirmou ao O POVO se eles permanecem presos.

Em março deste ano, o órgão disciplinar havia instaurado outros três procedimentos administrativos contra policiais militares acusados de extorquir um homem no Crato, região do Cariri, dois meses antes. Segundo o processo, eles pressionaram a vítima por uma quantia de R$ 150 mil para que não a matassem. "A documentação acostada aos autos consolida de forma clara e cristalina, os indícios de autoria e materialidade", diz trecho da portaria publicada no Diário Oficial do Estado (DOE).

O caso mais recente ocorreu em 15 de junho último, quando dois policiais militares e um agente penitenciário foram presos em flagrante por pedirem R$ 50 mil a um homem para evitar que ele fosse preso. O fato aconteceu no bairro Papicu, em Fortaleza. A vítima, de acordo com a Polícia Civil, responde a processos por prática de estelionato.

Os policiais e um quarto suspeito não identificado teriam solicitado duas parcelas de R$ 25 mil para livrar o homem da cadeia. As investigações ainda mostraram que eles também haviam tomado posse de outros pertences da vítima, como um celular e até uma aliança. A CGD foi perguntada sobre o andamento dos processos que investigam a conduta dos três agentes, mas não respondeu até o fechamento da matéria.

Essa notícia foi relevante pra você?
Logo O POVO Mais