Logo O POVO Mais
CIDADES

Facções proíbem alunos de atravessar território e frequentar escola em Messejana

|INSEGURANÇA| As queixas sobre a ação intimidatória no entorno da escola têm aumentado juntamente com o retorno presencial das aulas
Edição Impressa
Tipo Notícia Por
Avenida Washington Soares divide territórios de facções rivais (Foto: FABIO LIMA)
Foto: FABIO LIMA Avenida Washington Soares divide territórios de facções rivais

Quase 19 meses após o início da pandemia de Covid-19, em que as escolas precisaram fechar, 94,7% das unidades de ensino médio da rede pública estadual já estão em transição para priorizar atividades presenciais. O retorno à interação em grupos e à proximidade maior com professores e colegas, entretanto, encontra uma outra barreira: os territórios dominados por diferentes facções criminosas. No caso do Liceu da Messejana, é a avenida Washington Soares que separa grupos e distancia estudantes da escola. 

Leia mais | Expulsões de famílias por facções no Ceará são investigadas em série no OP+ 

“Com o retorno presencial, durante uma semana, eu consegui ir à escola normalmente, mas depois fiquei com medo e parei de ir. Meus pais já haviam me avisado sobre essa proibição (por parte das facções), de frequentar a escola, mas eu não acreditei muito, sabe? Depois dessa primeira semana, as pessoas dessa facção começaram a parar a gente no caminho e nos mandavam voltar para casa”, conta um estudante do Liceu. 

Leia mais |  Polícia Civil investiga desaparecimento do artista MC Black na Praia de Iracema

As queixas sobre a ação intimidatória no entorno da escola têm aumentado juntamente com o retorno presencial das aulas. Além das ameaças e o controle de territórios pelos grupos, estudantes temem ser assaltados ou seguidos por criminosos. “O Liceu está situado perto do Gonzaguinha (Hospital Distrital Gonzaga Mota), quando você atravessa a avenida, você já encontra uma facção rival. Os estudantes não podem fazer essa ligação de atravessar a avenida", diz um outro estudante.

Comunicação entre estudantes

Quando os alunos começaram a sentir falta de alguns colegas, uma rede de cuidado mútuo foi formada para saber quais as justificativas das ausências. "Um amigo estava indo para aula e no caminho perguntaram para onde ele iria. Ele respondeu que ia à escola. Depois da resposta, mandaram ele voltar para casa. Teve outro que foi ainda pior, ele me contou que foi abordado por gente de facção, que disseram que se ele fosse à escola, os caras matariam ele”, contou outro estudante. Por segurança, O POVO não divulga quaisquer informações pessoais dos alunos ouvidos nesta reportagem.

A situação gera não somente medo, mas muita indignação. “Se você for consultar as autoridades, vão dizer que está tudo sob controle. O Liceu fica situado em um local muito perigoso. O entorno é dominado pelo tráfico de drogas. Sobre as facções, por causa dos domínios de territórios, os alunos não podem fazer a passagem do local A para o local B”, informa outro estudante.

Com a transição do remoto para o presencial, alguns alunos ainda tiveram a possibilidade de optar pelo remoto, diante das restrições impostas pelas facções. Vale ressaltar que, conforme a Secretaria da Educação (Seduc), o Estado está em “transição para priorizar atividades presenciais”.

Área mais violenta

De acordo com as estatísticas da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), a Área Integrada de Segurança (AIS) na qual Messejana está inserida registrou, entre janeiro e outubro deste ano, 123 homicídios, o maior número entre as AIS de Fortaleza. De acordo com o sociólogo e jornalista Ricardo Moura, colunista do O POVO, a partir de relatos, notícias e de conversas com interlocutores locais pode-se perceber uma intensa movimentação de disputas [por parte das organizações criminosas] territoriais naquela região.

“Como resultado desse acirramento, a gente tem um conflito aberto, e isso prejudica de maneira frontal as comunidades, que ficam reféns dessa situação. É um preço a pagar por estarem em territórios nos quais o crime, de alguma forma, busca estabelecer uma regulação social da vida das pessoas”, comenta Ricardo.

Leia mais | Homem é preso após fingir ser de facção para atrair atenção da Polícia para grupo rival

O POVO buscou conversar com moradores locais e outros estudantes, mas a respostas mais recorrentes eram: “Não posso falar sobre isso!”, “Não quero contribuir, sinto muito”, “Não me sinto à vontade para falar”. 

Rede de apoio e orientações

Além do impedimento de ir e vir, os estudantes precisam lidar com as tentativas de assaltos diariamente. Para tentar driblar a situação, eles estabeleceram uma rede de apoio, compartilhando informações entre si. Um grupo de Whats App reúne mensagens como estás:

"Meninas tomem cuidado, pois eles [criminosos] ficam só observando, aí quando acham uma oportunidade, eles roubam mesmo. Esses dias, eu estava indo à escola, e tinha um cara me seguindo, apressei logo os passos e entrei correndo no Liceu. Evitem levar o celular para a escola, e se for levar, deixem [o aparelho celular] bem escondido para não ter perigo de ser roubado”.

Leia mais | Duas jovens são mortas por facção; vítimas foram filmadas por criminosos antes da execução

“Olha, para quem mora na banda de cá, vou dar um aviso: tem que dar um tempo de ir pra escola. Os caras daqui de dentro deram o aviso que não é para sair de casa à noite. Eles acabaram de matar um amigo meu, e quase eu fui embora agora”, relatou um estudante, em um aviso repassado no grupo.

Combate às facções

Ricardo Moura comentou sobre iniciativas do Governo do Estado no combate a essas ações criminosas, como mandados de prisão recordes. No entanto, o que precisa ser observado agora, de acordo com Moura, é o resultado concreto dessas ações. Segundo o sociólogo, com as ações de combate ao crime, pode haver uma queda em relação à atuação das facções criminosas em um determinado território.

Leia mais | "Gerentes" de facção criminosa são alvos de operação da Polícia Civil

"Mas como a gente está tratando de conflitos entre grupos, essa lógica é muito difícil de ser quebrada. Quando você desarticula um grupo, o outro busca ocupar aqueles espaços. Não há vácuo na disputa pelo tráfico de drogas. Esses espaços estão sendo disputados o tempo todo”, argumenta.

Iluminação pública

Uma outra questão que contribui para a ocorrências de crimes no local, é a iluminação pública. Conforme os relatos ouvidos pelo O POVO, o entorno da escola sobre com  iluminação pública ineficiente. "São 18 horas e a gente só observa a insegurança aqui. Olha essa praça toda escura. Não tem iluminação! Não tem segurança que possa ajudar a gente. Nós ficamos à mercê dos criminosos", diz uma fonte.

Para Ricardo Moura, em relação à questão da iluminação pública, observa-se que essas áreas com menos infraestrutura são mais degradadas e viram espaços nos quais a violência letal se instala.

"Isso exige uma política pública por parte do município para proporcionar melhores condições de habitação e de vida. A gente sabe que as ruas de bairros periféricos são muito escuras, e isso dificulta a proteção das pessoas. Elas se sentem mais inseguras, as pessoas podem cometer algumas transgressões de forma a ficar mais à vontade, então isso é um problema crônico que a gente observa, não só em Messejana, mas em toda a Cidade", finaliza o pesquisador.

Governo do Estado

O POVO também tentou contato com coordenadores do Liceu de Messejana, mas foi informado que comunicação estaria restrita apenas à Secretaria de Educação do Estado (Seduc). A Seduc relatou que continua planejando o avanço do retorno das atividades presenciais, e atualmente, 94,7% das unidades de ensino médio da rede pública estadual já estão em transição para priorizar atividades presenciais.

Segundo a Seduc, o Liceu de Messejana também está em processo de retorno, saindo do híbrido (com momentos presenciais e remotos) para o presencial. Além disso, a escola já vem apresentando crescimento no número de matrículas ao longo dos anos. No período de 2018 a 2021, os dados são os seguintes:

  • Ano de 2018 - 1.240 matriculados
  • Ano de 2019 - 1.294  matriculados
  • Ano de 2020 - 1.326  matriculados
  • Ano de 2021 - 1.524 matriculados

Questionada sobre as situações relatadas, a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) informou que, a Polícia Civil (PC-CE) apura supostos casos de ameaças a moradores e roubo a pessoas no bairro Messejana. Mas reiterou que, até o momento, "nenhum Boletim de Ocorrência (BO) foi localizado na unidade policial responsável pela área, o 6º Distrito Policial, relacionado a situações no entorno da escola citada”.

"Os trabalhos ostensivos na região foram reforçados com equipes do Comando de Policiamento de Rondas e Ações Intensivas e Ostensivas (CPRaio), da Força Tática (FT) e do Grupo de Segurança das Escolas (GSE) do Batalhão de Policiamento de Prevenção Especializada (BPesp) da Polícia Militar do Ceará (PMCE)", conclui a nota.

Já na manhã de segunda-feira, 22, após questionamentos da reportagem, fontes locais informaram ter avistado maior a presença de policiamento no local. "Uma viatura começou a fazer o patrulhamento no local. Vi uma [viatura] estacionada perto da escola. É um caso atípico a gente ver um veículo da Polícia por aqui, principalmente pelo turno da noite", disse uma fonte ouvida.

Gestão Municipal

No caso da iluminação pública, a Secretaria Municipal da Conservação e Serviços Públicos (SCSP) informou que não foi identificada nenhuma solicitação de manutenção de iluminação para o local a partir do telefone 156, canal entre a população e a gestão municipal para pedidos como este. "Mesmo assim, uma equipe técnica irá ao local para avaliar a situação e providenciar a manutenção. Em casos de pontos apagados, a orientação é que a população telefone gratuitamente para o número 156", informou a SCSP, em nota.

Tenha acesso a reportagens especiais. Assine O POVO+ clicando aqui

Essa notícia foi relevante pra você?
Recomendada para você

"