Logo O POVO Mais
CIDADES

Programa projeta realizar 1,7 mil cirurgias pediátricas em um ano

|CEARÁ|Consultas pré-cirúrgicas já foram iniciadas. Programa deve finalizar procedimentos no fim de 2022
Edição Impressa
Tipo Notícia Por
FORTALEZA, CEARÁ, BRASIL, 24-11-2021 : Coletiva de imprensa com Secretário da Saúde do Ceará, Marcos Gadelha e o diretor administrativo do Sopai, Luís Eugênio França, e o diretor técnico da unidade, Fabrício Aderaldo Menezes, no SOPAI- Hospital Infantil Filantrópico, no bairro Carlito Pamplona. .(Foto: Fernanda Barros /Especial Para O Povo)  (Foto: Fernanda Barros)
Foto: Fernanda Barros FORTALEZA, CEARÁ, BRASIL, 24-11-2021 : Coletiva de imprensa com Secretário da Saúde do Ceará, Marcos Gadelha e o diretor administrativo do Sopai, Luís Eugênio França, e o diretor técnico da unidade, Fabrício Aderaldo Menezes, no SOPAI- Hospital Infantil Filantrópico, no bairro Carlito Pamplona. .(Foto: Fernanda Barros /Especial Para O Povo)

Por meio de programa de cirurgias pediátricas, Ceará deve realizar 1.700 procedimentos e 1.600 consultas pré-cirúrgicas em um ano. Iniciada nesta quarta-feira, 24, o programa da Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa) em parceria com a Sociedade de Assistência e Proteção à Infância de Fortaleza (Sopai) tem prazo de finalização previsto para o fim de 2022.

Diretor técnico da unidade, Fabrício Aderaldo Menezes diz que a maior demanda é de procedimentos de hérnias hidroceles, otorrinolaringologia e ortopedia. "São cirurgias altamente especializadas de pequeno e médio porte", explicou. 

As consultas de ortopedia já foram iniciadas e as cirurgias dessa especialidade terão início no final deste mês. Já as consultas e cirurgias de otorrinolaringologia devem ser iniciadas em dezembro. "Tem criança com pé torto congênito que  a cirurgia é muito simples se realizada até um ano de vida. É muito mais complexa se realizada depois", detalha, sobre a importância da rapidez no processo. 

Paloma Jarliele, de 17 anos, e sua filha Maria Valentina, de 1 mês e 23 dias
Paloma Jarliele, de 17 anos, e sua filha Maria Valentina, de 1 mês e 23 dias (Foto: Fernanda Barros)

Paloma Jarliele, 17, já iniciou o acompanhamento para a cirurgia de Maria Valentina, de um mês e 23 dias. Após uso de gesso, ela deve ser submetida a cirurgia para tratar do pé torto congênito. "Viemos hoje para a primeira consulta. Fomos encaminhadas de Canindé. Vamos vir todo sábado", contou. 

A iniciativa está alinhada às ações do Programa Mais Infância Ceará, idealizado pela primeira-dama Onélia Santana.

Conforme o secretário da Saúde do Ceará, Marcos Gadelha, a fila de pacientes será regulada pela Central de Regulação Estadual, contudo, a porta de entrada será por meio de atendimento inicial nos postos de saúde. Segundo o titular da Sesa, houve a necessidade de fazer a qualificação dessa fila. "A gente teve muita dificuldade de identificar as pessoas, não localizava, a pessoa estava na fila e já tinha feito a cirurgia", exemplifica.

Ele afirmou que o sistema de regulação está sendo qualificado principalmente para facilitar o acesso de pacientes do Interior. A ferramenta Plantão Cirurgia 24h, recém lançada, permite acompanhamento lista de espera para procedimentos eletivos a pacientes que aguardam cirurgia, disponível na plataforma Saúde Digital e no Ceará APP.

Segundo Gadelha, já foi realizado um chamamento para hospitais privados e filantrópicos que serão contratados para a realização de cirurgias no Interior. Dessa forma, os pacientes não precisam se deslocar para a Capital. As instituições terão 60 dias para se habilitar para a realização dos procedimentos. 

"Se for em Fortaleza, Sopai vai atender. Mas quando falamos no Interior do Estado, essa dificuldade de acesso é maior. A gente precisa mapear as instituições que tem essa capacidade de oferta. Se não tiver, a gente traz. Uma vez que a gente qualifica a fila, podemos dimensionar a demanda", explica o secretário.


Essa notícia foi relevante pra você?
Recomendada para você

"