DOM

Dúvidas e certezas da eleição que se desenha para Fortaleza

Partidos e atores políticos se organizam, movimentando, desde agora, a organização de forças em torno da disputa pela cadeira de comando do Executivo da quinta maior capital do País. A disputa se anuncia acirrada e já agita os bastidores
Edição Impressa
Tipo Notícia Por
FORTALEZA,CE,BRAZIL,17.05.2019: Fachada do prédio Paço Municipal, no Centro. (fotos: Tatiana Fortes/ O POVO) (Foto: Tatiana Fortes)
Foto: Tatiana Fortes FORTALEZA,CE,BRAZIL,17.05.2019: Fachada do prédio Paço Municipal, no Centro. (fotos: Tatiana Fortes/ O POVO)

Quem gosta de acompanhar a política estadual, seja o eleitor, seja quem tem por ofício noticiar os movimentos deste campo, ou mesmo quem se movimenta nele, se vê diante de dúvidas sobre como será a corrida à Prefeitura de Fortaleza, considerando o cenário que está montado a menos de um ano da eleição. As poucas certezas que existem - a preço de hoje - na verdade servem mais para levar a outros questionamentos.

Quem irá à disputa sob as bençãos dos irmãos Ferreira Gomes? Apesar das muitas opções, não há alguém que naturalmente esteja nesta condição. Sabe-se que a correlação de forças mudará quando a pré-candidatura governista surgir. Resultará em salto ou enfraquecimento de Capitão Wagner nas pesquisas?

O deputado federal, aliás, é uma das certezas, pré-candidato que é, articulando que está. Quer chegar já no primeiro turno com aliança robusta. Oito a nove partidos, calcula, o que representa quatro a cinco novas adesões. Hoje, Pros, Podemos, Avante e PSC estão na aliança do policial militar da reserva.

Neste sentido, o radar dele abarca o Novo de Geraldo Luciano, o Solidariedade de Heitor Férrer e o PSDB de Carlos Matos, todos com pré-candidaturas já lançadas. Indagado, Férrer reafirma que estará no páreo. "Não temos plano B, não temos outro candidato", responde o presidente do Novo cearense, Célio Fernando, sobre o executivo.

Sobre as não raras conversas entre Luciano e Wagner, sublinha que o movimento é exclusivamente do parlamentar do Pros, de quem o pré-candidato novista se diz amigo. Como alianças são quase inviabilizadas pelo estatuto do próprio Novo, a possibilidade teria de passar pelo crivo da executiva nacional. Se acredita que as conversas podem render frutos objetivos do ponto de vista político e eleitoral.

Noutro setor da oposição, à esquerda de Wagner e Luciano, há o Partido dos Trabalhadores (PT), que não tem martelo oficialmente batido sobre quem lançará na maratona. Luizianne Lins, porém, se vê perto do que seria a quarta disputa majoritária. "É claro que essa conjuntura de ameaça de destruição de todas as conquistas populares dos últimos 30 anos, juntamente com esses apelos, me coloca perto de uma candidatura", salienta a ex-prefeita ao O POVO.

O principal ator petista no Ceará é Camilo Santana, reeleito governador contabilizando quase 80% dos votos. A situação política dele é complexa: vive politicamente imprensado entre a legenda e o grupo político ao qual permanece ligado, que é capitaneado por Ciro e Cid Gomes, do PDT. A cada nova fala se eleva o tom do  primeiro contra Lula, liderança máxima da agremiação. Apesar disso, Luizianne afirma que a legenda vai às ruas para ganhar e não para simplesmente marcar posição. "Temos amplas condições de (fazer) o partido estar no segundo turno. Estando no segundo turno, e o PDT não estando, é evidente que abriremos conversas nesse sentido", projeta.

Roberto Cláudio, ao microfone, e o governador Camilo Santana, mais ao fundo, precisarão administrar o bom entendimento caso estejam em palanques diferentes no próximo ano
Roberto Cláudio, ao microfone, e o governador Camilo Santana, mais ao fundo, precisarão administrar o bom entendimento caso estejam em palanques diferentes no próximo ano (Foto: JÚLIO CAESAR)

Camilo será buscado, mas haverá compreensão se o comportamento for de neutralidade, repetindo o que se assistiu em 2016 e 2018, afirma Guilherme  Sampaio, eleito presidente municipal do PT. Para ele, a liberdade de Lula  reposiciona as peças do jogo político-eleitoral em Fortaleza, lugar de Ciro. Mas, ele não acha crível que Lula olhe mais atentamente para a Capital em função do  pedetista, como espécie de revanche diante dos disparos vindos dele. "Aí só o próprio Lula poderia dizer", tergiversa Luizianne.

Sampaio ratifica que a escolha por nomes não se traduz num problema para o partido. Das fileiras da agremiação, além da ex-prefeita, a quem atribui favoritismo no debate interno, cita os demais membros da bancada federal na Câmara, e componentes das bancadas estaduais e municipais, na Assembleia Legislativa e  Câmara Municipal, respectivamente.

Assentado em pesquisas internas, Capitão Wagner confia nas possibilidades de estar no segundo turno. No entanto, o tom torna-se ponderado ao constatar que a petista figura figura bem nos levantamentos. "Se houver essa união (PDT e PT), acredito  que o segundo turno deve ser entre nós e o candidato da gestão", conjectura sobre a possibilidade, que, porém, é identificada como inviável nos relatos de fontes dos dois partidos.

O parlamentar do Pros disse não ter como estratégia colar ou descolar de Bolsonaro e do bolsonarismo a partir da própria conveniência. "Não tenho padrinho político, não quero ser candidato do governador, prefeito, presidente. Quem tem essa  perspectiva não pode colar em ninguém", crava o parlamentar. Enquanto isso, a antiga legenda do presidente, o PSL, ainda estuda os passos ideais a dar, um deles na direção do próprio Wagner. Juntando os fundos partidário e eleitoral o PSL terá vistosos R$ 359 milhões para repartir entre seus candidatos em 2020.

Este componente será usado em negociações visando a Prefeitura de Fortaleza, adianta o presidente estadual da legenda, deputado federal Heitor Freire. "Seria hipocrisia negar que esse recurso não entra em pauta, mas temos "experiência" em campanhas escassas, a minha mesmo foi a mais barata entre os deputados federais eleitos e uma das mais baratas do Brasil." Outra convicção guiará o partido, o desejo de retirar a família Ferreira Gomes do poder. "E vamos fazê-lo da melhor forma."

É o que também avalia tentar o Democratas. Mesmo ocupando a vice-prefeitura, com  Moroni Torgan, posto privilegiado na gestão, o Democratas tem entre as  possibilidades a apresentação ou apoio a uma candidatura de oposição. "O partido tem  várias possibilidades para 2020, lançar candidato próprio ou apoiar um dos candidatos postos da situação ou da oposição", enumera o vice-presidente do  partido, João Jaime. Há orientação da executiva nacional para que a legenda deixe as bases de governos de esquerda e centro-esquerda. "Cada caso é um caso", alertou o  demista.

Mayra Pinheiro, ex-candidata ao Senado pelo PSDB, foi convidada pelo presidente nacional do partido, ACM Neto, com este fim. Ciro, Cid e André Figueiredo  reagiram prontamente. Era julho quando ela ouviu proposta de comandar o partido, e chegou a aceitar, mas Chiquinho Feitosa e aliados conseguiram reviravolta. O modo com o qual a médica  participará da eleição está indefinido.

PERFORMANCE DOS PRÉ-CANDIDATOS EM FORTALEZA EM 2018

Capitão Wagner (deputado federal eleito): 176.221 votos (14,07%)

Célio Studart (deputado federal eleito): 125.512 votos (10,02%)

Luizianne Lins (deputada federal reeleita): 111.257 votos (8,88%)

André Fernandes (deputado estadual eleito): 54.943 votos (4,46%)

Renato Roseno (deputado estadual reeleito): 54.176 votos (4,40%)

Heitor Férrer (deputado estadual reeleito): 46.401 votos (3,77%)

Carlos Matos (deputado estadual não reeleito): 20.417 votos (1,66%)

José Sarto (deputado estadual reeleito): 19.652 votos (1,60%)

Cid Gomes (senador eleito): 673.506 votos (31,50%)

Cientista politico diz que, apesar da aparência, debate interno já é intenso

Ao olhar para o contexto fortalezense pelo lado do PDT, o docente pela Universidade Federal do Ceará (UFC), Cleyton Monte, recorre ao filósofo Nicolau Maquiavel (1469-1527) e ao seu O Príncipe. A obra basilar da ciência política frisa que todo político quer chegar e, principalmente, se manter no poder. Com a referência, Monte sustenta que quando lideranças do PDT alegam que não estão falando sobre política e eleições "é porque estão pensando nisso todos os dias."

"Já tem nomes na mesa. Já devem estar sendo testados, já já começarão a aparecer na imprensa. Tem também pesquisas de opinião. Tudo tentando viabilizar um bom nome, porque a disputa vai ser difícil", projeta o professor. Se um nome de peso em eleições majoritárias não se candidatar, Monte prossegue, há José Sarto (PDT), presidente da Assembleia Legislativa, fiel aliado de Ciro e Cid Gomes e "político profissional", elenca. Ele destaca o fato de o deputado ser constante nas agendas do governador Camilo, elemento que proporciona visibilidade. "É um Ferreira Gomes raiz", frisa.

Também destaca que o titular da Secretaria de Governo (Segov) da Prefeitura, Samuel Dias, teria trunfo retórico, o de ressaltar em debates os bônus de ter tocado, ao lado de RC, inúmeras obras estruturais na Cidade. Dia 1º de julho deste ano, grande parte das obras que serão erguidas foram anunciadas por Dias, durante evento no Teatro São José no qual ele pode comandar lançamento do propagado maior pacote de obras da história da Capital, orçado em R$ 1,5 bilhão.

Há ainda a secretária municipal do Meio Ambiente (Seuma-FOR), Águeda Muniz, o chefe da Casa Civil do Ceará, Élcio Batista, da confiança de Camilo Santana, e, mais por fora de todos os possíveis postulantes, Cid Gomes (PDT).

O presidente estadual do PDT elogia todos os nomes, sublinhando que todos seriam bons candidatos. Mas, seguindo o argumento geral do grupo, lembra que a agenda para 2019 não é política, tampouco eleitoral, mas administrativa e de gestão. Ciro ganhar em sua terra, ele acrescenta, é uma das importância que favorecem as aspirações nacionais do pedetista, a de ser presidente da República. "Mas, principalmente, porque é a administração do prefeito Roberto Cláudio, questão de justiça", diz em elogio ao companheiro.

Diante da desconfiança de Cleyton Monte, a história recente socorre Figueiredo e todos os  aliados. Em 2012, o então presidente da Assembleia, Roberto Cláudio, foi  anunciando candidato só em 21/06/2012, com a eleição às portas. Figueiredo ainda argumenta ser março o período no qual abre-se a janela partidária, quando candidatos a vereador poderão migrar para o pedetismo, ocorrem novas filiações. Para ele, é quando o real cenário se esclarecerá.

Especialista espera Camilo neutro novamente

De acordo com a cienstista política e sociológa Paula Vieira, o governador Camilo Santana (PT) deverá caminhar para a mesma conduta adotada por ele em pleitos anteriores: distanciamento e neutralidade. "Em teoria, o Camilo não tem mais a perder, não tem que galgar nenhuma eleição (a curto prazo). Há ainda os acordos políticos que ele precisa costurar tanto (futuramente) com deputados e prefeitos", justifica a professora, que destava um outro fato importante: "ele não tem perfil de se posicionar." Hoje, o governador tem mais de 20 partidos alocados em sua base de apoio.

Outro ponto sobre o qual a estudiosa joga luz é na influência daqueles que, hoje, são os principais líderes políticos do País, Bolsonaro (sem partido) e Lula (PT). Por mais que tenha afirmado insistentemente que não pretende influir no processo eleitoral, as ideias e os comportamentos do atual presidente da República certamente estarão inseridos na eleição.

"Discurso já encontrou permeabilidade. Importante ressaltar o quanto esse bolsonarismo está ligado a uma ideia de um antissistema e antipolítica", ressalta. Resta ver quem será o principal intérprete das concepções, avalia a professora.

Se estiver livre e puder militar pelo país, Lula também será protagonista do mesmo fenômeno, mas ao seu modo e numa outra perspectiva. Também por isso, ela rechaça a ideia de o partido entrar para somente marcar presença. Outro ponto que inviabilizaria a tese é a cultura hegemônica do PT. 

Essa notícia foi relevante pra você?
Logo O POVO Mais