DOM

Equilíbrio fiscal abre portas para os investidores

Edição Impressa
Tipo Notícia
MAIA JÚNIOR diz que as condições para investidores estão criadas (Foto: MAURI MELO/O POVO)
Foto: MAURI MELO/O POVO MAIA JÚNIOR diz que as condições para investidores estão criadas

O Governo do Ceará foca no bom equilíbrio fiscal, infraestrutura e novas políticas de governança para continuar atraindo empresas para o Estado em 2020. "As condições para os investidores estão criadas. Nosso objetivo é que mais empresas se instalem aqui, coloquem seu dinheiro, gerem mais empregos", declarou o titular da Secretaria do Desenvolvimento Econômico e do Trabalho (Sedet),
Maia Júnior.

No balanço parcial de 2019, conforme dados do Governo do Estado, somente nos seis primeiros meses do ano passado, empresas de 107 países investiram US$ 4,44 bilhões. Dos 184 municípios cearenses, 109 receberam esses investimentos. Do total investido, US$ 1,7 bilhão foram destinados ao comércio, US$ 1,38 bilhão para a indústria. O setor de serviços recebeu investimentos na casa de US$ 50,7 bilhões, enquanto o imobiliário ficou com US$ 0,3 bilhão e o agronegócio com US$ 0,2 bilhão.

Para ele, esses números apenas foram possíveis porque o Ceará teve importantes avanços em áreas como educação e infraestrutura. "Temos oito universidades, 13 centros universitários, 34 campus do IFCE (Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará) e uma centena de faculdades particulares".

Na infraestrutura, os portos do Pecém e Mucuripe, a rede de aeroportos, a construção da Transnordestina, transposição das águas do rio São Francisco, investimentos na malha viária do Estado, além dos hubs aéreo e marítimo são apontados como bons atrativos. "O Ceará de hoje é bem diferente de 30 anos atrás. Todo esse desenvolvimento começou
com o primeiro governo
Tasso Jereissati".

Para os municípios, a expectativa em 2020 é de melhoria na economia. "A capacidade da economia dos municípios está muito aquém da registrada em anos anteriores, mas nossa esperança é que, com as medidas adotadas pelo Governo Federal, a situação melhore", afirma José Irineu de Carvalho, consultor econômico e financeiro da Associação dos Prefeitos do Ceará (Aprece).

Dentre os fatores que devem impulsionar este cenário estão os recursos do Leilão do Pré-Sal. "O dinheiro repassado é menor que o esperado, porque o leilão do pré-sal não teve o sucesso esperado, mas é uma verba bem-vinda". Ao todo, o Estado recebeu R$ 509 milhões, contanto Governo do Ceará e municípios.

Essa notícia foi relevante pra você?
Logo O POVO Mais