Economia

Quando vale a pena abrir uma conta digital

Bancos do Brasil, Itaú Unibanco, Original e Intermedium estimam que o total de contas correntes digitais deve chegar a 3,3 milhões até o fim deste ano. Apesar das vantagens consumidor precisa ficar atento para evitar prejuízo
Edição Impressa
Tipo Notícia

Opção para quem deseja usar o banco somente pela internet, a conta digital “sem cobrança de tarifas” precisa ser analisada pelo consumidor antes da contratação. Ela permite movimentação exclusiva por canais de autoatendimento, como internet banking, aplicativo e caixa eletrônico, sendo isenta de tarifas para transferências bancárias e consulta de extratos, além de também oferecer cartão de débito. Mas se canais telefônicos ou atendimento na agência forem utilizados a operação será cobrada como um serviço à parte.

[SAIBAMAIS]

Ao optar por uma conta digital, o consumidor precisa estar atento para irregularidades ou tentativas de venda casada. A economista chefe do SPCBrasil, Marcela Kawauti, diz que para as pessoas que já são conectadas, compram e fazem quase tudo via internet, essa alternativa é ótima. Mas o consumidor tem de saber que não vai poder conversar com o gerente como numa conta corrente comum sem cobranças. “O básico é de graça mas algumas operações são pagas. O bom é o cliente fazer um comparativo para ver se vale a pena trocar a conta corrente física pela digital e ver o que está pagando”, diz.


Outro cuidado adicional é com o uso da ferramenta. “Se a pessoa vai movimentar de um computador ou de um smartphone tem de ver se o equipamento é adequado, se tem as configurações necessárias para não enfrentar dificuldades para navegar”, avalia Marcela.


A maioria dos bancos ofereceu a conta 100% digital, mas depois houve descontinuidade para novos clientes. Em março de 2017 o Bradesco, que oferecia a Digiconta deixou de oferecer. O Itaú tinha o iConta, mas em abril desse ano foi descontinuada. O professor de finanças da PUC-Campinas, Eli Borochovicius, diz que o objetivo das contas digitais é apresentar os serviços básicos bancários aos clientes com redução de custos, dado que as operações são realizadas de forma eletrônica.


O Santander tem o SuperDigital, e o Bradesco lançou o Next. Os bancos Original e Inter também têm essa modalidade de conta. “Como a grande maioria das pessoas físicas acabam utilizando os serviços básicos do banco, que podem ser acessados por meio eletrônico, não faz sentido deixarem de usar esse serviço”, diz Boro.


Para aqueles que têm contas especiais, como Itaú Personalité, Bradesco Prime ou Santander Select, talvez não compense ter as contas digitais, pois pode contar com a ajuda de especialistas do mercado financeiro e geralmente já não pagam as tarifas bancárias.

 

Saiba mais


A conta digital permite saque, transferências TED e DOC e ver extratos e saltos ilimitadamente, etc, gratuitamente.


Para utilizá-la não pagar nada é necessário que todas as transações sejam: pela internet ou caixas eletrônicos.


Há fornecimento gratuito de dez folhas de cheque.


É recomendável acessar a conta de computadores ou celulares próprios e usar redes de Wi-Fi com senha.

 

Essa notícia foi relevante pra você?
Logo O POVO Mais