CIDADES

Vacinação para pessoas de 59 a 18 anos deve começar na próxima semana por ordem decrescente

| FORTALEZA | A meta, segundo o prefeito José Sarto, é finalizar a imunização de diversos grupos prioritários ainda nesta semana
Edição Impressa
Tipo Notícia Por
PREFEITO DE FORTALEZA, José Sarto, esteve na Praça do Ferreira e projetou início da vacinação de 59 a 18 anos para a próxima semana (Foto: Bárbara Moira)
Foto: Bárbara Moira PREFEITO DE FORTALEZA, José Sarto, esteve na Praça do Ferreira e projetou início da vacinação de 59 a 18 anos para a próxima semana

Pessoas entre 59 e 18 anos que não fazem parte dos grupos prioritários para a vacinação contra a Covid-19 podem começar a ser vacinadas na próxima semana em Fortaleza. A imunização será realizada por faixa etária e de forma decrescente. A meta foi informada à imprensa ontem, 31, pelo prefeito José Sarto (PDT), na Praça do Ferreira, no centro da Cidade.

De acordo com o gestor, a expectativa é terminar, ainda nesta semana, a imunização de pessoas com comorbidades, de trabalhadores da educação e da segurança pública, dos agentes aeroportuários e da população em situação de rua.

Centro de vacinação para pessoas em situação de rua na Praça do Ferreira
Centro de vacinação para pessoas em situação de rua na Praça do Ferreira (Foto: Barbara Moira/O Povo)

"Na semana que vem, se Deus permitir e com o trabalho dessa equipe, a gente vai começar a vacinar a população, evidentemente em uma ordem decrescente de idade. A gente tem a meta de, semana que vem, ter novas notícias, e boas, para a população de Fortaleza", complementou o prefeito.

Para esta terça-feira, 1º, está marcada uma reunião da Comissão Intergestores Bipartite do Estado do Ceará (CIB-CE) , entre gestores da Saúde do Estado e dos Municípios. Em pauta, segundo a titular da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), Ana Estela, está o seguimento da campanha de vacinação de Covid-19 e a definição dos critérios a serem adotados.

Leia também:

Na manhã de ontem, os Ministérios Públicos Estadual, Federal e do Trabalho expediram uma recomendação conjunta de que a vacinação desse público seja iniciada imediatamente. O documento foi destinado ao Estado do Ceará, à Secretaria da Saúde do Estado do Ceará (Sesa), ao Município de Fortaleza e à Secretaria da Saúde de Fortaleza (SMS).

"A partir da iniciativa extrajudicial, os representantes do poder público deverão adotar providências para que seja dado início, imediatamente, à vacinação das pessoas por idade de 59 anos e, em seguida, com idades inferiores (58, 57, 56) progressivamente, na medida da disponibilidade das vacinas, com prévia divulgação de calendário, conforme autorizado pela Comissão Intergestora Tripartite (CIT) e como já vem sendo feito em quase todas as captais do Nordeste", diz comunicado do Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE) enviado à imprensa.

A instituição argumenta que a Capital teria grande quantidade de vacinas de primeira dose guardadas e aponta a urgência de proteger as pessoas mais velhas. "As pessoas entre 50-65 anos têm 440 vezes maior chance de falecer do que o grupo controle, segundo o CDC (Centro de Controle e Prevenção de Doenças, agência norte americana)", afirma o promotor Eneas Romero de Vasconcelos, coordenador do Centro de Apoio Operacional de Defesa da Saúde (CAO).

"Vacinar imediatamente pessoas mais velhas como vem fazendo quase todas as capitais do Nordeste significa salvar mais vidas. Cada dia de demora significa um dia a menos de proteção de quem já poderia estar imunizado", continua.

Acesse a cobertura completa do Coronavírus >

De acordo com o comunicado, a SMS tem o prazo de cinco dias para informar a meta para profissionais de saúde e quantos profissionais de saúde já foram vacinados. Além disso, deve informar quais critérios foram adotados para a convocação desses profissionais, uma vez que "estariam sendo convocadas pessoas muito jovens e que não trabalhariam na assistência à saúde".

A recomendação é assinada pela procuradora de Justiça, Isabel Maria Salustiano Arruda Porto; pelos promotores de Justiça Lucy Antoneli da Rocha, Ana Cláudia Uchoa de Albuquerque Carneiro e Eneas Romero de Vasconcelos; pela procuradora-chefe do Ministério Público do Trabalho no Ceará (MPT-CE), Mariana Ferrer Carvalho Rolim; pelas procuradoras do Ministério Público do Trabalho (MPT) Geórgia Maria Vieira Aragão e Cristiane Vieira Nogueira; e pelos procuradores da República Alessander Wilckson Cabral Sales, Nilce Cunha Rodrigues, e Ricardo Magalhães de Mendonça. (Colaboraram Gabriel Borges e Júlia Duarte/Especial para O POVO)

 

Essa notícia foi relevante pra você?
Logo O POVO Mais