Logo O POVO Mais
Economia

Fábrica da Troller é negociada com quatro interessados, diz secretário

Outra marca cearense, a Fyber, deve começar produção de veículos no mês de agosto, em Paracuru
Edição Impressa
Tipo Notícia Por
Unidade deve ser vendida até o fim do ano pela Ford, que vai encerrar atividades no Brasil (Foto: Aurelio Alves)
Foto: Aurelio Alves Unidade deve ser vendida até o fim do ano pela Ford, que vai encerrar atividades no Brasil

A fábrica da Troller, no Ceará, já possui quatro compradores interessados, um deles em fase avançada de negociação com a Ford - detentora da unidade e da marca de automóveis 4x4 -, segundo revelou Maia Júnior, secretário do Desenvolvimento Econômico e Trabalho no Ceará, em entrevista à jornalista Neila Fontenele, na rádio O POVO/CBN. “Nós estamos acompanhando de perto, porque temos interesse da manutenção da fábrica e na preservação dos empregos lá em Horizonte”, enfatizou.

LEIA TAMBÉM | Venda da Troller no Ceará ainda espera por decisão da Ford

+ Saiba detalhes da fábrica provisória para o buggy Fyber, no Ceará

"Um comprador está em fase avançada, já com memorando de compra e venda. A Aeris saiu do páreo, mas outros três compradores também estão interessados. Temos um comprador, que é um industrial do interior de São Paulo e quer, assim como nós um projeto mais largo. Ele pensa em veículos elétricos e em diversificação do portfólio da marca, para além dos carros estilo jipe", afirmou o secretário à jornalista Neila Fontenele.

Em 13 anos, a Ford fez melhorias no projeto do Troller. Hoje, o jipe custa a partir de R$ 170 mil e teve 1,3 mil unidades vendidas em 2020.

Ele ressaltou que ainda no campo automotivo, a Fyber deve iniciar produção de novos buggies em Paracuru, a partir de agosto. Já a fábrica da Troller fica no município de Horizonte.

"Com Troller e Fyber voltando a fabricar, o Estado contaria com duas montadoras", destacou.

Datacenter e CD da Amazon no Ceará devem ser anunciados em breve

Ainda durante sua participação no programa Guia Econômico, Maia Júnior falou sobre as negociações para instalação de um centro de distribuição e um centro de dados (Datacenter) da Amazon, em Itaitinga. "O anúncio será feito em breve, mas ainda não podemos antecipar as dimensões do projeto por questões de confidencialidade, mas vai vir o core business da empresa", resumiu o titular da Secretaria do Desenvolvimento Econômico e Trabalho (Sedet-CE).

Ele lembrou que o processo de articulação para trazer a gigante norte-americana para o Ceará começou há três anos e que o contexto da pandemia dificulta a previsão de quando será concluído. "O governador deve ir em breve aos EUA tratar do assunto, mas precisa de uma autorização especial de entrada naquele país. Nós contamos com apoio diplomático para agilizar isso. É um arranjo institucional, vamos a convite da Amazon, mas, mesmo assim, há uma série de caminhos antes de se definir essa data", disse.

O secretário do Desenvolvimento Econômico e Trabalho do Ceará, destacou também os recentes investimentos em infraestrutura e logística no Estado, no sentido de implantar os hubs do comércio exterior, das energias renováveis, do hidrogênio verde e do gás. Sobre o caso do hub do comércio exterior, ele detalhou como será a participação da empresa paulista Comexport.

“É uma das maiores trades brasileiras, com plataforma de apoio às empresas que quiserem importar ou exportar, de acordo com suas necessidades. Ela já atua em portos de São Paulo, Espírito Santo e Pernambuco. Em seu bojo, ela traz uma montagem de uma estrutura para importação de veículos que vai permitir ao Ceará nacionalizar essa operação para o Nordeste”, explicou.

Por fim, Maia Júnior defendeu que “não haverá melhoria de competitividade sem inserção internacional". "Estamos indo, então, em cima de um dos principais gargalos da economia do Estado do Ceará”.

Essa notícia foi relevante pra você?
Recomendada para você

"