Economia

Passaporte da vacina deve funcionar por QR Code e acelerar flexibilização no Ceará

Tendência é que mecanismo passe a ser utilizado em eventos e permita ampliação da capacidade de público, nos moldes do que ocorre em São Paulo
Edição Impressa
Tipo Notícia Por
Evento na Federação das Indústrias do Estado do Ceará, no final de agosto, sobre novos investimentos para o setor industrial (Foto: Thais Mesquita)
Foto: Thais Mesquita Evento na Federação das Indústrias do Estado do Ceará, no final de agosto, sobre novos investimentos para o setor industrial

O Comitê Estadual de Enfrentamento à Pandemia estuda a implantação de um “passaporte da vacina” que dê acesso a eventos e, possivelmente serviços, como estratégia para acelerar a flexibilização das atividades econômicas no Ceará e, ao mesmo tempo, estimular quem ainda não se vacinou a buscar a imunização contra a Covid-19. A ferramenta deve funcionar por meio de um sistema de leitura de QR Code, que possibilite o acesso aos dados de vacinação do usuário no Conecte SUS.

Em reunião realizada ontem com a presença do governador Camilo Santana, do prefeito de Fortaleza Sarto Nogueira, de representantes da Assembleia Legislativa, do Tribunal de Justiça e do Ministério Público Estadual, além do Ministério Público Federal no Ceará (MPF-CE), especialistas em saúde debateram dados epidemiológicos, que seguem em queda em Fortaleza e em todo o Estado, bem como o avanço da vacinação. Cerca de 50% dos municípios já estão vacinando adolescentes entre 12 e 17 anos.

"Esperamos nas próximas reuniões do Comitê aprovar essa implementação, porque não podemos ter nenhum tipo de retrocesso no processo de retomada econômica e no combate à Covid-19", frisou Camilo. Presente no encontro, o procurador da República Alessander Sales defendeu que a ferramenta seja utilizada apenas em determinados contextos. “O Ministério Público Federal entende que o passaporte é uma boa iniciativa, desde que seja exigido em eventos em que você tenha um público considerável, com necessidade maior de controle e segurança, mas não em atividades corriqueiras como restaurantes e supermercados”, disse.

Por sua vez, o presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis no Ceará (ABIH-CE), Régis Medeiros, afirma que a proposta é um avanço em relação à ideia inicial, colocada em agosto, de se exigir comprovante de vacinação ou apresentação de teste negativo para Covid-19 de turistas que chegavam aos aeroportos do Estado. A medida acabou derrubada judicialmente. “Seria muito prejudicial para o nosso destino turístico. Agora, é bem interessante quando a gente fala de um passaporte para eventos, que possibilite o acesso a um maior número de pessoas, nos moldes do que está sendo feito em São Paulo”, exemplifica.

LEIA TAMBÉM | Ceará vai sediar Abav Expo, maior feira brasileira de turismo, em outubro

O passaporte da vacina adotado pela Secretaria Municipal de Saúde da capital paulista funciona por meio de um aplicativo que disponibiliza acesso ao comprovante de vacinação por um QR Code e é exigido em eventos com público superior a 500 pessoas. O estado de Pernambuco também está em fase de implantação de sistema semelhante. O modelo a ser adotado no Ceará deve seguir os mesmos moldes e já visa dois grandes eventos previstos para o mês de outubro no Centro de Eventos.

Por fim, a presidente do Sindicato das Empresas Organizadoras de Eventos e Afins no Estado do Ceará (Sindieventos-CE), Circe Jane Teles da Ponte, afirmou que “a ferramenta será bem-vinda, desde que não represente a criação de mais burocracia. A gente precisa, sim, ter segurança contra a Covid-19 na realização de eventos, mas de forma que essa comprovação de vacinação seja viável e prática”.

Hotéis e buffets estão otimistas com a possibilidade de voltar a realizar eventos privados de Réveillon de grande porte
Hotéis e buffets estão otimistas com a possibilidade de voltar a realizar eventos privados de Réveillon de grande porte

Fortaleza está entre as cidades brasileiras que estudam fazer Réveillon

Com o avanço da vacinação, Fortaleza, Rio de Janeiro, Salvador, Gramado, Canela e São Paulo estão entres as 11 cidades que estudam festas de Réveillon 2021/2022. O balanço das cidades brasileiras a planejar Réveillon é do Ministério do Turismo.

Em Fortaleza, a Secretaria Municipal de Cultura já entregou à Prefeitura planejamento para a realização da festa, com a utilização de alguns mecanismos para o controle da movimentação, como o uso de pulseiras com QR Code.

Rio de Janeiro (RJ) e Salvador (BA), por exemplo, planejam celebrações com shows e queimas de fogos. Na capital carioca, o governo local anunciou a montagem de 13 palcos em Copacabana, um dos principais cartões-postais do Brasil.

Na capital baiana, a prefeitura da cidade tem a expectativa de realizar cinco dias de festas, começando no dia 29 de dezembro e finalizando em 2 de janeiro de 2022, com atrações já definidas.

Ainda no Nordeste, Tibau do Sul (RN) e São Miguel do Gostoso (RN) já agendaram suas comemorações. O primeiro contará com cinco dias de duração na Praia de Pipa e o segundo terá oito dias com diversas atrações. De acordo com as autoridades sanitárias dos dois municípios, os eventos podem acontecer desde que cumpram as medidas preventivas.

No Sul, Gramado (RS) e Canela (RS) também contam com celebrações, como o Natal Luz, que neste ano acontecerá entre os dias 28 de outubro e 30 de janeiro de 2022, e o Réveillon Vida Nova. A Prefeitura de Balneário Camboriú (SC) também confirmou festejos.

De acordo com o prefeito, a virada para o ano de 2022 contará com queima de fogos e será realizada cumprindo todas os protocolos sanitários necessários.

Outras três cidades do Sudeste brasileiro estudam ainda a possibilidade de a festa acontecer. Em São Paulo (SP), a prefeitura anunciou, no início de julho, a intenção de realizar a celebração. No Espírito Santo, Vila Velha e Serra elaboram planos para a realização da virada do ano.

De acordo com o ministro do Turismo, Gilson Machado Neto, a expectativa do setor para a virada do ano é alta, e será um dos maiores impulsionadores da retomada no País.

“Os números já mostram que os brasileiros estão se sentindo mais seguros para voltar a viajar. O aumento substancial no número de brasileiros vacinados reflete na confiança para a realização de grandes eventos como esse, impulsionando ainda mais o nosso setor e, consequentemente, a economia, gerando emprego e renda para a nossa população”, disse.

Essa notícia foi relevante pra você?
Logo O POVO Mais