Esportes

Wellington Paulista volta, faz dois gols e Fortaleza bate CRB na ida Copa do Brasil

Com a vitória na primeira partida, Tricolor joga por um empate no jogo de volta, em Maceió, na próxima quarta-feira
Edição Impressa
Tipo Notícia Por
Após bater o Palmeiras no Allianz, o Fortaleza se tornou o melhor mandante da Série A (Foto: FABIO LIMA/O POVO)
Foto: FABIO LIMA/O POVO Após bater o Palmeiras no Allianz, o Fortaleza se tornou o melhor mandante da Série A

Ao virar o jogo contra o CRB-AL, ontem à tarde, no Castelão, o Fortaleza se aproximou da fase quartas de final da Copa do Brasil. Com o placar de 2 a 1 no primeiro jogo, o Leão só precisa de um empate no estádio Rei Pelé, em Maceió (AL), na próxima quarta-feira, 4, para carimbar a classificação e receber a cota de quase R$ 3,5 milhões.

Apesar do bom resultado e do volume de jogo apresentado — a diferença nas principais estatísticas da partida são altas —, o Tricolor correu riscos e, se não fosse a tecnologia do árbitro de vídeo (VAR), que só passou a ser utilizada nesta fase da Copa do Brasil, poderia ter saído de campo apenas com um empate.

Por outro lado, mesmo com o auxílio do VAR, o árbitro Paulo Roberto Alves Júnior não deu a penalidade de Reginaldo sobre David, logo aos 11 minutos de partida. O lateral do time alagoano chegou atrasado para disputar uma bola com o atacante do Leão na grande área e o acertou na panturrilha direita. As imagens eram claras, mas não modificaram a decisão tomada no campo.

Durante todo o restante do primeiro tempo, o Fortaleza rondou a área do time Regatiano, mas não criava chances tão claras. Quando conseguia concluir, faltava pontaria. David chegou junto a Reginaldo para desviar uma bola cruzada por Pikachu e o defensor afastou antes. E Éderson tentou um chute colocado, mas mandou a bola alta demais.

Já aos 40 minutos, o zagueiro Gum cobrou uma falta um pouco à frente da linha do meio de campo. Ele notou que Careca estava nas costas de dois zagueiros do Fortaleza e lançou pelo alto. O atacante partiu para a grande área e lá dentro finalizou de primeira, acertando o canto esquerdo de Marcelo Boeck. A arbitragem de campo anulou, mas o VAR avisou que Tinga, do outro lado, oferecia condição de jogo.

Atrás no placar, o Fortaleza teria de voltar para o segundo tempo ainda mais agressivo. E assim o fez.

No primeiro ataque, Romarinho pegou uma sobra de bola no começo da área e bateu alto, mas Diogo Silva voou e defendeu. Logo depois, numa boa troca de passes entre Felipe, Robson, Romarinho e David, o último bateu rasteiro e o goleiro do CRB, bem colocado, segurou. Teve ainda uma cobrança de falta de Crispim que o camisa 12 espalmou.

No meio dessa pressão toda, o Tricolor escapou de tomar o segundo gol. Em um contra-ataque rápido, Careca partiu com a bola pela esquerda, seguido de perto por dois jogadores do Fortaleza. Quando chegou à grande área, ele rolou de lado para Diego Torres, livre de marcação e com uma parte do gol escancarada. O meia chutou por cima da meta.

Essa foi, porém, a única boa chance do alvirrubro no segundo tempo. As demais finalizações foram praticamente todas do Fortaleza. Segundo o Footstats, site de estatísticas esportivas, somente na etapa final foram 18 finalizações do Leão, contra 2 do CRB. O problema é que a maioria delas foi para fora.

Se faltava qualidade nas conclusões, o técnico Juan Pablo Vojvoda colocou Wellington Paulista aos 20 minutos, junto a Matheus Vargas. O centroavante estava há mais de um mês sem jogar e voltou em alto estilo. Na primeira bola que recebeu na grande área, Gum aproximou-se para marcar e deu um toque por trás, aos 24. O árbitro sinalizou pênalti e o camisa 9 cobrou alto, do lado direito, sem chance para Diogo Silva.

Pouco tempo depois, aos 29, bola foi levantada para a grande área do CRB e o centroavante disputou. A defesa afastou parcialmente e Pikachu pegou a sobra da entrada da área, mas a bola subiu demais. Imediatamente, porém, o ala reclamou de um toque de mão do jogador Wesley, que acabara de entrar. No monitor, o árbitro confirmou o desvio irregular dentro da grande área e apontou a marca de cal.

Wellington Paulista foi para a bola novamente e escolheu o canto esquerdo, rasteiro. Dois gols, duas selfies. O placar só não foi mais elástico porque o goleiro do CRB defendeu com o pé um chute de Robson, aos 35, no canto inferior direito.

Foi o 20º jogo do Fortaleza no Castelão sem derrota, incluindo partidas em que ele atuou na praça esportiva como visitante.

Fortaleza
3-5-2: Marcelo Boeck; Tinga, Jackson, Titi; Pikachu, Felipe (Jussa) Éderson (W. Paulista), L. Crispim, Romarinho (M Vargas); Robson (Igor Torres), David (Osvaldo). Téc: Vojvoda

CRB
4-2-3-1: Diogo Silva; Reginaldo, Gum, Caetano, Guilherme Romão; Marthã, Jean Patrick (Wesley); Erick (Jajá), Bressan (Calysson), Diego Torres (Ewandro); Careca (Alan James). Téc: Alan Aal

Local: Castelão, em Fortaleza-CE
Data: 29/7/2021
Horário: 16h30min
Árbitro: Paulo Roberto Alves Junior-PR
Assistentes: Rafael Trombeta-PR e Victor Hugo dos Santos-PR
VAR: Adriano Milczvski
Cartões Amarelos: Jackson, Titi, Pikachu, Torres (FOR) Wesley (CRB)
Renda e público: não houve, devido a pandemia do novo coronavírus
Gols: 40min/1T - Careca; 26min/2T - Wellington Paulista; 32min/2T - Wellington Paulista

Made with Flourish
Essa notícia foi relevante pra você?
Logo O POVO Mais