Esportes

Após sucesso olímpico, Rebeca Andrade busca medalha no mundial

Das grandes potências da modalidade, somente o Japão por competir em casa terá alguns medalhistas olímpicos
Edição Impressa
Tipo Notícia Por
Ouro conquistado pela ginasta Rebeca Andrade ajudou o Brasil a subir na classificação do quadro de medalhas, (Foto: Loic VENANCE / AFP)
Foto: Loic VENANCE / AFP Ouro conquistado pela ginasta Rebeca Andrade ajudou o Brasil a subir na classificação do quadro de medalhas,

Começa na noite desta segunda-feira, 18/10, o mundial de ginástica artística. O evento é realizado anualmente. Em anos olímpicos não costuma ocorrer, mas devido a pandemia de Covid-19 ter cancelado a disputa em 2020, ele volta agora no fim de 2021. O local será Kitakyushu, no Japão, e reunirá somente disputas individuais. O Brasil contará com 3 atletas: Rebeca Andrade, Caio Souza e Arthur Nory.

A grande expectativa é pela atuação de Rebeca Andrade. Após sofrer toda a carreira com contusões, mas brilhar na Olimpíada de Tóquio com o ouro no salto e a prata no individual geral, ela tentará pela 1º vez uma medalha em campeonatos mundiais.

Das grandes potências da modalidade, somente o Japão por competir em casa terá alguns medalhistas olímpicos. Estados Unidos, Rússia, China e até países como Itália, Suíça e Canadá, decidiram aproveitar este mundial para testar novas atletas. A maior estrela da modalidade, a americana Simone Biles, não participará. Além de Rebeca, serão 4 campeões olímpicos no mundial: o japonês Daiki Hashimoto, as russas Angelina Melnikova e Vladislava Urazova e o sul-coreano Shin Jeahwan.

Após a Olimpíada, Rebeca competiu no campeonato brasileiro. Foi campeã no individual geral, mas não disputou as finais por aparelhos. Agora no mundial, não vai participar da prova de solo, para não correr o risco de lesão. Com isso ficará fora da disputa do individual geral. Deve brigar por medalhas nos outros 3 aparelhos: salto, trave e assimétricas. Na prova de salto por exemplo, Rebeca entra como principal favorita. Das finalistas em Tóquio nessa prova, somente a russa Angelina Melnikova, 5º colocada, consta como inscrita.

Arthur Nory vai buscar o bicampeonato mundial da barra fixa. Campeão em 2019 quando surpreendeu o planeta, não conseguiu repetir o desempenho no aparelho na Olimpíada. Mas a tarefa do bi será mais complicada do que a de Rebeca. Nory terá como principal rival o japonês atual campeão olímpico Daiki Hashimoto.

Já Caio Souza vem evoluindo a cada ano. Nos mundiais 2018 e 2019 foi 13º no individual geral. Nos Jogos Pan-americanos de Lima 2019 foi o melhor ginasta e na Olimpíada deste ano 17º no individual e 8º no salto. Pode brigar por medalha no salto, prova que terá o sul-coreano atual campeão olímpico Shin Jean-hwa e o armênio medalhista de bronze Artur Davtyan.

Todos os atletas disputam na segunda e terça a fase de classificação. Os 8 melhores em cada aparelho e os 24 melhores no individual, vão para as disputas de medalhas.

 

Essa notícia foi relevante pra você?
Logo O POVO Mais