Farol

Os lentos passos do Brasil para a vacinação

Edição Impressa
Tipo Notícia Por
Vacinação começa no Brasil em 20 de janeiro, segundo Ministério da Saúde (Foto: JOEL SAGET / AFP)
Foto: JOEL SAGET / AFP Vacinação começa no Brasil em 20 de janeiro, segundo Ministério da Saúde

Covid-19 O mundo todo segue à espera do sucesso de uma vacina contra o novo coronavírus. Mesmo com o imunizante da Pfizer/BioNTech já com data para ser aplicado na Inglaterra - início nesta semana -, existem várias questões em aberto quanto a um movimento em massa de vacinação. Que países vão conseguir comprar as vacinas? Quanto tempo os laboratórios ainda precisam para ter uma produção capaz de atender a todos os pedidos? Com processos de testes tão pressionados pela necessidade urgente de salvar vidas, poderia ainda uma dessas vacinas apresentar reações adversas?

No Brasil, ainda olhamos para o início de uma imunização em massa com distanciamento. Mesmo com o Ministério da Saúde tendo anunciado um plano preliminar de vacinação para a Covid-19 na semana passada, não existe data para começar a vacinar, apenas uma sinalização para quais serão os públicos prioritários. Na primeira fase, seriam trabalhadores da saúde, comunidades indígenas e população com mais de 75 anos. Na segunda fase, aqueles com idades entre 60 a 74 anos. Na terceira, pessoas com comorbidades, e, na quarta, professores, forças de segurança e salvamento, e sistema prisional.

O que teria que vir antes desse Plano Nacional de Imunizações (PNI) - ainda completamente passível de mudanças - são o licenciamento dos imunizantes no Brasil, seguimos sem vacina registrada na Anvisa, e compras efetivas de doses junto a mais laboratórios. A Pfizer chegou mesmo a dar um ultimato ao Ministério da Saúde e o Estado de São Paulo a lançar críticas ao governo federal por ainda não acordar a compra de doses junto ao Instituto Butantã, que produzirá a Coronavac, da chinesa Sinovac.

Conselhos de secretarias de saúde de estados e municípios também contestaram ontem o fato de não existir uma coordenação nacional para todo o processo necessário para fazer acontecer a imunização geral dos mais de 212 milhões de brasileiros. A tarefa de vacinar o mundo e o Brasil requer grandes esforços e responsabilidade. O quanto ainda vamos esperar?

Essa notícia foi relevante pra você?
Logo O POVO Mais