Opinião

BNB, rumo aos 70 anos

Edição Impressa
Tipo Notícia Por
Romildo Rolim
Presidente do Banco do Nordeste do Brasil (BNB)
 (Foto: Divulgação)
Foto: Divulgação Romildo Rolim Presidente do Banco do Nordeste do Brasil (BNB)

Refletir sobre os 69 anos do Banco do Nordeste, criado em 19 de julho de 1952, remete ao papel da Instituição como o banco de desenvolvimento da Região e agente do Governo Federal na operação de políticas públicas capazes de minimizar as desigualdades regionais. Neste sentido, destacam-se os impactos da ação da empresa na economia do País e da Região, assim como no bem-estar das famílias nordestinas. Exemplo é a estimativa de geração ou manutenção de 1,4 milhão de empregos nos nove estados da Região e no norte de Minas Gerais e do Espírito Santo, como resultado da aplicação, em 2020, de R$ 25,8 bilhões em recursos oriundos do Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE), seu principal funding.

Por meio do Fundo, já foram investidos, ao longo de 32 anos, aproximadamente R$ 349 bilhões na economia regional.

O Banco do Nordeste cumpre seu dever de casa ao liderar o financiamento a microempreendedores por meio do Crediamigo. Na posição do último dia 30 de junho, o maior programa de microfinança urbana da América do Sul tinha 2,41 milhões de clientes ativos para uma carteira de R$ 7,57 bilhões. O BNB lidera também o crédito rural em sua área de atuação, com participação de, em média, 55% de todos os financiamentos rurais, apesar de contar somente com 8% da rede bancária, além de conferir atenção especial ao Semiárido, área prioritária nas aplicações do Banco.

Ciente de seu papel, o Banco do Nordeste inova, ainda, com ações como o Programa de Desenvolvimento Territorial (Prodeter), voltado para fortalecer cadeias produtivas; e com a atuação do Hub de Inovação, o primeiro de uma instituição financeira no âmbito da administração pública federal.

O Banco do Nordeste está integrado a programas importantes do Governo Federal, como o Plano Safra, que fomenta políticas sustentáveis no agronegócio; e o AgroNordeste, que impulsiona o desenvolvimento social sustentável no meio rural. São realizações alicerçadas na ética, na integridade, no compliance e na promoção de valores de Environmental, Social and Governance (ESG) que guiam o Banco do Nordeste na caminhada para se tornar uma instituição septuagenária, respeitada pelos nordestinos e fortalecida por seus parceiros. n

Essa notícia foi relevante pra você?
Logo O POVO Mais