Opinião

J. Lucas Junior: Maria Tomásia, a Libertadora

Edição Impressa
Tipo Notícia Por

A devastação da seca e das pestes, como a varíola, nos idos de 1877 a 1879, mais prolongado em algumas vilas e povoados, concretizou o surgimento da sociedade Perseverança e Povir, à frente os irmãos João e Isaac do Amaral, com seus parceiros, jovens corajosos da classe média cearense, a lutar pela libertação dos escravos.

Passo triunfal para a organização e criação, em 1880, da Sociedade Cearense Libertadora, reforçada por João Cordeiro, Antônio Bezerra, totalizando "doze apóstolos".

Ao mesmo tempo, lembramos a corrente paralela que brigou pela liberdade dos nossos negros e esteve presente a muitos atos dessa causa no interior: a Sociedade das Cearenses Libertadoras, fundada por Maria Tomásia do Livramento.

Para ela discursou José do Patrocínio durante a sua fundação na chácara dos Amaral, no Benfica: "É preciso fazer da fraqueza da mulher o mais forte de todos os poderes; a evangelização pelo encanto, a libertação pela magia da sua graça, uma sociedade abolicionista distintas filhas do Ceará, das dignas irmãs de Iracema".

Esse grupo, que contava com outra brilhante oradora, professora Elvira Pinho, manteve um trabalho social que não apenas prestava apoio material como endossava a luta audaciosa de então, por conta da sua ilegalidade, usando-se do expediente sequestro para evitar a embarcação de escravos.

Oriunda da aristocracia sobralense, Maria Tomazia (1826 - 1902), como assim se escrevia, pertencia aos Figueira de Melo, por parte de mãe, e aos Linhares por parte de pai. Casou-se, em 1840, com o coronel Rufino Furtado de Mendonça (sobrinho de Padre Mororó), com quem teve sete filhos.

Viúva em 1857, novo matrimônio, dessa vez com Francisco de Paula de Oliveira Lima, seu parceiro também no movimento abolicionista.

Com ele abraçou a causa até o desfecho de 25 de março de 1884, nossa Data Magna, na qual o Ceará se destacou como a primeira província a libertar seus escravos.

Desse modo, a contribuição de Maria Tomásia, a Libertadora, falecida num dia como hoje, 22 de julho. n

 

Foto do Articulista

J. Lucas Junior

Articulista
Essa notícia foi relevante pra você?
Logo O POVO Mais