Opinião

Márcia Oliveira: Novos tempos na Monsenhor Tabosa

Edição Impressa
Tipo Notícia Por
Márcia Oliveira, presidente da Almont (Foto: DIVULGAÇÃO)
Foto: DIVULGAÇÃO Márcia Oliveira, presidente da Almont

A Avenida Monsenhor Tabosa faz parte da história de Fortaleza. Não só pelo comércio, mas pela cultura da moda autoral e dos produtos típicos do Ceará. Enfrentamos crises mesmo antes das crises, como esta agora da pandemia da covid-19, no entanto, nossa memória afetiva ainda é muito forte.

Hoje estamos em processo de transformação do nosso comércio e, aos poucos, trazendo novos modelos de negócios, especialmente no setor de serviços e de alimentação, como restaurantes, cafés e um supermercado.

Ao mesmo tempo, estamos retomando a força dos estabelecimentos e atividades que atraíram clientes de todo o País para o maior corredor comercial a céu aberto da América Latina. A instalação de fábrica de confecções, a produção própria, sempre foi nosso diferencial e está ganhando um novo impulso nos últimos meses.

Em meio a tantas mudanças e desafios enfrentados, temos recebido apoios como da Bratt Consultoria e juntos elaboramos um novo conceito para a avenida, sem necessidade de vultosos recursos ou intervenções, mas que significará um futuro promissor e atrativo.

É importante destacar que qualquer nova obra na avenida não pode impactar no movimento das lojas com bloqueios ou interrupções no trânsito que tanto afetaram os comerciantes na última intervenção feita. Foram meses de obras que se arrastaram pelo Natal e período de férias, desencadeando uma onda de fechamentos de lojas e afastou os clientes.

A nova Avenida Monsenhor Tabosa ganharia uma coberta simples e funcional com placas de energia solar, além de um modelo de administração de condomínios para nosso espaço comercial. A parte da iniciativa privada está definida e aprovada, falta agora um apoio da Prefeitura de Fortaleza para autorização e para a execução do projeto.

A coberta seria uma solução para um dos principais pontos de melhoria apresentados pelos nossos clientes. Eles relatam que, durante o dia, falta sombreamento, o que dificulta o passear pelas vitrines das lojas. Já com o modelo condominial, vamos reforçar demandas de manutenção e segurança, uma vez que acreditamos na ocupação do espaço à noite com a chegada de bares e restaurantes, trazendo público novo e uma nova vida à Monsenhor Tabosa. n

 

Essa notícia foi relevante pra você?
Logo O POVO Mais