Logo O POVO Mais
Opinião

Enem

Edição Impressa
Tipo Notícia Por
Tales de Sá Cavalcante
Reitor do FB UNI e Dir. Superintendente da Org. Educ. Farias Brito
 (Foto: Acervo pessoal)
Foto: Acervo pessoal Tales de Sá Cavalcante Reitor do FB UNI e Dir. Superintendente da Org. Educ. Farias Brito

A polêmica era sobre questões do Enem com ideologia à esquerda ou à direita e se deveriam suprimir assuntos como gênero, escravidão ou preservação da Amazônia. É impossível o Exame não conter o que houve em nossa História, até porque se um objeto do conhecimento é relacionado deve ser exigido. O condenável é a resposta admitida como correta ser desvirtuada por ideologia de uma ou outra corrente.

Imagine-se sentado, sob tensão, durante 5h e 30min e ainda ser obrigado a ler tantos textos cujo número de dígitos não é apenas 2.100 caracteres, o tamanho deste escrito, mas 111.304, o equivalente a 53 artigos como este. Seriam umas 2 horas de leitura, sem contar o tempo de interpretação. Depois, acresça 3 horas e meia para analisar, interpretar e escolher qual a opção correta em 90 questões e preencher o cartão-resposta. Após ler as instruções, você irá analisar, interpretar, decidir e escrever sobre o tema proposto, numa redação de 8 a 30 linhas. A maratona, em vez de avaliar apenas competências e habilidades da Matriz de Referência do Enem, avalia também velocidade na resolução de itens.

A 2ª prova, no dia 28, domingo, não terá Redação, mas novamente pesará a velocidade de resolução de outros 90 quesitos, a serem vencidos em 5 horas, isto é, 3 minutos e 20 segundos para cada pergunta. Preocuparam-se demais com os ingredientes e esqueceram tamanho e qualidade do bolo. Outra falha do Enem é a pré-testagem dos itens, realizada obrigatoriamente com bastante antecedência, a preservar o sigilo, o que impede uma questão de Atualidades, por mais vultoso que seja o tema.

A nova lei do Ensino Médio quase que obriga duas etapas no Enem. Sugiro para a 1ª fase um provão sobre Formação Geral Básica, elaborado pelo Inep, nos moldes do 1º Enem, em 1998, com 63 testes. A 2ª etapa, com regionalismos, seria discursiva, em função da área pretendida pelo candidato, ligada aos itinerários já cursados por força da nova lei. A logística das duas provas, a elaboração e a correção da 2ª fase ficariam sob a responsabilidade das universidades federais em suas regiões. Assim, teríamos uma melhor avaliação, maior eficiência e menor custo. n

Essa notícia foi relevante pra você?
Recomendada para você

"