Politica

"Os fins não justificam os meios", diz Tabata Amaral sobre conversas de Moro

Em conversa com O POVO, Tabata Amaral também descarta disputar a Prefeitura de São Paulo em 2020
Edição Impressa
Tipo Notícia Por
A DEPUTADA esteve na última semana em Fortaleza e Sobral participando de eventos sobre educação (Foto: Tatiana Fortes)
Foto: Tatiana Fortes A DEPUTADA esteve na última semana em Fortaleza e Sobral participando de eventos sobre educação

Deputada federal pelo PDT, Tabata Amaral avalia que a Operação Lava Jato exerceu papel crucial no combate à corrupção no País, levando à cadeia gente como Eduardo Cunha, ex-presidente da Câmara dos Deputados. Mas, segundo a parlamentar, "os fins não justificam os meios".

De passagem por Fortaleza na última sexta-feira, 14, quando participou de evento no Centro Universitário Estácio, a parlamentar falou com exclusividade ao O POVO. Na entrevista, Tabata afirmou defender a investigação após o The Intercept Brasil revelar diálogos entre o ex-juiz Sergio Moro e o coordenador da Lava Jato, Deltan Dallagnol.

"Se houve irregularidade no processo, e acredito que esse conluio de MPF (Ministério Público Federal) com quem está julgando é uma irregularidade e não pode acontecer, tem que ser julgado, tem que ser investigado", declarou a pedetista.

Eleita com 264 mil votos, Tabata também descartou candidatar-se à Prefeitura de São Paulo ano que vem. "Estou com um grupo já bem grande de 'mentoria' e formação (de futuras candidatas). Acho que já é muita campanha pra fazer, não preciso de mais uma, não", concluiu.

O POVO - O relatório da Previdência foi lido na quinta-feira, 13. Alguns pontos mais controversos foram excluídos. Dentro do PDT, a senhora já se mostrou favorável à proposta. Como avalia o projeto?

Tabata Amaral - Falando primeiro sobre o PDT, é importante lembrar que foi o único partido que, nas eleições passadas, apresentou uma proposta de reforma para a Previdência. Eu me sinto muito confortável dentro do PDT para dizer que precisamos, sim, de uma reforma, porque a gente não pode mais ser irresponsável com o País. A gente não pode jogar pra baixo do tapete o problema. Mas, ao mesmo tempo, a proposta do Bolsonaro veio com coisas muito graves, especialmente na área social. Então, a nossa postura é fazer uma oposição que é consciente, é propositiva, tanto que a gente apresentou uma emenda de bancada (à PEC da Previdência), e continuar trabalhando. Olhando para o relatório, tivemos algumas conquistas. Quando a gente fala do tempo de contribuição, quando a gente fala do BPC, mas ainda tem muita coisa que precisa mudar. Um exemplo é a aposentadoria dos professores. Estou olhando para isso como um processo contínuo. A gente apresentou diversas emendas, algumas foram acolhidas. Vimos um avanço, mas ainda é muito pouco. Só que a gente tem tempo ainda. Isso vai ser discutido na comissão especial. O nosso líder, o André Figueiredo, está lá representando o PDT. Depois é que vai para o plenário. Está muito longe de acabar ainda.

OP - Como avalia o quadro da educação no governo Bolsonaro?

Tabata - Quando a gente fala da administração do Vélez (Ricardo Vélez, ex-ministro da Educação), eu vejo uma grande confusão. Foi um período de muitas polêmicas, de muitos desmandos em que se falou de muita fumaça e nada aconteceu de fato. Isso já era muito preocupante. E aí a gente tem a vinda do ministro Weintraub (Abraham Weintraub, sucessor de Vélez), que, pra mim, piorou ainda mais a situação, que eu acreditava que não era possível. Porque o ministro está num combate ideológico, está numa missão messiânica. De acordo com ele, para combater coisas que, para quem conhece a escola pública, são tão pouco relevantes. A minha preocupação é que, nesse combate ao marxismo cultural ou combate ideológico, como ele chama, você tratora o que tem de mais sólido na educação. Você prejudica o Enem, prejudica as provas avaliadoras, deixa engavetada a formação dos professores, atrasa o Fundeb. Essa é um pouco da minha preocupação hoje. É o quanto essa irracionalidade que está prevalecendo no Ministério da Educação está impactando no que a gente tem de mais sólido. E se a gente não for ativo no Congresso e não começar a cobrar, a gente corre o risco de chegar ao final do ano com quase nada. A educação é uma das áreas que mais precisam de atenção no País. A gente não dá conta de perder o ano. Não sei se a gente melhorou com a mudança de ministros. Acho que não.

OP - Como a senhora avalia a situação do ministro Sergio Moro depois das reportagens do "The Intercept Brasil"? Acha que seria o caso de ele já ter pedido afastamento?

Tabata - Essa é uma situação bastante complexa porque a gente acaba misturando muitas coisas. A Lava Jato, na minha opinião, fez uma contribuição muito importante para o País. Ela mostrou um grande esquema de corrupção e colocou em xeque a relação do setor privado com o setor público, que, no Brasil, era muito promíscua. Então, poxa, acho que teve muita gente, como Eduardo Cunha, que foi pra prisão. A gente não pode jogar o balde com a criança e a água. A Lava Jato teve muitos méritos, e essa é uma coisa. Não podemos retroceder no combate à corrupção. Mas, ao mesmo tempo, os fins não justificam os meios. Pra mim, pelo menos. Se houve irregularidade no processo, e acredito que esse conluio de MPF (Ministério Público Federal) com quem está julgando é uma irregularidade e não pode acontecer, tem que ser julgado, tem que ser investigado. Minha postura, neste momento, é de aguardar, porque a gente sabe que virão mais informações do "The Intercept". Estamos vendo apenas um pouquinho do que aconteceu. Vamos aguardar, cobrar um julgamento, e aí, sim, pedir que o ministro se afaste especialmente quando esse julgamento começar. O cuidado que vou sempre tomar é: vamos investigar, vamos punir os culpados, mas não vamos criminalizar a Lava Jato, não vamos jogar a conquista que foi feita no lixo. Porque serve a muita gente que isso aconteça. Neste momento de país tão polarizado, uma posição que não seja oito nem oitenta não agrada muito, mas esse é o meu papel, que falar: olha, parece que teve irregularidade. Tem que investigar, tem que punir, tem que afastar, mas não vamos jogar tudo fora porque teve coisas boas também.

OP - A senhora tem planos para 2020?

Tabata - Tenho: de apoiar muitas mulheres a se candidatarem — não eu, neste momento — para serem vereadores e prefeitas. A gente lá no PDT de São Paulo está com um sonho: 50% da lista (de candidatos) será feita por mulheres, pela primeira vez na história. Então minha meta para 2020 é apoiar muitas mulheres Brasil afora. Estou com um grupo já bem grande de mentoria e formação. Acho que já é muita campanha pra fazer, não preciso de mais uma, não.

no ceará

Tabata Amaral participou na manhã da última sexta-feira, 14, de um debate no Centro Universitário Estácio. À tarde, a parlamentar esteve no Cuca Mondubim. No sábado, ela foi a Sobral conhecer uma escola de tempo integral e participar uma aula inaugural para o Enem

EDUCAÇÃO

Vice-líder do PDT na Câmara, a deputada viu sua atividade parlamentar ganhar notoriedade após críticas contundentes ao então ministro da Educação Ricardo Vélez Rodriguez em sessão na Comissão de Educação

Essa notícia foi relevante pra você?
Logo O POVO Mais