Politica

Cid Gomes diz não haver outra saída que não seja o lockdown

Edição Impressa
Tipo Notícia
FORTALEZA, CE, BRASIL, 29.11.2020: Cid Gomes, senador. Segundo turno das eleições municipais.  (Fotos: Fabio Lima/O POVO) (Foto: FÁBIO LIMA/O POVO)
Foto: FÁBIO LIMA/O POVO FORTALEZA, CE, BRASIL, 29.11.2020: Cid Gomes, senador. Segundo turno das eleições municipais. (Fotos: Fabio Lima/O POVO)

O senador Cid Gomes (PDT) defendeu o aliado Camilo Santana (PT) e a determinação do governador petista de que todo o Estado atravesse dias sob regime de lockdown. Para o ex-governador, "não há outra saída" que não seja por meio da medida. "(...) a solução é o isolamento social rígido", disse ele, por meio de uma rede social.

O argumento de Cid é de que a prática está em linha com acertos internacionais vistos em países como Portugal, Alemanha e Nova Zelândia.

"Respeitar essas medidas", segundo disse, "pode representar a diferença entre a vida e a morte."

Na sequência, o pedetista aproveitou para "bater" na condução da crise a nível nacional, capitaneada pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e pelo ministro Eduardo Pazuello. Segundo Cid Gomes, a segunda onda da pandemia está arrasando o País. A prioridade então, para ele, deveria ser a vacinação, mas, "por irresponsabilidade de Bolsonaro, está chegando a conta-gotas."

A gestão de Bolsonaro reorientou o discurso marcadamente negacionista desde o início da crise, apregoando agora que a "arma é vacina", como escreveu Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) numa rede social.

A mudança, também com direito a uso de máscaras, veio logo após o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), em tom de denúncia, afirmar que o fracasso brasileiro no controle da crise se deve ao comportamento do presidente, que já chegou até mesmo a levantar discurso contra máscaras.

Para o pedetista cearense, Jair Bolsonaro é "essencialmente um covarde". Outro representante cearense no Senado Federal, Tasso Jereissati (PSDB) não havia emitido opinião sobre a medida até o fechamento desta página. O tucano tem sido crítico a Bolsonaro. (Carlos Holanda)

 

Essa notícia foi relevante pra você?
Logo O POVO Mais