Logo O POVO Mais
Politica

Influenciadores bolsonaristas entram na disputa por eleitor jovem

Em reação à convocação de personalidades de oposição, influenciadores e políticos bolsonaristas criaram a campanha "Sou Jovem, Sou Bolsonaro"
Edição Impressa
Tipo Notícia Por
Presidente Jair Bolsonaro (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil Presidente Jair Bolsonaro

Os jovens brasileiros de 16 a 17 anos, que têm direito ao voto facultativo, tornaram-se alvo de uma nova disputa entre direita e esquerda nas redes sociais. Com a aproximação do fim do prazo para a emissão de novos títulos eleitorais, influenciadores e políticos bolsonaristas criaram a campanha "Sou Jovem, Sou Bolsonaro".

Foi uma reação a ações pelo alistamento eleitoral e o voto contra o presidente de personalidades e artistas identificados com a esquerda, como Anitta, Pablo Vittar e Felipe Neto.

Os dois lados disputam os cerca de 10 milhões de brasileiros de 16 e 17 anos. Segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), 2022 é um dos anos de menor emissão de títulos das história. A Corte tem feito campanha para conquista do voto adolescente.

Entre 1º de março e 6 de abril, foram identificadas 287,7 mil postagens no Twitter com hashtags convocando a participação de jovens nas próximas eleições.

A informação foi apurada pela Diretoria de Políticas Públicas da Fundação Getulio Vargas (FGV DAPP). A campanha encabeçada pelos influenciadores alinhados ao governo e por aliados do presidente Jair Bolsonaro produziu o momento de maior agitação em torno do assunto, em 26 de março.

A ação contou com deputados federais, como Bia Kicis (PL-DF) e Carla Zambelli (PL-SP), a deputada estadual Ana Caroline Campagnolo (PL-SC) e o vereador por Belo Horizonte Nikolas Ferreira (PL-MG), um dos mais influentes nas redes sociais.

"Nós temos visto pessoas públicas usarem da sua influência para corromper a nossa fé", diz um dos trechos da publicação de que Nikolas participa. "Figuras que desprezam a imagem de um Criador, repudiam a Bíblia e atacam a família. Esses artistas estão usando a sua inocência e inexperiência de jovem adolescente para articular seus planos maléficos esquerdistas. Nós já nos posicionamos na linha de frente para essa guerra. O exército já está posto e não vamos recuar. Nós te convocamos para fazer parte disso."

A reação dos bolsonaristas cresceu nas redes. O alistamento na Justiça Eleitoral em março registrou salto de 45,63%, quando comparado a fevereiro, entre adolescentes de 15 a 17 anos. Entre os jovens com 15 a 17 anos, o número de novos títulos passou de 199.667 em fevereiro para 290.783 em março, crescimento superior a 45%.

Em 2012 houve mais de 4 milhões de pedidos de emissão do título entre os 15 e 18 anos. Já em 2022, havia 854 mil até 21 de março. O número era inferior ao registrado em 2020, ano da última eleição, com 1,36 milhão de solicitações.

Apoiadora do movimento, a influenciadora Jessica Seferin, presidente do movimento Jovens de Direita acumula cerca de 80 mil seguidores nas redes sociais. "Nas últimas décadas a esquerda doutrinou nossos jovens", disse. "A campanha foi uma resposta a esses artistas."

Após manifestações de Anitta, Bruna Marquezine e Zeca Pagodinho defendendo o alistamento precoce, pais e mães também passaram a compartilhar vídeos dos seus filhos. Neles, os jovens declaram apoio ao presidente com os novos títulos em mãos.

A cantora, que recentemente chegou à primeira posição no Spotify Global com a música Envolver, é uma crítica contundente do governo Bolsonaro. "Então agora é isso, hein... me pediu foto quando me encontrou em algum lugar? Se for maior de 16 eu só tiro a foto se tiver foto do título de eleitor", afirmou Anitta no Twitter no dia 23 de março.

Carla Zambelli foi uma das críticas ao movimento liderado pelos artistas. "Esses artistas não falam de outra coisa a não ser atacar a escolha da maioria do povo, é um presidente eleito, e divulgar a imagem de um criminoso descondenado", afirmou, em referência ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que lidera as pesquisas de intenção de voto.

No Tik Tok, a influenciadora Julia de Castro acumula cerca de 600 mil curtidas em vídeos críticos ao PT e de apoio ao presidente, um deles sobre a campanha de emissão de títulos. "Jovens não entendem de política, jovens são fãs, jovens idolatram essas pessoas, jovens estão preocupados com a próxima dancinha do Tik Tok e com a música da Anitta chegar no top 1 global", disse Julia que encampou a campanha para que os jovens conservadores solicitem o primeiro título de eleitor.

Citado nas manifestações dos artistas, Lula figura nas campanhas de expedição do título de eleitor. A hashtag #lulapalooza aparece em postagens que convidam jovens a providenciarem o documento, de acordo com a FGV.

As demais hashtags fazem apelos genéricos, como #roledaseleicoes, uma campanha do próprio Tribunal Superior Eleitoral; #tiraotítuloarmy, referente à fanbase do grupo musical Bangtan Boys; e #seuvotoimporta.

 

Essa notícia foi relevante pra você?