Reportagem

Bilhetes com advogado tinham instruções para tráfico e plano de fuga

Alaor Patrício Júnior foi preso com as mensagens após encontro no presídio com integrantes de facção criminosa
Edição Impressa
Tipo Notícia

Um dos casos de maior repercussão entre advogados acusados de envolvimento com organizações criminosas foi o de Alaor Patrício Júnior. Ele foi preso em flagrante em 24 de setembro último, com 11 bilhetes que, segundo o Ministério Público Estadual (MPCE), traziam comunicação de presos com familiares e pessoas responsáveis pelo tráfico de drogas, de armas, lavagem de dinheiro e outros delitos.

Conforme parecer do MPCE a que O POVO teve acesso, Alaor tratava com presos de ala composta por líderes da facção Comando Vermelho (CV), com atuação no bairro Aerolândia. São eles: Antônio Rômulo Soares dos Santos, José Walgleison Batista de Castro, Alan Marcos Azevedo Rocha e Valdemberg Rodrigues da Silva. Todos eles também foram autuados em flagrante.

Em uma das mensagens apreendidas, consta no documento, um dos chefes criminosos orientava quebrar a perna e o braço de um homem pela suspeita de ele ter adquirido drogas de concorrente. Outros bilhetes, no entanto, continham planos de fuga de presidiários. O criminoso fazia menção ao uso de pistolas, coletes balísticos e até um carro blindado.

Em outro trecho, o autor dos bilhetes diz que serras estão prontas para serem levadas a uma unidade prisional. A mensagem continua citando que haveria uma fuga, a partir de um "catatau" levado por um advogado, mas a ferramenta foi encontrada. "Os verme (agentes de segurança) tão tudo ligeiro, ele tá cabreiro de levar agora tá esperando a poeira baixa, mas já ta tudo no ponto aqui (SIC)", completa. Não fica claro qual advogado participaria do plano de fuga.

Outro bilhete destacado pelo MPCE diz que Alaor permitiria o ingresso de um celular. O advogado encontraria facilidade pois não estava se submetendo ao aparelho de Raio-X, em razão de uma cirurgia no braço — "mesmo álibi que utilizou-se no dia de sua prisão", lembra o MPCE.

Alaor também foi suspenso cautelarmente pela OAB por 12 meses. Ele, porém, se encontra em liberdade ao ter a prisão substituída por medidas cautelares em audiência de custódia. O inquérito que apura o caso segue em andamento. A Polícia Civil agora quer saber quem são os interlocutores das mensagens e as pessoas que são mencionadas em relatos de atividades criminosas. (Lucas Barbosa)

Essa notícia foi relevante pra você?
Logo O POVO Mais