Reportagem

Lockdown em Fortaleza começa nesta sexta-feira

Maior rigidez nas medidas de isolamento começa hoje na Capital. Se a taxa de adesão ao isolamento não aumentar, o número de mortos pode chegar a 5 mil no Ceará. O Estado está prestes a registrar 14 mil casos e passa de 900 óbitos
Edição Impressa
Tipo Notícia Por
Uso de máscara passou a ser obrigatório na Capital (Foto: Aurelio Alves/O POVO) (Foto: Aurelio Alves/O POVO)
Foto: Aurelio Alves/O POVO Uso de máscara passou a ser obrigatório na Capital (Foto: Aurelio Alves/O POVO)

Quem não ficou em casa de forma voluntária, a partir de hoje, 8, deve fazê-lo obrigatoriamente. O isolamento domiciliar como estratégia de combate à disseminação do novo coronavírus passa a outro nível de rigidez em Fortaleza. Com o lockdown, só é permitido realizar deslocamentos essenciais. Na realidade imposta pela pandemia, a ampliação da estrutura de internação hospitalar — que teve incremento de 64% nos leitos de terapia intensiva em 40 dias — não conseguiu acompanhar a evolução da doença e consequente demanda por leitos. Se as pessoas continuarem com os mesmos hábitos de deslocamento observados até ontem, 7, o número de mortos pode chegar a 5 mil no Ceará, com colapso do sistema de saúde previsto para o final de maio.

O Ceará atingiu 903 mortes até esta quinta-feira, 7, em decorrência da infecção. Foram registrados 13.888 casos do novo coronavírus, conforme atualização da plataforma IntegraSUS, da Secretaria da Saúde do Estado (Sesa), às 18h11min. Segundo a pasta, a taxa de ocupação das Unidades de Terapia Intensiva (UTI) para Covid-19 nas unidades sob gestão da Sesa é 98% na região de Fortaleza e 93% no Estado. Metade dos hospitais privados com UTIs no Ceará teve a capacidade esgotada, de acordo com a pasta. Duzentos respiradores são esperados no Ceará até o fim da semana que vem, disse Dr. Cabeto, titular da Sesa, em coletiva. Segundo ele, 100 aparelhos já estão no aeroporto de Pequim, capital da China, esperando liberação para o traslado. Até o começo de junho, são previstos mais 300.

A grande ocupação de leitos de alta complexidade, já beirando o limite máximo, foi uma das razões apontadas para o endurecimento das medidas de isolamento. Outras razões foram o quadro epidemiológico e a grande propagação de casos - com grande índice de letalidade nas duas últimas semanas - e o relaxamento da população quanto às medidas de isolamento, medida em bairros a partir das aglomerações e aumento do tráfego.

As informações são do "Relatório Fortaleza Covid-19 - expansão do contágio e exaustão do sistema", feito pela Prefeitura de Fortaleza e pelo Governo do Estado. No texto, a situação da Capital é considerada "dramática". Levando em conta a quantidade de mortes, os casos registrados e a grande subnotificação, a projeção é de colapso na rede de saúde no dia 30 de maio ou pouco antes disso.

Conforme o estudo e boletim epidemiológico divulgados ontem pela Prefeitura, são projetadas 5 mil mortes até o final de maio, sendo 4 mil em Fortaleza. Conforme José Soares de Andrade Júnior, do Departamento de Física da Universidade Federal do Ceará (UFC) e cientista-chefe da Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico (Funcap), não é possível, agora, prever o pico da pandemia no Estado, porque, com as medidas mais restritivas, as circunstâncias serão alteradas.

"Tecnicamente, é necessário que haja redução de casos confirmados, de mortes e internações todos os dias durante duas semanas. Com essa diminuição progressiva que se avalia o impacto, se a gente considerar que o período de incubação vai de cinco a 15 dias", explica Luciana Costa, professora do Instituto de Microbiologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Só após esse período é possível dizer por quanto tempo será necessário o lockdown, conforme a virologista. "Se a gente for levar em conta os países europeus, foi cerca de um mês, mês e meio", pontua. "Todos os cientistas, epidemiologistas e médicos sabem o impacto econômico disso, mas a gente precisa salvar vidas e a gente salva vidas dessa forma", acrescenta. (Colaboraram Cláudio Ribeiro e Julia Duarte/Especial para O POVO)

 

FORTALEZA-CE, BRASIL, 07-05-2020: Operação da secretaria de segurança do Estado com blitz na Av. Aguanambi para informar cidadãos sobre as restrições mais rígidas que passam a valer a partir da sexta feira em Fortleza. ( Foto: Júlio Caesar / O Povo)
FORTALEZA-CE, BRASIL, 07-05-2020: Operação da secretaria de segurança do Estado com blitz na Av. Aguanambi para informar cidadãos sobre as restrições mais rígidas que passam a valer a partir da sexta feira em Fortleza. ( Foto: Júlio Caesar / O Povo)

Blitze fixas e volantes fazem a fiscalização em Fortaleza por cumprimento do lockdown

Mais de 300 agentes de órgãos de segurança devem atuar em blitze fixas e volantes na Capital, a partir desta sexta-feira, 8. A medida faz parte do Plano de Fiscalização, Trânsito, Mobilidade e Segurança, articulado pela Prefeitura de Fortaleza e Governo do Ceará para garantir o cumprimento das novas medidas de isolamento social.

De acordo com o secretário da Segurança Pública André Costa, os agentes devem atuar em sete blitze fixas. Ele explica que um levantamento foi realizado para apontar bairros com mais movimento durante o isolamento social. Assim, os esforços devem se concentrar nas regionais II e V.

Equipes também se dividem em motocicletas para circular por 140 quadrantes do Município, parando a população que estiver na rua e solicitando documentações que justifiquem a movimentação delas.

Quem precisar sair de casa deve levar comprovante de residência, além de documento que ateste a necessidade da locomoção. Se não houver justificativa, o cidadão será orientado pelos agentes a retornar para a a própria residência e pode ser levado a delegacia em caso de negativa, respondendo ao artigo 268 do Código Penal por descumprimento de medidas sanitárias preventivas. (Gabriela Almeida e Júlio Caesar)

 

Clique na imagem para abrir a galeria

O que muda e como funcionará o lockdown em Fortaleza

O que é lockdown?
Lockdown é uma denominação em inglês para bloqueio total durante a pandemia. Se difere das medidas de isolamento social decretadas anteriormente pois não é voluntário, mas compulsório. A medida pode ter diferentes graus de rigor a depender do estado ou país de aplicação. O Governo do Estado tem se referido à medida como “regras mais duras”. Ontem, 7, o secretário da Saúde do Ceará, Dr. Cabeto, classificou o isolamento social mais rígido como “lockdown” pela primeira vez.

Mudanças
Será proibida a realização de "feiras de qualquer natureza" em Fortaleza, seja em espaços públicos ou privados. Também estará suspensa a circulação de pessoas em espaços públicos como praias, praças e calçadões. A exceção acontece quando estes locais forem meio de deslocamento imprescindível para a população acessar atividades essenciais.

Vigência
O atual decreto é válido até dia 20 de maio.

Fiscalização
Em caso de descumprimento, poderá haver responsabilização cível, administrativa e criminal. Força policial poderá ser usada. Poderá haver apreensão, interdição e/ou suspensão de atividade.

Que documentos levar ao sair de casa?

Comprovante de residência: vale para todas as pessoas, sendo no nome do cidadão ou de parente de primeiro grau. Deve ser levado em qualquer caso de saída. Esse documento é suficiente para justificar a locomoção para comprar suprimentos em supermercado e farmácia.

Crachá ou fardamento: quem estiver trabalhando em empresas que fornecem serviços essenciais, como hospitais ou supermercados, podem utilizar de itens como crachá ou farda para comprovar a necessidade de saída.

Documentos assinados: quem ainda não tiver de posse dos itens de trabalho citados acima, pode apresentar um documento assinado pelo empregador ou por alguém que seja responsável pela empresa em que o trabalhador exerce a função. É necessário que função na empresa seja informada no documento, comprovando a necessidade do trabalho.

Funcionamento do transporte
A circulação de ônibus e de veículos que realizam serviços de transporte por táxi, mototáxi ou veículo disponibilizado por aplicativo continua. O uso de máscara de proteção (caseira ou industrializada) por motoristas, cobradores e passageiros é obrigatório.


Regras de funcionamento para os negócios em Fortaleza

- Todos os serviços de delivery de e-commerce estão liberados.

- Drive-thru é somente para serviços de alimentação e farmácias.

- O serviço de drive-thru de shoppings está proibido e o Decon orientou a suspensão nos centros de compras da Região Metropolitana de Fortaleza.

- Entregas de produtos comprados por e-commerce que chegam de outros estados têm permissão de entrega.

- Nos estabelecimentos com serviços essenciais, deve ser impedido o acesso de pessoas que não estejam usando máscara, bem como a permanência simultânea de clientes, que inviabilize o distanciamento social mínimo de dois metros.

- Deve ser disponibilizado álcool 70% a clientes e funcionários, preferencialmente em gel.

- Autorizar somente uma pessoa por família a entrar nos estabelecimentos e atendimento prioritário de pessoas do grupo de risco da Covid-19.

- Estabelecimentos comerciais não essenciais somente podem funcionar por meio de serviços de entrega, inclusive por aplicativo, mas está vedado, em qualquer caso, o atendimento presencial de clientes.

- Motoristas do transporte público ou privado devem impedir a entrada de pessoas sem uso de máscara, sob pena de punição por descumprimento da política de isolamento social, caso seja flagrado pela fiscalização do Estado ou Município.

- Os atendimentos relativos aos serviços de manutenção de água, energia elétrica e telecomunicações continuam permitidos, incluindo serviços em domicílio obedecendo as normas de saúde.

O QUE É SERVIÇO ESSENCIAL

Apenas podem continuar funcionando os seguintes estabelecimentos:

Supermercados
Farmácias
Hospitais
Lotéricas
Bancos
Empresas de telecomunicação
Funerárias
Postos de combustível
Empresas prestadoras de serviços de mão de obra terceirizada
Indústria e comércio que integrem a cadeia alimentar
Fábricas de bomba de irrigação, ventiladores e ar-condicionado, bem como os respectivos serviços de manutenção
Indústrias do ramo têxtil e de confecção que forneçam materiais para uso na rede de saúde pública ou privada
Empresas das áreas de logística
Centrais de distribuição, ainda que representem um conglomerado de galpões de empresas distintas

DECRETO FEDERAL

- O decreto, publicado em edição extra do Diário Oficial da União, não tem validade para o Ceará. O texto é uma tentativa de incluir construção civil e também as atividades industriais como essenciais, mas faz a ressalva de que, desde que "obedecidas as determinações do Ministério da Saúde".

- No entanto, por decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), os estados e municípios decidem, prioritariamente, as medidas de enfrentamento. No Ceará, a construção civil e a indústria em geral não estão listadas como serviço essencial, portanto, não podem funcionar.

Fonte: Governo do Estado, Prefeitura de Fortaleza, Projeto Agir Brasil - Todos contra o coronavírus

 

 

Essa notícia foi relevante pra você?
Logo O POVO Mais