Reportagem

Fortaleza chega ao menor índice de isolamento desde o primeiro decreto

Monitoramento aponta que taxa na Capital no primeiro dia da fase 1 de reabertura foi de 41%. Capital tem a maior média de redução do uso de transporte público do Brasil
Edição Impressa
Tipo Notícia Por
MOVIMENTAÇÃO no primeiro dia da etapa de transição do isolamento, com abertura de alguns comércios (Foto: Aurelio Alves/O POVO)
Foto: Aurelio Alves/O POVO MOVIMENTAÇÃO no primeiro dia da etapa de transição do isolamento, com abertura de alguns comércios

O primeiro dia de reabertura gradual de atividades durante a pandemia do novo coronavírus teve uma taxa de isolamento de 41% - o menor desde o decreto estadual publicado em 19 de março que estabelecia o isolamento social no Ceará.

Na data, 50% da população fortalezense se encontrava em isolamento, sendo semelhantes, em ambas as ocasiões, os números relativos ao estado. Em relação ao Brasil, na semana que está em curso, a taxa de isolamento oscilou entre 38 e 39%. As informações são da plataforma Farol Covid e da empresa de monitoramento por celular In Loco.

Para o epidemiologista Marcelo Gurgel, que integra o grupo de estudos sobre Covid-19 da Universidade Estadual do Ceará (Uece), a redução no isolamento era esperada e a Capital está relativamente bem estruturada para lidar com novos contágios, mas a população precisa ter cuidados para não chegar a um nível de isolamento entre 30% e 35%.

"Uma queda de nove pontos percentuais no índice de isolamento é até aceitável. Muitos setores da economia abriram as portas novamente e as pessoas saíram para trabalhar. Além disso, havia uma ansiedade de grande parcela da população que esteve há 80 dias em isolamento e viu nesta semana a chance de sair de casa. Pode ser que nos próximos dias haja uma acomodação, com o arrefecimento dessa vontade de sair, ainda que o fluxo de pessoas fora de casa aumente, visto que outros setores vão recomeçar a funcionar", afirma.

"50% (no dia 19 de março) já não era um índice de isolamento bom. O risco está nos próximos dias. Estado e Prefeitura devem intensificar o monitoramento. Se a taxa de isolamento daqui chegar a 35% ou 30%, será bastante arriscado", ressalta.

O índice de redução do uso de transportes públicos na Capital também reflete a primeira semana de reabertura. Fortaleza esteve ontem com 62% a menos de pessoas utilizando o serviço, o que já representa quase 15% de crescimento em relação às últimas semanas de maio.

"Em comparação com outras cidades do Brasil, a porcentagem de Fortaleza é a mesma de Recife e menor que em Salvador, que está com -67% desde março. Foi na capital cearense onde registramos a maior média de redução no Brasil. A redução em Fortaleza empata com a da região de Nova York, também com -62%. Já começa a se aproximar do índice de cidades como Milão (-58%) e Paris (-57%), de países que foram afetados bem antes que o Brasil pela pandemia", aponta Pedro Palhares, gerente geral do Moovit no Brasil.

Questionada sobre o fluxo de passageiros na Capital, a Empresa de Transporte Urbano de Fortaleza (Etufor) informou em nota que "constatou o fluxo de 35% na fase 1 de flexibilização das atividades econômicas em Fortaleza. A programação da frota de ônibus chega a 70% de um dia útil. Nesta fase 1 estão disponíveis 1,2 mil ônibus e foi observada uma média de 320 mil passageiros/dia. A quantidade de ônibus está disponível de acordo com a demanda de usuários e são incluídos ônibus extra nas linhas de maior demanda".

A Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC) informou que a redução do fluxo de veículos particulares na Capital foi de 31%.

 

Essa notícia foi relevante pra você?
Logo O POVO Mais