Reportagem

Após dias de chuvas consecutivos, Ceará deverá ter precipitações mais isoladas

Tendência. Dia quente
Edição Impressa
Tipo Notícia

As chuvas têm seguido uma tendência de diminuição nos últimos dias no Ceará. Após março iniciar com precipitações acima de 200 mm em alguns municípios, nesta quarta-feira, 10, o dia amanheceu mais quente e com chuvas isoladas. Segundo os registros da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme), foram registradas precipitações apenas em 21 dos 70 municípios informados e a tendência é que a chova menos nos próximo dias. Na Capital, os registros não passaram dos 11 mm.

A máxima acumulada até o início da manhã de ontem, 10, ficou com Camocim (Posto Guriu), com 28.4mm. Outros municípios que também registraram chuvas não passaram dos 20 mm: Coreaú (Posto Sitio Urubu), Granja (Posto: Pessoa Anta), Morrinhos (Posto: Morrinhos)e Amontada (Posto: Icaraí de Amontada), todos com 19 mm.

O Ceará registrou, no começo do mês, chuvas em mais de 100 municípios por três dias consecutivos, com precipitações em todas as macrorregiões. Até esta segunda semana de março, choveu em 178 dos 180 municípios informados.

Nesta quinta, 11, e sexta-feira, 12, o Litoral deverá amanhecer com chuvas passageiras. Entre tarde e noite, são esperados acumulados nas áreas do noroeste do Estado. A porção mais ao sul do Ceará, como no Cariri, não apresenta condições mínimas para precipitações, ficando apenas sob céu variando entre claro e parcialmente nublado.

Segundo a Funceme, no período, Massapê lidera como território que registrou o maior acumulado de chuva no período de um dia, com 201.2mm, no Posto Tangente. Ibiapina, na Serra da Ibiapaba, e Caucaia, na Região Metropolitana, seguem como destaques nos acumulados do mês de março.

A mudança do início do mês para os últimos dias é que sistemas indutores de chuva mais significativos não estão atuando com tanta intensidade. Por meio de imagem de satélite, a Funceme observa presença de nuvens mais desenvolvidas sobre o noroeste do Maranhão e próximas à costa do norte do Nordeste, associadas à Zona de Convergência Intertropical (ZCIT). O fenômeno vinha atuando juntamente ou alternado com a presença de uma Cavado se Altos Níveis (CAN) sobre a região Nordeste e sistemas locais como a brisa terrestre.(Júlia Duarte)

Essa notícia foi relevante pra você?
Logo O POVO Mais